Restaurantes

No Baco, garantem que não há melhor do que um naco de carne — e um copo de vinho

O Baco fica em Benfica, Lisboa, e abriu no final de dezembro. Aposta em carnes de “qualidade premium a preços razoáveis”.
A carne é a especialdiade do Baco.

A mitologia grega refere-se a Baco como o Deus do vinho e dos excessos. E é isto que o novo restaurante lisboeta quer ser, “um excesso de sabor, de sorrisos, prazer e satisfação”. O Baco abriu a 26 de dezembro, em Benfica e está repleto de carnes pecaminosas.

O mundo da restauração não é novidade para a família Caetano. O pai, Sérgio, sempre teve negócios na área, mas depois de uma vida a gerir cafés e bares, em 2021 decidiu fechar o último espaço. Tinha até tomado a decisão de que não voltaria para trás de um balcão. A teimosia não durou muito tempo.

Foi incapaz de rejeitar uma “grande oportunidade” que só aceitou com uma condição: a filha ficaria responsável pela gestão do restaurante. Clara, de 20 anos, estava estudar publicidade e marketing, mas acabou por aproveitar a oportunidade de entrar no novo projeto. Uma decisão que não deixou ninguém surpreendido.

“Sempre cresci neste meio, por isso quando o meu pai me perguntou se queria arriscar com ele nesta aventura, nem pestanejei”, conta à NiT. O Baco, ou o Olimpo, como já o acarinharam, fica em Benfica e resulta da paixão que a família tem por vinho e pela carne.

“Todos gostámos de estar à mesa e de usar os produtos nacionais e quisemos trazer para Lisboa algo que estava mais esquecido”, refere. Apostaram em carnes de porco preto magro, “criado a bolota” e as vazia sul-americanas, do Brasil e da Argentina. Não quiseram incluir a carne maturada, porque “já há muita oferta”. Preferiram então apostar em peças premium, mas com preços “mais razoáveis”.

Em destaque está o bife chorizo (19,50€), uma carne brasileira com corte argentino; os secretos (18,50€) e os lagartos de proco preto (19€). Para quem gostar de carne branca, por ali serve-se também coelho assado (12,50€) e frango (9€). Todos os pratos são grelhados a carvão.

Embora a prioridade seja a carne, também há espaço para o tradicional bacalhau assado (19,50€), dourada ou robalo escalados (14,50€) ou uma posta de salmão (16,50€). Independentemente do que escolha para terminar a refeição, Clara sublinha que têm de provar as entradas desenvolvidas pela família. Há pimentos à Baco (3,50€) ou ovos rotos (9€).

Outro dos segredos da casa são as batatas fritas “incríveis”. Segundo a família Caetano, nunca amolecem — nem mesmo quando arrefecem. E se reserva sempre espaço para a sobremesa, as especialidades do restaurante da família Caetano são a mousse de chocolate (3€), a tarte de lima (3,50€), o pudim (3,50€) e o cheesecake (4€).

Para acompanhar os pratos pensados por Miguel Bento, não podia faltar o vinho. A escolha não foi fácil e ainda levou algum tempo. “Trabalhámos com alguns parceiros de umas quintas mais pequenas e fizemos a prova em almoços vínicos para percebermos como iam harmonizar. Queríamos que puxassem o paladar das carnes, sobretudo”, esclarecem.

Com este cuidado, escolheram apenas vinhos que não se encontram tão facilmente no mercado, como a Quinta do Pardal, ou o vinho que escolheram para ter o rótulo do Baco. “Temos vinho branco e tinto próprio, é uma reserva da Herdade da Figueirinha.”

O espaço consegue acolher até 30 clientes em simultâneo, por isso, caso queira experimentar os pratos da família Caetano, o melhor é mesmo fazer reserva.

Carregue na galeria para conhecer os pratos que pode pedir no novo Baco.

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    R. República da Bolívia 53B
    1500-208 Lisboa
  • HORÁRIO
  • Terça a Sábado das 12h às 15h e das 19h às 23h
PREÇO MÉDIO
Entre 30€ e 50€
TIPO DE COMIDA
Portuguesa

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT