Cafés e Bares

O brunch com sabores franceses da Maison Luce chegou à Avenida da Liberdade

A pastelaria foi criada por um empresário que se inspirou na avó. Todos querem provar os croissants em cubo do brunch.
Há brunch para toda a família.

“Uma ode às avós e à sua eterna presença.” Assim é descrita a Maison Luce, uma pastelaria que nasceu pelas mãos do empresário Julien Letartre, 50 anos, inspirado na matriarca da família. Luce, ou Bonne Maman, como era carinhosamente apelidada pelos netos, era mãe de família numerosa, uma empresária de sucesso e, acima de tudo, uma excelente cozinheira.

“[A nossa avó] transmitiu-nos sabores, texturas, aromas deliciosos na sua cozinha, mas também a ideia de respeito pelos outros e um inextinguível otimismo. Por isso foi tão claro dar o nome da minha avó à loja”, contou o proprietário à NiT, que se mudou para Portugal em 2011 e trouxe consigo um pouco da padaria francesa.

Após a inauguração na zona das Amoreiras em novembro, a Maison Luce abriu mais um espaço a 8 de junho. A nova pastelaria situa-se na Avenida da Liberdade, em Lisboa, e possui dois pisos com especialidades francesas e um terraço com vista para a famosa artéria da cidade.

Ali encontra diversas opções de brunch, disponíveis das 10h30 às 15 horas. Por lá encontra o Menu Ovo Frenchie Benedict (15,90€) com ovo Benedict à francesa em cubo croissant com bacon e molho holandês, assim como o Menu Ovo Royal Benedict (17,50€), que inclui salmão fumado ou o Menu Omelette (15,90€) que junta uma omelete com cebola caramelizada, cogumelos salteados, fatia de pão Luce torrada e compota.

Se preferir um almoço, há menus disponíveis a partir dos 8,50€ com o menu sandwich. Ainda assim, o destaque destas opções, que incluem café ou madalena e água ou sumo de dia, são o menu crôque-monsieur (9,50€) ou o menu salada (9,95€).

 
 
 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação partilhada por Maison Luce (@maisonluce.pt)

Na extensa carta, com ofertas típicas de cafetaria, pastelaria e padaria, há outras propostas exclusivas. Salientam-se pratos quentes (variam todos os dias, menos no preço: 7,75€), pão da Luce (5,90€), pão tourte (5,40€), broa de milho-doce (3,20€) e pão briochette (1,50€). Outras receiras de assinatura a não perder são o Cramique (5,90€), o Merveileux (20€) e o Mon p’tit chou (1,40€).

Assinado por João Regal e Hilária Neto, o espaço mantém o acolhimento familiar da primeira pastelaria. “Queremos ser o sítio onde as pessoas se conhecem e reconhecem, dizem olá, um ambiente caloroso onde comemos coisas boas. Não é por ter personalidade francesa que se torna forçosamente chique”, acrescenta Julien.

A história da Maison Luce

Julien, nascido perto de Lille, descobriu Portugal há 25 anos, trabalhava então na Air France. Aqui se casou com uma portuguesa e, embora tenha vivido em França durante muito tempo motivos profissionais, manteve sempre a ideia de um dia fazer vida por cá. Instalou-se no nosso País, em definitivo, há 12 anos, e iniciou um caminho ligado ao ramo alimentar.

“Desenvolvemos, sob licença, um conceito de padaria francesa, mas a partir de certa altura crescemos e começámos a planear algo novo. Desejávamos que fosse um projeto com raízes portuguesas, embora com personalidade francesa – algo à nossa semelhança”, explica. “Foi uma espécie de coming out, para nos sentirmos livres a criar e dar a provar sabores que pertencem à nossa história coletiva.”

 
 
 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação partilhada por Maison Luce (@maisonluce.pt)

O nome do projeto foi uma escolha lógica para Julien, que se inspirou na avó Luce. Quanto a Maison (casa, em francês), também tem explicação. “Representa a experiência que queremos oferecer aos nossos clientes: a ideia de uma casa aberta, um sítio confortável e acolhedor, à imagem da casa de uma avó.”

As pessoas que trabalhavam antes com Julien, dos mestres de padaria e pastelaria a quem lida com clientes, estão no novo empreendimento. Em outubro, além do Amoreiras Plaza, o conceito também instalou corners na CUF Tejo e no El Corte Inglés, mas a outra é como o quartel-general do projeto.

Os planos de expansão já estão traçados, com duas diretrizes. “Desejamos prosseguir a abertura de lojas em Lisboa e noutras regiões de Portugal, ao nosso ritmo. A segunda vertente passa pela nossa relação privilegiada com a hotelaria e a restauração, para onde produzimos pão e viennoiserie todos os dias”, conclui.

Carregue na galeria para ver mais imagens da Maison Luce nas Amoreiras.

ver galeria

Áudio deste artigo

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT