gourmet e vinhos

A designer que criou uma marca de húmus com ingredientes biológicos e sem conservantes

Depois de descobrir a pasta de grão, Inês Tafoi nunca mais a largou. Incentivada pela família, criou a Epic Hummus.
Foto de amcbaptista/ Instagram.

“O húmus é um excelente alimento, saudável, descobri-o e nunca mais o larguei. Comecei a fazer para a família e para os amigos e diziam-me ‘devias vender isto’, mas não liguei muito”, explica à NiT Inês Tafoi. Quando o começou a preparar estava longe de imaginar que em 2021 ia ter um negócio dedicado a esta pasta de grão. De início não foi na conversa dos familiares, mas com a Epic Hummus criada, podemos dizer que seguiu os bons conselhos que lhe foram dados.

Inês Tafoi, 36 anos, é formada em Design de Comunicação na Faculdade de Belas Artes de Lisboa. Trabalhou como designer em agências de publicidade durante 10 anos. Criatividade nunca lhe faltou, mas por vezes não chegava a avançar com os negócios que pensava.

 “Tenho sempre muitas ideias na cabeça para criar, por exemplo, um estúdio de ilustração só de padrões, acessórios de moda. Muitas delas começam e depois não avançam. Desta vez decidi que não podia ser, tinha de levar a ideia até ao fim e iniciei este percurso.”

A escolha pelo húmus deu-se por gostar muito de petiscar e também por não encontrar grandes opções à venda e ver que poderia fazer algo diferente. “Não existia no mercado um húmus feito 100 por cento com ingredientes biológicos, sem conservantes e de origem nacional, um produto português. Queremos dar ao consumidor opções saudáveis e com variedade de sabores para introduzir na sua alimentação.”

A ideia surgiu ainda em 2019. Depois de vários meses em pesquisas, tanto no mercado nacional como internacional, queria ter lançado a Epic Hummus ainda em 2020, mas a pandemia atrasou o processo. “Provei quase todas as marcas de húmus que estão à venda em supermercados e comi em alguns restaurantes. Li muitas receitas e modos de fazer e fui desenvolvendo a minha, testando ingredientes e dando a provar a família e amigos.”

Só em fevereiro de 2021 é que a marca foi lançada oficialmente com a criação das páginas nas redes sociais e dos primeiros pedidos. É a partir da cozinha de casa na Amadora que prepara as várias sugestões. “O húmus é confecionado na minha cozinha doméstica que está licenciada para poder produzir e comercializar os produtos.”

Todo o processo é caseiro, desde a demolha do grão até à pasta de sésamo, que também produz. “São feitos sempre que há encomendas, portanto os produtos são sempre frescos. Têm uma validade de cinco dias no frigorífico e não contêm nenhum conservante.”

O de beterraba é uma das opções.

Limão, alho, azeite e cominhos, são outros dos ingredientes básicos, mas também há os que junta para as diferentes opções que tem disponíveis na Epic Hummus.

“Cheguei à conclusão que não havia grande variedade em Portugal. O mercado internacional é diferente, existem muitas combinações de sabores. Houve preocupação em juntar ingredientes com certos benefícios para o funcionamento do nosso organismo e assim surgiram as quatro variedades.”

São elas o clássico, o de cebola roxa, o de gengibre e curcuma e o de beterraba. Cada embalagem tem 180 gramas e custa 4,20€. 

“Os mais populares têm sido os sabores mais exóticos, como o de cebola roxa e o de gengibre e curcuma. Logo a seguir o de beterraba e o clássico. Noto que as pessoas estão dispostas a provar combinações de sabores diferentes do que estão habituadas a ter no mercado e isso é bom.”

Com a experiência na área do design, também houve a preocupação com o packaging. “Um aspeto importante no nascimento da marca foi a questão da sustentabilidade. Foi tudo pensado para que haja o menor impacto ambiental possível: as embalagens são compostáveis, em PLA,  polímero feito à base de plantas, e devem ser colocadas no lixo orgânico; os sacos de transporte são de papel kraft reciclado; e a risografia é o método de impressão escolhido por ser mais ecológico, onde as tintas usadas são produzidas à base de óleo de soja e de farelo de arroz.”

Os pedidos são feitos através das páginas de Instagram e de Facebook. No futuro quer ainda lançar um site para as encomendas. O ideal é pedir com um dia de antecedência. Pode optar pelo take-away ou pelo delivery na zona de Lisboa.  Inês Tafoi já está a pensar em novos sabores que serão lançados em breve.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT