Restaurantes

Esqueça as horas na cozinha. A Dona Marmita entrega refeições saudáveis em todo o País

"Comida de conforto e tradicional, que lembra a infância e aconchega" são as propostas que compõem a ementa semanal.
Cinco refeições ficam por 35€.

Com a correria dos tempos em que vivemos onde há sempre alguma coisa a acontecer ou para fazer, muitas vezes, torna-se inevitável descurar certos aspetos da vida quotidiana. Um deles é a alimentação. Quando falta o tempo ou a paciência, esta costuma ser das primeiras a pagar fatura, pois muitos acabam por optar por soluções rápidas, geralmente pouco saudáveis, de modo a contornar o problema.

As marmitas costumam ser uma importante ajuda no combate a este flagelo. Além de contribuírem para reduzir os gastos que almoçar ou jantar todos os dias no restaurante, ou até mesmo na cantina, implicam; permitem planear as refeições semanais com maior detalhe — atrativo particularmente importante para quem segue alguma dieta específica já que permite controlar o que se está a ingerir e também ter algo para petiscar sempre à mão. As refeições preparadas com antecedência também evitam que, nos dias em que chega a casa mais cansado, acabe a ir para a cama de estômago vazio.

Martinho Henriques (41 anos), ligado às vendas online e ao marketing, e Filipa Loureiro (43), engenheira alimentar, sabem isto tudo, pelo que decidiram unir os seus conhecimentos e experiência profissional para criar a Dona Marmita, empresa que lhe entrega as refeições que quiser em casa, ou em qualquer outro sítio que lhe seja conveniente, fique este no norte, sul ou centro do País. O casal acaba, assim, com as desculpas de todos aqueles que alegam falta de tempo ou à vontade entre tachos e panelas para justificarem uma má alimentação.

“A área da alimentação e o mercado digital sempre nos interessaram, pelo que queríamos criar alguma coisa que pudesse unir os dois universos. Certa vez, quase em brincadeira, tivemos esta ideia e resolvemos arriscar. Em 15 dias montamos a operação como um teste. O sucesso fez com que o negócio fosse crescendo e em quatro meses conseguimos chegar onde prevíamos estar em um ano”, começa por explicar à NiT Martinho.

“A ideia é bastante simples desde o início. Sabemos que as pessoas têm cada vez menos disponibilidade para cozinhar e pensar uma alimentação equilibrada e minimamente saudável. Também há quem simplesmente não saiba ou goste de cozinhar. A Dona Marmita vem facilitar-lhes a vida, ao permitir o acesso a propostas frescas e saudáveis que as deixem despreocupadas para viver momentos de qualidade tanto no trabalho quanto em família”, acrescenta.

Todas as semanas, apresentam uma ementa com cinco pratos — a de 3 a 9 de novembro inclui coxa de frango com arroz basmati e feijão-verde; lombos de pescada com ervilhas e puré de batata; e perna de peru desfiada ao molho de laranja com massa fusilli e mix de legumes. Destas, o cliente escolhe as porções que quer encomendar, sendo cinco o mínimo exigido. Pode então optar por pedir uma de cada ou cinco iguais. O certo é que, apesar de partir de receitas fixas, a compra é totalmente personalizável.

“O consumidor pode solicitar aquilo de que mais gosta entre as possibilidades definidas e pedir em maior ou menor quantidade, de acordo com alguma dieta ou plano que estejam a seguir. Tanto podemos acrescentar como retirar hidratos, ou trocar ingredientes, sempre dentro daqueles estabelecidos para a semana. Por exemplo, se alguém quiser o hambúrguer de peru com esparguete, mas não gostar da couve-flor que acompanha e nos avisar, podemos trocar por cenoura baby, que está prevista para o prato de almôndegas bovinas. É tudo questão de ser falado”, garante o responsável.

Martinho acredita que além de chegarem a todo o lado, “dos grandes centros urbanos às cidades a 30 minutos dos mesmos ou no interior”, o grande diferenciador do projeto, que arrancou em julho, são mesmo as iguarias que disponibilizam. “Os nossos menus são baseados em comida que todos conhecem. Avaliamos o mercado e as várias empresas do género. Grande parte delas pecam, na nossa opinião, por terem ementas demasiado elaboradas para o senso comum. Muitas vezes, as pessoas nem sabem bem o que compõe em cada prato. Nós servimos comida de conforto e tradicional, que lembra a infância e aconchega.”

Apesar de receberem encomendas todos os dias, para já, apenas realizam entregas às terças, quartas e quintas. Refrigeradas, as marmitas têm validade de três dias, mas se forem congeladas aguentam até três meses. Depois é só descongelar na noite anterior à que quiser comer e, na hora, aquecer a comida, o que pode fazer na própria embalagem, pronta para ir ao microondas e reciclar.

Além de packs de cinco, têm de 10, 15, 20, 30 e 60, que começam nos 35€ e vão até aos 270€, “o que dá uma média de 4,5€ a 7€ por refeição”. Se optar pelo último, estas não precisam de ser todas entregues em simultâneo. Tudo é feito a partir da cozinha de um antigo restaurante em Coimbra, cidade da qual o casal é natural. Quando definido com tempo, podem entregar fora dos dias previstos, e podem ser uma boa solução para quem vai receber os amigos em casa e dispensa passar horas na cozinha.

“Lamentavelmente”, não conseguem chegar às ilhas, pelos prazos de validade da comida, que obriga a uma entrega em 24 ou 48 horas, no mais tardar, que está a cargo da empresa. No futuro, gostavam de encontrar resposta para este problema e trabalhar também em Espanha. Para já, o certo é que, em menos de meio ano, comercializaram mais de cinco mil marmitas em Portugal continental.

Carregue na galeria para espreitar algumas das propostas que já apresentaram.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT