Restaurantes

No novo restaurante do Bairro Alto pode comer toda a picanha que quiser por 13,90€

O Picanha do Bairro abriu em maio e aposta num menu onde até as guarnições podem ser repetidas até às portas fecharem.
Só para bravos

É só para bravos com estômago de aço. No novo restaurante do bairro mais famoso e animado de Lisboa, a picanha chega fatiada finíssima e na quantidade que quiser.

Aberto desde 20 de maio, o Picanha do Bairro é um projeto de quatro sócios, alguns com experiência na restauração e na produção de eventos. “Queríamos criar um espaço no Bairro Alto, mostrar que não é apenas uma zona de bares e bebidas. Queremos criar uma dinâmica diferente, num espaço mais requintado”, explica à NiT um dos dois sócios com raízes nortenhas, Sandro Santos, nutricionista de profissão.

Se o nome não é suficientemente explícito, a carta faz questão de o esclarecer: aqui come-se, essencialmente, picanha. Muita, de preferência.

É, no fundo, um espaço de conceito all you can eat, isto é: por 13,90€ por pessoa, cada um pode comer toda a picanha que quiser. Só tem que fazer sinal para mandar vir mais uma travessa. Mas há mais.

A picanha vem, como não pode deixar de ser, sempre acompanhada com feijão preto, batatas fritas, arroz e salada. Todas as guarnições estão também ao abrigo da regra “coma tudo o que puder”.

O espaço aposta numa decoração colorida

Não se trata de um rodízio. A picanha, neste caso, chega sempre fatiada em finas fatias. Mas caso não esteja com tanto apetite, pode optar por algumas das alternativas.

Sandro, que é nutricionista, fez força para a criação de um hambúrguer vegetariano (12€) e outro vegan, que podem ser acompanhados com as mesmas guarnições da picanha.

A picanha é também a estrela do prego em pão artesanal (9,9€) com batatas fritas com orégãos e maionese especial; e do hambúrguer de picanha (9,9€). Para os miúdos (e para os mais esquisitos) há bifes de frango.

Toda a picanha é fatiada fininha

Pode terminar a refeição com uma das cinco sobremesas, do carpaccio de ananás com gelado de baunilha (5€) a um cheesecake (4€) ou mini pudim do Bairro (2,5€). Depois não faltam os inevitáveis cocktails e as sangrias.

A última novidade esconde-se a poucos metros de distância, já fora do Picanha do Bairro. É ali que irá nascer, lá mais para julho, o novo projeto dos donos: a Francesinha do Bairro, um espaço que se foca na especialidade nortenha, mas ligeiramente diferente da conhecida francesinha portuense.

“Vão ser feitas ao estilo de Braga, com um molho mais alaranjado, mais denso e adocicado”, explica Sandro Santos, que é natural de Braga. Será um projeto mais virado para a noite também: terá música ao vivo, DJ e só irá fechar mais de madrugada.

Carregue na galeria para ver mais imagens.

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Rua da Atalaia, 133
    1200-211 Lisboa
  • HORÁRIO
  • Das 12h30 às 15h30 e das 19h30 às 22h30
PREÇO MÉDIO
Entre 10€ e 20€
TIPO DE COMIDA
Portuguesa

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT