Gourmet e Vinhos

Votação NiT: afinal, qual é o melhor croissant de Lisboa?

Com massa folhada ou brioche, recheado ou não. É um bolo que agrada a todos e a NiT quer saber qual é o seu favorito.
Não faltam opções.

O mundo divide-se entre as pessoas que gostam de croissants de massa folhada ou massa brioches. O eterno debate sobre qual das receitas é “a verdadeira”, gera discussões acaloradas que nem sempre acabam bem. A situação complica-se se houver um francês envolvido na conversa, provavelmente chocado ao ouvir o termo “croissant” para descrever um bolo com uma massa densa e demasiado doce.

Contudo, a origem deste bolo não é atribuída aos franceses, mas sim aos padeiros de Viena, na Áustria. Acredita-se que o formato de lua da massa folhada seja alusivo à bandeira do Império Otomano. Mais tarde, a partir de 1770, Maria Antonieta introduziu e popularizou a receita em França. O croissant acabou por se tornar um ícone da cozinha francesa, mas ainda hoje é incluído no grupo das viennoiseries (designação que remete para a capital austríaca), que inclui vários folhados, como o pain au chocolat, pain auc raisins ou chausson aux pommes.

A receita do croissant terá chegado ao nosso País durante as invasões francesas, entre 1807 e 1811 ainda intacta — ou seja, em massa folhada, que se desfazia em camadas. CAo longo dos anos, foram desenvolvidas outras versões, com diferentes tipos de massa, formatos, recheios e coberturas. Atualmente há opções para todos os gostos.

Em Lisboa, não faltam espaços onde a corrida aos croissants gera longas filas diariamente. O Careca, no Restelo, abriu há 70 anos e só têm um dia mau — a terça-feira, porque estão encerrados. O croissant açucarado e mal cozido é a estrela da pastelaria que ainda se mantém naquele que é considerado o centro comercial mais antigo do País. A procura é tal, que são distribuídas senhas, que se traduzem em vários minutos de espera.

O Melhor Croissant na Minha Rua é uma cadeia especializada neste bolo, que se encontra espalhada um pouco por toda a cidade. A oferta inclui os bestsellers, com Nutella e Kinder Bueno, bem como muitas outras sugestões doces e salgadas. Dos recheios de creme de ovo, Oreo, doce de morango ou leite, aos clássicos de chocolate e requeijão e doce de abóbora e nozes. O de queijo fresco com tomate e orégãos é outra das propostas mais requisitadas. Os preços variam entre os 2,45€ e os 6,30€.

Não é fácil encontrar uma altura do dia em que a Fábrica Lisboa esteja mais vazia para um lanche mais sossegado. Turistas também é o que não falta, tudo a provar o croissant do café que cheira logo desde a rua. Para acompanhar nada melhor que um bom chocolate quente.

Nos locais mais recentes da capital, estes doces também não foram esquecidos. O Chez, que abriu em fevereiro, apresenta-se logo como o “o local que os clientes procuram quando querem sentir aquele calor do passado, um momento descomplicado, com opções deliciosas”. A receita foi criada pela equipa de chefs do grupo e demorou vários meses até que se chegasse à versão final. Atualmente têm 18 sabores de recheios diferentes.

Para escolher o seu croissant favorito, só precisa percorrer a lista abaixo e carregar no botão “votar”. A votação termina na próxima quinta-feira, 11 de julho.

Esta votação foi encerrada (since 5 dias).
Padaria Portuguesa
36.43%
Pastelaria do Restelo (Careca)
35.66%
Uspot
9.01%
O Melhor Croissant da Minha Rua
8.03%
Choupana Caffe
2.63%
Faruque
2.54%
Maria Croissant
1.65%
Nataria Nacional
0.82%
Benard
0.62%
Pastelaria Versailles
0.59%
Chez Croissant
0.52%
Aloma
0.35%
Pastelaria Lomar
0.30%
Fábrica Lisboa
0.23%
Padaria da Esquina
0.20%
Baguettes & Cornets
0.20%
Moço dos Croissants
0.12%
Os Croissants
0.07%
Croissant Gigante
0.01%

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT