Cafés e Bares

Os quatro amigos ucranianos que trocaram a guerra pelo novo bar da 24 de Julho

Saíram do seu país pela segurança da família, aterrando em Portugal para abrir o Papoila na movimentada avenida lisboeta.
Sashko, Anna, Vital e Nadiia.

Quando um quarteto de amigos ucranianos decidiu abrir um bar na avenida 24 de Julho, escolheram um nome com duplo significado: recordar o país natal e sorrir. “O Papoila Bar está aberto desde 6 de outubro, tendo este nome porque a flor é muito popular na Ucrânia, quase um símbolo nacional”, conta à NiT Anna Ganopolska, a sócia que imaginou o projeto. “Só que a palavra na nossa língua também se usa para descrever uma pessoa que bebeu muito, então é um duplo sentido divertido.”

O espírito positivo ajuda na nova vida, que recentemente sofreu uma alteração radical, como o mundo inteiro sabe. “Tudo corria bem antes da guerra, infelizmente, deixou de ser assim. Geria uma revista online sobre a vida cultural da Ucrânia e tive de interromper a publicação. Entretanto, consegui recuperá-la e já está no ar outra vez.”

Os outros dos sócios também tinham carreiras sólidas. “O Sashko Kucherov era diretor criativo da conhecida aplicação Reface. O Vital Laptenok era proprietário dos fundos de investimento Flyer One Ventures e Genesis, enquanto a mulher dele, Nadiia Naimushyna, geria um bar em Kiev, o Berlin 89.”

Anna já conhecia Portugal há nove anos, pelo que a decisão de vir para cá não foi tão difícil como para os amigos. “Adoro o País e tinha sonhado com uma casa perto do mar para viver. Sou uma verdadeira lisboeta (risos), gosto bastante da cidade. Sei que sou uma imigrante, mas gostaria que Portugal me aceitasse bem. E tudo tem acontecido nesse sentido, estou muito agradecida.”

Quando rebentou a guerra, a surpresa inicial rapidamente se substituiu pelo instinto de sobrevivência e, acima de tudo, a necessidade de proteger a família. Anna e o filho foram os primeiros a chegar, em março de 2022, seguindo-se o casal Nadia e Vital, também pais de uma criança, em abril, e finalmente Sashko, que veio no fim do mesmo ano.

“Não imaginava ser possível continuar a viver debaixo de fogo permanente, queria manter o meu filho em segurança. Durante a primeira noite da guerra, um rocket explodiu demasiado perto do telhado da nossa casa. Percebi que precisava de sair urgentemente para nos salvarmos. Muita gente pensou o mesmo.”

As conversas com os amigos fomentaram a ideia de Portugal ser o sítio certo para a deslocalização, assim como para lançarem um negócio juntos. Com idades entre os 35 e os 40 anos, os quatro avançaram para a inauguração do bar em Lisboa. A clientela é variada, mas já se nota que é um ponto de encontro para muito expatriados da Ucrânia.

Nadiia e Vital, graças à sua rede de contactos com conterrâneos, conseguiram manter o bar de Kiev em funcionamento e, com outros sócios, abriram um restaurante na Polónia, o The Morning After, The Night Before, em abril. Para já, o filho é a prioridade, pelo que não pensam sair de cá.

O Papoila Bar nasce com a ideia estabelecida por Anna de ser também um local de difusão cultural. “Quisemos fazer um lugar com estilo, onde as pessoas possam beber cocktails deliciosos e comer snacks de qualidade, sem nada falhar no serviço. Vamos receber eventos de diferentes áreas da cultura, convidar diferentes DJ e transmitir a animação das nossas noites em streaming, através do canal de YouTube que vamos pôr no ar em dezembro: Radio Papoila.”

O bar pretende gerar uma comunidade intimamente ligada às suas propostas regulares. “Tem a ver com tornarmo-nos sinónimo de uma rede de pessoas que buscam a diversão. Ao gerir o site sobre a vida da alta sociedade na Ucrânia, ganhei facilidade em juntar pessoas cool.”

Na carta do bar, há nove bebidas de assinatura, com o tema floral como ligação comum, e alguns pratos para petiscar. “Também temos cocktails temporários, como aconteceu em dois que criámos para o Halloween e a Web Summit. O menu é da autoria de Roman Shavin, 27 anos, e Andrii Novytskyi, 31. Também vieram para Lisboa devido à guerra e quando os conhecermos resolvemos contratá-los.”

Entre os destaques da carta estão os cocktails negroni de manjericão (11€), bloody de trigo-sarraceno (variação do bloody Mary, 10€), cheesy cowberry (com queijo de cabra, mirtilo, citrinos, vodka e sake, 11€) e night opium (com leite de papoila como ingrediente mais surpreendente, 13€).

Nos petiscos, há, por exemplo, chips de arroz e nori (6€), pão de papoila (5€), parfait de fígado de galinha (12€), bife tártaro em brioche (12€) e tarte tatin (9€).

Sobre o futuro, os sócios não escondem que esperam um dia voltar a casa, para reconstruir a nação em ambiente de paz. Por agora, a vida faz-se nas noites da 24 de Julho. “Temos muitas coisas para mostrar, incluindo partilhar a experiência gastronómica de origem ucraniana e a qualidade do nosso serviço.”

Carregue na galeria para conhecer o Papoila Bar e algumas das suas propostas.

ver galeria

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Avenida 24 de Julho 10C
    1200-161 Lisboa
  • HORÁRIO
  • 18 às 0h (domingo, segunda, quarta e quinta)
  • 18 às 2h (sexta e sábado)
  • (encerra à terça)
PREÇO MÉDIO
Entre 10€ e 20€
TIPO DE COMIDA
Bar

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT