Restaurantes

Grelhados, pastas e petiscos asiáticos: a lista dos restaurantes favoritos de Ronaldo

Nem só de dietas e bacalhau à Brás se faz alimentação do craque do Al-Nassr. O futebolista também aprecia jantar fora.
Tome nota.

Se pudesse escolher apenas um prato para repetir até ao final dos dias, Cristiano Ronaldo escolheria o tradicional bacalhau à Brás. Um escape na dieta habitual do futebolista que a NiT já analisou ao detalhe.

O que faz um dos melhores desportistas da história no dia da asneira, que a dieta e os cuidados alimentares não são uma preocupação? Para começar, sabemos que gosta muito de vinho.

Pudemos comprovar isso mesmo no início de 2023, quando Ronaldo partilhou uma fotografia ao lado da mãe. Nas mãos, dois copos e uma garrafa do famoso Barca Velha, um tinto que é preciosidade feita nas vinhas do Douro — e que custa mais de 800 euros.

O que não sabemos é se cumpriu a tradição de não esvaziar as garrafas, como aconteceu em 2018, quando levou Georgina Rodríguez a um bar de luxo londrino, o Scott’s. Na conta, revelaram mais tarde os tabloides britânicos, estavam dois dos vinhos mais caros do mundo.

A noite (ou melhor, os 15 minutos que passou no espaço) começou com um Richebourg Grand Cru, um tinto da Borgonha que terá custado perto de 20 mil euros. Seguiu-se outro peso pesado, um Petrus de 1982 (com um preço também elevado: 10 mil euros). Segundo os relatos de quem estava no local, o casal terá bebido apenas “copo e meio” cada um.“Nem sequer terminaram a segunda garrafa”, notaram.

Certo é que de Portugal ao Reino Unido, passando por Inglaterra ou Itália, Ronaldo é reconhecido onde quer que vá. E é assim que sabemos quais os restaurantes aos quais o craque dá preferência. E não, não são os seus restaurantes: a cadeia Tatel é um dos seus investimentos e em 2022 chegou mesmo a levar os colegas de equipa a um dos espaços, durante o Mundial do Catar. E apesar de a cadeia ter espaços em Madrid, Los Angeles, Ibiza, Riade, Valência e Cidade do México, Ronaldo prefere outras paragens.

Um deles é um conhecido italiano de Manchester, onde comemorou com a família o seu regresso à cidade no verão de 2021.

O Piccolino in Hale

O Piccolino in Hale não é sequer um espaço luxuoso. Trata-se de um dos restaurantes da cadeia Piccolino, que aposta na cozinha italiana como principal chamariz. Tem dezenas de espaços espalhados pelo país.

Na ementa encontram-se pratos tradicionais italianos, como bruschettas, burratas, arancini e todo o tipo de pastas. Os preços? Nada caros, sobretudo para a realidade britânica. As pastas não ultrapassam os 20€, sendo que as pizzas rondam em média os 15€. Os pratos mais caros, os de marisco e carne, rondam os 27€. Nem tudo o que passa pela mesa de Ronaldo custa vários milhares de euros.

É nos arredores de Manchester que fica outro espaço que tem Ronaldo como cliente. Mas não se trata do único nome famoso a passar por lá: celebridades como Harry Styles ou Taylor Swift também fazem parte da lista dos habitués.

Trata-se do Fortune City, restaurante chinês inaugurado em 1985. Um espaço criado por imigrantes chineses e que agora é gerido pela segunda-geração. Mais uma vez, o menu é tudo menos caro. A cozinha assenta nos tradicionais pratos chineses, com destaque para o variado e rico dim sum. Preço médio? Uns simpáticos 40€.

Por Itália, nenhum restaurante contou com a presença tão regular de Ronaldo como o Casa Fiore. O craque é, aliás, cara familiar nas muitas fotografias partilhadas pelos donos no Instagram. Tanto tempo lá passava que Davide Fiore ficou conhecido em Itália como “o chef de Ronaldo”.

Em entrevista, Fiore recorda inclusivamente que a primeira experiência de Ronaldo no seu espaço foi tudo menos boa. “Não foi propriamente uma visita idílica. Lembro-me que ele teve que esperar 45 minutos por uma mesa, mas fê-lo com muita calma e sem pretensiosismos. E regressou muitas vezes”, explicou o chef ao “Corriere della Sera”. “Tenho uma clientela muito leal, por isso ele percebeu.” E enche o futebolista de elogios: “É um rapaz educado, prestável e generoso. O tipo de rapaz que todos gostariam de ter como filho.”

Na ementa encontra-se uma cozinha italiana que tenta também fugir aos pratos mais óbvios, sem escapar aos sabores mediterrânicos. O preço por cabeça também é tudo menos escandaloso: ronda os 50 a 50€

O Casa Fiore em Turim.

Nos tempos de Madrid, Ronaldo era cliente habitual de outro local ainda mais simples e descomplicado: a Cafetería Miranda, um humilde café nos subúrbios da capital espanhola. Na parede, a camisola assinada do português. “Para Miranda e clientes”, lê-se na dedicatória. Está longe de ser a única peça alusiva ao craque em exibição. Há imagens que comprovam a passagem de Ronaldo, acompanhado de colegas do Real.

“Começou por vir com a família e depois com outros colegas e jogadores”, contava ao “The Star” o dono do espaço. Além de confirmarem “a humildade” do jogador, confirmam que todas as camisolas foram oferecidas pelo próprio. Por lá passava para comer algumas das tapas ou, por vezes, apenas para tomar café. Mas tinha que o fazer na sala privada na cave para evitar que as multidões se acumulassem à porta.

Menos discreto é o outro favorito de Ronaldo na capital — o restaurante Filandón que não tem estrela Michelin, mas que faz parte das recomendações do Guia. Também situado nos subúrbios da capital, gaba-se dos seus grelhados. “O fogo é a alma do nosso restaurante”, dizem. À brasa vão sobretudo os pratos principais, com carne maturada, costeletões de wagyu, lagosta galega e o peixe do dia. Preço médio? Cerca de 60 a 70€, sem bebidas.

Em Portugal, Ronaldo também guarda algumas paixões. Sem surpresa, o icónico Solar dos Presuntos é um dos eleitos sempre que passa por Lisboa. Mas nos últimos meses, também foi avistado pelo MöTAO em Vilamoura. Um espaço situado na marina e onde as propostas asiáticas são as estrelas da carta — e onde uma refeição pode ter um custo médio de 60 a 70 €, sem bebidas.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT