Restaurantes

Maria Bonita: os melhores pratos do nordeste brasileiro chegaram a Lisboa

Dadinhos de tapioca, frango à passarinho e picanha com banana são algumas das propostas disponíveis neste espaço de Campolide.
O restaurante fica na zona de Campolide.

O Maria Bonita abriu no final de maio, em Lisboa, e não quer ser apenas mais um restaurante com sugestões brasileiras. Esqueça os churrascos, as feijoadas, a maminha e a picanha que se encontram nos rodízios. “Queremos mostrar uma culinária típica do nordeste, os sabores da Bahia, do Maranhão — são sempre opções com muitos mais temperos do que noutras regiões”, explica à NiT Rafael Arruda, 32 anos, um dos responsáveis pelo projeto.

O natural do Recife, no Brasil, vive em Portugal há alguns anos. Conheceu Marisa Sequeria, a segunda sócia do Maria Bonita, no Dinastia Tang, em Marvila, que entretanto fechou. “Comecei como empregado de mesa e depois passei para chefe de sala. Fomos construindo uma relação de confiança. Ainda abrimos juntos o Yamatai [ restaurante asiático], mas sempre falamos de um dia virmos a ter um espaço de cozinha brasileira, algo que sempre achámos interessante.”

O objetivo é oferecer uma cozinha brasileira a que os portugueses provavelmente não estão tão acostumados. “Temos, por exemplo, a carne sol, que também é conhecida como carne seca. São tudo sabores peculiares, da região do nordeste. Outro caso é o frango à passarinho ou camarão na moranga.”

Este último é um prato que chega bem para três pessoas. Custa 40€. À mesa chega uma abóbora que foi assada no forno e recheada com arroz, farofa, camarão e um crocante de couve. Antes, pode começar a refeição com pão também de abóbora com requeijão e manteiga (3,50€).

Para começar tem ainda os dadinhos de tapioca com molho de goiabada (6,50€), o bolinho de Baião com arroz, feijão, carne sol, bacon e queijo coalho (7€). Já nos pratos principais as propostas passam pelo bobó de camarão com arroz e batata palha (14€), ou a picanha com banana, arroz e alho assado (15€).

Termine com a cartola, que junta banana, queijo, açúcar e canela (6,50€), o pudim de tapioca com caramelo de coco (6€) ou a mousse de maracujá (5,50€).

O local escolhido para a abertura do projeto foi a Rua Marquês de Fronteira, na zona de Campolide. “Quisemos atrair mais pessoas para esta área. Gostámos do espaço por ter uma esplanada, algo que as pessoas procuram sempre.”

Tal como os pratos servidos, também a decoração é típica da mesma região brasileira. “Tentámos trazer elementos do nordeste, com cores e expressões que lembram o Brasil, como o amarelo. No fundo, é um espaço muito tropical.”

O nome escolhido, Maria Bonita, é também inspirado numa personagem nordestina. “Era a mulher do Lampião, uma figura história na região por roubar e ajudar aos pobres”. É uma espécie de Robin Hood brasileiro, que faz parte de cultura popular brasileira.

“Desta forma quisemos dar visibilidade à mulher, pelo papel que também teve na história e que muitas vezes não é tão reconhecido”, continua Rafael Arruda.

O novo Maria Bonita tem capacidade para 50 pessoas — existem lugares no interior e também na zona de esplanada. Claro que não faltam os cocktails, como a caipirinha. “Queremos que viva um pouco da cultura brasileira aqui, com comida e bebida de qualidade.”

Carregue na galeria para fica a conhecer melhor o novo Maria Bonita.

ver galeria

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Rua Marquês de Fronteira 173, 1070-300 Lisboa
    1070-300 Lisboa
  • HORÁRIO
  • Das: 12:00
  • Às: 15:00
  • Das: 19:00
  • Às: 23:00
  • Fecha segunda
PREÇO MÉDIO
?
TIPO DE COMIDA
Brasileira

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT