restaurantes

Visita guiada ao novo Solar dos Presuntos: da cozinha ao terraço de Vhils

Seis anos depois, as obras do histórico restaurante de Lisboa terminaram. É agora um espaço moderno e tecnológico.

A reabertura ao público ainda não aconteceu, mas por estes dias alguns amigos e convidados especiais já tiveram a oportunidade de conhecer o renovado Solar dos Presuntos. Quem não sabe, entra pela porta e pede uma mesa, mas logo vem a explicação e o desejo que dentro de dias aqueles mesmos clientes voltem a passar pela porta principal.

“Só estamos a fazer uns testes com alguns convidados, ainda não estamos abertos, mas para a semana já vamos reabrir.” Se não era Pedro Cardoso, o atual responsável pelo espaço, era a filha, Carolina Cardoso, que informavam os curiosos que tentam voltar a fazer uma refeição no histórico restaurante de Lisboa.

Há seis anos arrancaram as obras no Solar dos Presuntos. Desde essa altura que o projeto está definido. Houve alguns atrasos, a descoberta de um cemitério romano durante umas escavações e até uma pandemia pelo meio. Ainda assim, nada fez parar a ideia que Pedro Cardoso tinha para aquele espaço.

Ao mesmo tempo que as obras aconteciam nos últimos anos, o serviço nunca parou, e esse sempre foi o objetivo: continuar a servir os clientes. A pandemia trocou mais ou menos as voltas a todo este processo. A renovação devia ter ficado concluída no início do ano, mas a proibição de receber clientes durante o confinamento provocou uma ligeira alteração. A cozinha do Solar dos Presuntos mudou-se para o Prior Velho em março, apenas em regime de take-away, e durante os meses seguintes, as obras ficaram todas concluídas.

Nessa altura, Pedro Cardoso contava à NiT que esperava abrir ainda em julho. Não se enganou muito, já que no final de agosto voltou a ter toda a equipa a trabalhar no renovado espaço. Quem olha por fora, no edifício da Rua das Portas de Santo Antão, parece que não vê grandes mudanças. A verdade é que do exterior não percebe todo o novo mundo que está no interior, como salas com garrafeiras premium, quartos, que vão receber hóspedes em breve, novas zonas de refeição e lounge que aumentaram em muito a capacidade do restaurante e um terraço com um mural de Vhils, que promete ser bastante concorrido.

No terraço há uma obra de Vhils.

Ao passar a porta, com os grandes talheres em metal, a montra de presuntos e o aquário de lagostas e lagostins, parece que entra no mesmo espaço. E esse era o objetivo.

“Quisemos que as pessoas sentissem que estavam no mesmo restaurante que sempre conheceram”, explica Pedro Cardoso à NiT. Nas paredes continuam as fotos com as várias personalidades que ali já fizeram refeições, as camisas e as bolas de futebol que foram oferecidas, caricaturas, pinturas e azulejos, nada foi mexido.

Um olhar atento para o fundo desta primeira sala nota que a cozinha é toda nova. É aberta para a zona de refeições e conta com um conjunto de equipamentos que antigamente era impossível estarem ali. “Não há nenhuma cozinha assim na Europa, com esta capacidade de produção, de qualidade e higiene.” Há muitos elementos tecnológicos, um forno Josper para os grelhados a carvão, bancadas amplas e uma capacidade produtiva que nunca houve neste restaurante.

“Queremos ser auto-suficientes em tudo o que fazemos”. Esse é o grande objetivo. Desde o pão, aos molhos, às sobremesas, já existe capacidade para fazer mesmo tudo por ali. Pedro diz, com ironia, que só lhe falta mesmo conseguir fazer azeitonas. Quem sabe um dia.

O chef Hugo Araújo é quem está aos comandos desta nova cozinha onde são produzidos os pratos tradicionais de sempre, já que não houve alterações no menu. Novidades só mesmo na carta que irá ser servida no tal terraço com a obra de Vhils, mas já lá vamos.

Aqui na cozinha, importa ainda referir a sala onde está um túnel que é uma máquina de lavar. “Antes precisávamos de seis pessoas para este trabalho, agora são só duas.” De um lado é colocada a loiça, sem necessidade de pré-lavagem; e do outro lado sai limpa, desinfetada e seca em minutos. Nesta zona da cozinha existem as habituais zonas de preparação de alimentos e arcas de frio.

