gourmet e vinhos

O casal que se apaixonou pelo banana bread do Havai e agora faz sucesso em Portugal

A marca Aloha Breads começou em São Paulo e chegou à Grande Lisboa com versões que juntam nozes ou pepitas de chocolate.
O projeto começou em São Paulo e chegou a Lisboa.

Há quem regresse de férias do Havai com ímans de presente para família, cartões de memória cheios de fotos e muita inveja dos amigos com as fotos partilhadas nos últimos dias. O casal brasileiro Giuliana Tortorelli, 31 anos, e Sérgio Toledo, 34, trouxe tudo isso na bagagem mais uma receita de um banana bread típico, com o qual abriram um negócio em São Paulo, no Brasil. Agora, no final de abril, chegou finalmente a Portugal o Aloha Breads.

“O Sérgio experimentou o banana bread na ilha de Maui [Havai] e queria muito comê-lo novamente, mas não encontrava em nenhum lugar em São Paulo. Foi então que pediu a receita a uma pequena produtora da ilha, que conheceu durante a viagem, e começou a fazer para consumo próprio”, explica Giuliana à NiT.

O marido era jornalista e trabalhava na área de comunicação e marketing. Já com a receita, fez um pão de banana, levou para os colegas e não foi o único a devorá-lo. “Certo dia, levou para o trabalho e percebeu que era um grande sucesso. Nas semanas seguintes, começaram a fazer-lhe pedidos. Aos poucos, passou a apresentar os produtos nas cafetarias de São Paulo e teve boa aceitação. Por indicação dos amigos e de outras pessoas, tornou o hobby num negócio.”

O projeto da Aloha Breads arrancou em São Paulo, em 2016. Dois anos depois, a mulher, que trabalhava como professora do ensino básico, juntou-se ao negócio do marido. Em 2020, durante umas férias em Portugal, decidiram trazer o banana bread para o País.

“É um País que está em crescimento, que apoia o empreendedorismo e tem uma relação muito forte com o surf, desporto que é uma das nossas bandeiras.”

A Aloha Breads arrancou com uma versão, a mais tradicional e baseada na tal receita que o marido recebeu da ilha de Maui, mas aos poucos foi sendo aprimorada e até deu origem a novos sabores de banana bread.

“As possibilidades de variações e combinações são imensas. Assim, foi possível desenvolver receitas e apresentar um conceito inédito. Especializarmo-nos neste produto nunca foi uma meta, ocorreu naturalmente, teve muito a ver com a aceitação por parte dos clientes.”

Nas versões que criaram posteriormente, e que estão disponíveis em Portugal, a de pepitas de chocolate (13,50€) foi a mais complicada de chegar ao ponto desejado. O menu tem ainda o Sunny Days, feito com farinha sem glúten (11,50€); o Danny’s Favorite, vegan e com farinha integral (10,50€); o Vegan Chocolate Chip, com chocolate negro belga (13,50€); e o Walnuts Vegan, com nozes (13,50€). Todos têm 26 centímetros e aproximadamente um quilo de peso.

Existem 6 versões.

“O feedback tem sido muito positivo. Os clientes ficaram surpreendidos com o sabor, mesmo aqueles que já experimentaram diversos banana breads.”

Ainda não têm uma zona de produção, por isso é na casa onde vivem em Mafra que produzem estes bolos. Dependendo da versão, o banana bread demora cerca de uma hora a cozinhar no forno. E existem sempre cuidados que são obrigatórios ter.

“O tempo e a temperatura do forno são cruciais na preparação. Se não estiverem bem ajustados à humidade e à temperatura externas podem estragar a receita.” Também o facto de a banana estar mais ou menos madura pode influenciar o resultado final.

A produção é artesanal e finalizada perto do dia da entrega para que tudo esteja o mais fresco possível. Por norma, costumam fazer os bolos às quintas-feiras, uma vez que as entregas são no dia seguinte. Neste momento, chegam aos concelhos de Lisboa Mafra, Cascais, Oeiras, Sintra, Amadora, Odivelas e Loures.

Os pedidos são feitos pela página de Instagram, pelo WhatsApp 913754144 ou através do email aloha@nullalohabreads.pt. O objetivo a curto prazo é fazerem também envios via CTT para todo o País.

Outro dos planos passa por aumentar a oferta de banana bread e abrir um espaço para vender os novos produtos. A ideia inicial até era terem uma food truck. 

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT