restaurantes

Avillez abre um três em um no Chiado com sabores asiáticos e portugueses

Em colaboração com Estanislao Carenzo, é a primeira aposta do grupo do chef nacional para 2019: dois restaurantes e um bar.
Este é o bar da Casa dos Prazeres.

Ainda há espaço no Chiado para restaurantes de José Avillez? Claro que sim. O chef disto tudo abriu mesmo ao lado da Pitaria e em frente ao Bairro (ambos dele), um conceito três em um. São dois restaurantes e um bar, mas nem tudo está em funcionamento para já. O projeto é do grupo do chef português em colaboração com o argentino Estanislao Carenzo, que assina todas as cartas.

Desde quarta-feira, 27 de março, está em soft opening o Rei da China, um espaço de refeições rápidas inspiradas na street food asiática, com sopas, caldos, ramen e vários petiscos. É pequeno, só tem um balcão e capacidade para 12 pessoas. No interior deste estão as portas que o levam até à Casa dos Prazeres. Começa por entrar no bar e, no piso superior, está um restaurante dedicado a sabores luso-asiáticos.

Assim que entra no Rei da China nada faz prever o que vai depois encontrar na Casa dos Prazeres. Um local bem decorado, amplo, ambiente a média luz, sofás de veludo e cores a puxar para o bordeaux. Uma boa surpresa que só poderá descobrir a partir da próxima semana — a abertura está atrasada.

Por enquanto, são apenas as propostas de comida de rua no balcão do Rei da China que poderá experimentar. “Chama-se Rei da China, mas apresenta sugestões de toda a Ásia”, explica à NiT Estanislao Carenzo, o responsável por estes dois conceitos. Tem 46 anos e conheceu José Avillez durante uma viagem ao México, em 2011. Ficaram amigos e aí o chef percebeu a ligação da gastronomia asiática à portuguesa. A ideia de um projeto em conjunto vem desde aí, mas só agora é que tudo se proporcionou. O chef português aconselhou combinações e produtos a usar mas o serviço é sempre coordenado e assegurado pelo argentino.

“Mudei-me para Lisboa para inaugurar estes conceitos, mas só tinha visitado o País outras duas vezes.” Ficou sempre pela zona da capital, mas quer conhecer outras cidades. Nasceu na Argentina e passou por cozinhas em Paris, Buenos Aires e Madrid. Sempre adotou o estilo de gastronomia oriental, que traz também para o Chiado com vários sabores portugueses.

No balcão do Rei da China são preparados todos os caldos e também as massas. “É um processo muito artesanal, rápido de servir e a bom preço, que se vê em várias casas do Japão.”

Pode sentar-se e comer por ali ou levar para fora. Vai ter de experimentar uma das Super Sopas — é assim que estão identificadas no menu. Tem a Pho Bo do Loi, um caldo de vitela com mexilhão, massa de arroz e ervas (8,50€); ou a DanDan Mian, preparada à base de cogumelos, com massa de trigo, molho de amendoim, feijão verde e azeite de malagueta, também caseiro (8,50€).

Rápidas de comer são ainda as chamuças de caril com grão de bico (2€); os bolinhos de bacalhau à tailandesa, com molho de malagueta agridoce (1,80€); o Bánh mi carcaça, uma sanduíche vietnamita de alcatra panada, picles asiáticos, pepino, agrião e coentros (6,50€); ou a Bánh mì budista, a sanduíche de beringela frita (5,80€).

Este espaço vai estar a funcionar entre segunda-feira e sábado entre as 12h30 e as 22h30. Já a Casa dos Prazeres apenas estará aberta durante a noite. No piso térreo encontra a zona de bar. Aqui poderá pedir alguns dos petiscos do Rei da China. Pode entrar apenas para beber um copo ou esperar que a mesa do piso superior fique pronta. Há cinco cocktails para escolher, todos na mesma onda do conceito.

A Casa dos Prazeres só deverá abrir durante a próxima semana

Tem o Melgroni, com brandymel e campari (10€); o Shogun Oaxaca, com tequila, mezcal, pepino e gengibre (10€); ou o Gimlet Lisboeta, com gin, lima e menta (10€). São as medusas luminosas na escadaria que o conduzem até ao restaurante. “A lógica do menu é a partilha. Tudo o que chega à mesa foi pensado para repartir.”

O menu começa com uma sugestão de degustação (65€) para duas pessoas. Depois tem a restante carta para fazer a própria seleção. “É uma carta muito personalizável, onde até os clientes podem acrescentar mais temperos.” Uma das mais evidentes apropriações luso-asiáticas são as amêijoas à Bulhão Pato de Férias no Sudeste Asiático (10€). Está mesmo assim descrito. São cozidas a vapor e juntam ainda vinho chinês e um toque picante com várias especiarias.

Prove ainda o Shui Jiao Ibérico, uns pastéis de massa de trigo com porco preto, camarão e azeite de malagueta (6€); o caril de vaca, com bochecha estufada, leite de coco e caril vermelho (14€); ou os filetes de peixe a vapor, com funcho, gengibre, cogumelos frescos e manteiga (15€). Para a sobremesa tem o pão de ló japonês, com gelado de mel de cana (5€); ou o coco fermentado com granizado de toranja (4€). “O objetivo é que as pessoas venham várias vezes e consigam depois fazer a sua própria degustação equilibrada.”

A decoração também não é a óbvia e, desta vez, não foi feita por uma equipa escolhida pelo Grupo José Avillez, como é habitual. “Para estes espaços quis um ambiente descontraído, que não fosse buscar diretamente elementos à China.”

Para isso contactou Pep de Boissieu e Natalia Slay, argentinas e ligadas à área das artes. Foram elas que assinaram o projeto de arquitetura.

Carregue na galeria para conhecer melhor o Rei da China e a Casa dos Prazeres.

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Rua Nova da Trindade, 13, Lisboa
    1200-302 Lisboa
  • HORÁRIO
  • De terça a sábado das 19h às 00h
PREÇO MÉDIO
Entre 20€ e 30€
TIPO DE COMIDA
Asiática, Bar

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

NiTfm

AGENDA NiT