Neste mesmo piso, ao lado da sala de refeições da cozinha, há todo um novo corredor onde estão expostos alguns prémios do restaurante, garrafas e outros quadros. É aqui que encontra um elevador que dará mais tarde acesso aos hóspedes para os quartos que estão a ser finalizados.

Ao fundo, uma mesa do chef que irá servir também de academia para alguns workshops e formações. Tem duas televisões para passar tudo o que está a acontecer na bancada da cozinha. Nem todos os clientes o poderão fazer: apanhar o elevador até ao piso -1. É aqui que se esconde a garrafeira do Solar dos Presuntos, que antes estava num outro espaço não muito longe do restaurante.

“É a minha maluqueira”, conta Pedro Cardoso. Não consegue quantificar quantas garrafas tem ali, mas sabe que são milhares, os mesmos de euros que ali estão traduzidos em líquido. Neste piso inferior, que foi ganho ao solo, existe ainda uma área técnica e uma zona de viveiros com lagostas, lagostins, santola e lavagante. O responsável explica que em dias normais o restaurante era capaz de vender uma média de 100 quilos por dia de lavagante, algo que estes viveiros vão ser uma ajuda para voltar a esses números.

As três salas habituais do Solar dos Presuntos mantêm-se intactas, mas é no piso intermédio que encontra uma das grandes novidades. Onde antes se encontrava a garrafeira, foi aberta uma sala com uma decoração moderna que em dimensão é quase todo o antigo projeto. Aqui existe a Sala do Cofre, com uma garrafeira premium, e as tradicionais fotos de convidados nas paredes, mas aqui com um twist.

As molduras estão todas ligadas a um sistema que vai permitir passar fotografias digitais, mas que se pareçam com as reais e não algo tipo ecrã. Neste momento, ainda não está a funcionar, mas isso irá acontecer muito em breve. Nesta sala ampla, uma clarabóia já deixa espreitar outro segredo que esconde o novo Solar dos Presuntos: o terraço.

Há uma nova área muito moderna.

Vai ser inaugurado esta sexta-feira, 20 de agosto, com a família dos funcionários. Esta promete ser uma das esplanadas mais concorridas da cidade e muito ganha com a escultura de Vhils, que imortalizou na parede os pais de Pedro Cardoso, Evaristo e a mulher, os fundadores do restaurante, no final de outubro de 1974.

Há alguns anos que Pedro e a filha tinham a ideia de convidar um artista português para fazer uma obra naquele espaço. Pedro já conhecia este artista nacional quando ele veio jantar ao Solar. Depois tentou entrar em contacto com Alexandre Farto através da editora que na altura tinha publicado um livro, mas em vão. Nesse mesmo dia, há um ano e maio, Vhils acabou por voltar ao restaurante. “Nada é por acaso.” O convite foi feito, a obra pensada, executada e concluída para uma inauguração que aconteceu a 13 de agosto apenas para alguns convidados.

Neste terraço haverá um menu específico e não a habitual carta que é servida no restaurante. Croquetes de presunto, sanduíche de caranguejo real e lavagante, tosta de presunto pata negra e cogumelos, prego angus com molho cheddar, e camarão panado com maionese de alho são algumas das sugestões.

Já no restaurante, que conta agora com quatro salas e mais alguns recantos lounge, que funcionam para espera enquanto aguarda pela mesa, mantém-se o tradicional menu, focado na cozinha portuguesa e nos produtos de qualidade que já habituou os clientes ao longo dos anos.

Açorda de lavagante (29,50€), arroz negro de chocos, vieiras e gambas (52,50€), pataniscas de bacalhau com arroz de feijão (18€), filetes de peixe galo com arroz (28€), cabrito assado à moda de Monção (23,50€) e pernil de porco com batata assada e grelos salteados (22€) são algumas das sugestões que continuam na carta e saem agora da nova cozinha do restaurante.

Os convidados que durante esta semana tiveram o privilégio de conhecer o espaço percorreram os vários corredores e salas do novo Solar dos Presuntos. Durante a próxima semana já poderá passar por lá, mas enquanto isso não acontece, pode espreitar todas as novidades. Carregue na galeria para conhecer o renovado espaço.

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    R. das Portas de Santo Antão 150, 1150-269 Lisboa
    1150-269 Lisboa
  • HORÁRIO
  • Das: 12:00
  • Às: 23:00
PREÇO MÉDIO
?
TIPO DE COMIDA
Portuguesa

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT