Gourmet e Vinhos

O bolo de ananás de Clara de Sousa que vai deixar qualquer avó orgulhosa

Tem uma textura húmida e pouco doce. "É uma receita retro e meio pirosa, mas eu adoro", sublinha a jornalista.
Uma receita retro, em homenagem às avós.

Muitos portugueses associam o bolo de ananás às visitas à casa das avós, onde era um lanche frequente que deixava um aroma inconfundível no ar. Com um aspeto meio “kitsch”, mas, ao mesmo tempo, vistoso, trata-se de um clássico do universo da doçaria que acrescenta um certo glamour retro à mesa. 

Cristóvão Colombo foi quem apresentou o fruto-rei desta receita à Europa e não tardou a fazer sucesso. O rei Carlos II de Inglaterra, em 1675, escolheu-o para aparecer num retrato oficial. Cem anos depois, o primeiro presidente dos EUA, George Washington, gostava tanto de ananás que decidiu cultivá-lo na sua propriedade, em Mount Vernon. 

Ao longo dos anos, deixou de ser um fruto reservado às elites e tornou-se mais democrático. Não tardou a ser utilizados nas mais diversas sobremesas, como o bolo homónimo que é um dos favoritos de Clara de Sousa. “Prima pela beleza, pelo sabor e pela textura húmida irresistível”, lê-se no site da jornalista, que este ano se juntou ao universo NiT. “Hoje é uma receita verdadeiramente retro, até podem chamar-lhe meio pirosa, mas eu adoro”, acrescenta. 

Coberto pelas míticas rodelas de ananás — e neste caso, com cerejas em calda, para lhe dar um toque ainda mais vistoso — dá para perceber de longe que terá uma textura húmida, “mas não encharcada”. Além disso, o facto de cozer a baixa temperatura, ajuda a que não fique seco. 

Escusado será dizer que além do brilharete que fará em qualquer mesa, só pelo visual arrojado dos anos 80, é um doce cheio de sabor, mas não demasiado doce — que irá surpreender até aqueles que tipicamente nunca gostam de sobremesas. 

Do que precisa

Para a base (que no final se torna o topo)
— 1 lata de 560 gramas de ananás em sumo (e não em calda) — 10 rodelas
— 13 cerejas em calda
60 gramas de manteiga sem sal derretida
100 gramas de açúcar amarelo

Para a massa do bolo
— 225 gramas de farinha T65 sem fermento
— 1 colher de chá de fermento em pó
— meia colher de chá de bicarbonato de sódio
— ¼ de colher de chá de sal
— 50 ml de leite
— 60 ml de sumo de ananás da lata
— 125 gramas de iogurte grego natural
— 1 colher de chá de extrato de baunilha
— 100 gramas de manteiga sem sal
— 150 gramas de açúcar
— 2 ovos L
— sobras do ananás, picadas

Como se faz

Para a base
Comece por secar as fatias de ananás e as cerejas com papel de cozinha. Mantenha apenas uma rodela de ananás inteira e corte as restantes ao meio. Verta a manteiga derretida na forma de bolo — use uma de 22 centímetros de diâmetro, inteira, não de fundo amovível com mola, porque o caramelo irá babar para fora.

Pincele bem as paredes da forma e depois polvilhe uniformemente a base com o açúcar amarelo. Coloque a rodela de ananás inteira ao centro e as 12 metades em redor. Finalmente, distribua as cerejas pelos círculos ou semicírculos. As três rodelas que sobram são cortadas em pequenos pedaços que deverá juntar à massa, mais adiante. 

É muito importante que nesta fase pressione o ananás e as cerejas para baixo para estarem em contacto com a base da forma e não apenas em cima do açúcar. Só assim as suas cores irão destacar-se quando desenformarmos o bolo, sem ficarem cobertas pelo caramelo.

Para a massa
Irá precisar de três taças. Numa delas, misture a farinha, o fermente em pó, o bicarbonato e o sal. Noutra, misture o iogurte, o leite, o sumo e o extrato de baunilha. Por fim, na última, ligeiramente maior, bata a manteiga à temperatura ambiente com o açúcar até ficar bem incorporada. Depois, junte os ovos, um de cada vez, batendo até incorporar antes de juntar o seguinte.

A este creme, envolva os secos e molhados com a ajuda de uma espátula de silicone — primeiro um terço dos secos, depois metade dos líquidos, mais um terço dos secos, a restante metade dos líquidos e o restante terço dos secos. Sem esquecer o ananás em pedacinhos que vai dar ainda mais suculência a esta massa, depois de cozida.

Transfira a massa para a forma, alise o topo e leve ao forno pré-aquecido a 160 graus (função ventilador) durante 30 minutos. Passado esse tempo, cubra com folha de alumínio e mantenha durante mais 25 a 30 minutos, ou até que, espetando um palito no centro, este saia seco.

O bolo ficará dourado e, mal sai do forno, é colocado sobre uma rede para arrefecer durante 15 a 20 minutos no máximo. Este ainda tem de estar quente na hora de desenformar, por isso não o deixe descansar mais do que o tempo indicado acima, caso contrário, arrisca-se a que a parte caramelizada fique agarrada à forma.

Coloque um prato por cima da forma e vire, deixando o bolo soltar-se naturalmente ou agitando a forma para facilitar o processo. No entanto, antes de o virar, se vir que está muito colado às paredes da forma, pode passar a ponta de uma faca em redor.

Carregue na galeria para conhecer 15 receitas de gelados com diferentes sabores que pode experimentar este fazer verão.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT