Restaurantes

Já abriu a primeira hamburgueria “100% segura para celíacos”

Ali não há medo da “contaminação cruzada”, nem das refeições sem graça. É tudo feito de raiz pela cozinha do Café do Rio.
Uma das opções isentas de glúten.

O glúten é o mais recente protagonista de quase todas as ementas. Há quem não o possa ingerir, outros acreditam que uma dieta sem ele é mais saudável. O que é certo é que a procura dos clientes obrigou os restaurantes (e não só) a adaptarem a oferta. É o caso do Café do Rio, que apresenta uma carta 100% livre de glúten.

“É composto por um conjunto de proteínas de origem vegetal presente no endosperma dos cereais trigo, centeio e cevada. É responsável pela elasticidade da massa e pela consistência esponjosa e fofa dos pães e bolos”, explica a Associação Portuguesa de Celíacos. E apesar de inofensivo para a maioria das pessoas, provoca danos em pessoas diagnosticadas com doença celíaca. Trata-se de uma patologia autoimune (gerada pelo próprio sistema imunitário) em que a ingestão de glúten causa lesões no intestino delgado.

Como não existem tratamentos disponíveis, os médicos recomendam aos doentes que o evitem na sua dieta diária. Ora, uma das dificuldades que enfrentam é a de encontrarem propostas que sejam adequados à sua restrição alimentar. Muitas vezes, a rotulagem dos produtos processados não especifica se são seguros para celíacos.

Agora há um espaço totalmente seguro para quem sofre desta condição. O Café do Rio recebeu, na passada sexta-feira, 5 de abril, a certificação da Associação Portuguesa de Celíacos. Este selo garante que a hamburgueria gourmet lisboeta tem uma ementa 100 por cento aprovada para os doentes e que não há risco de contaminação cruzada.

“Somos a primeira hamburgueria portuguesa isenta de glúten”, assume orgulhosamente Andrea Zamorano à NiT. A brasileira de 52 anos abriu o Café do Rio juntamente com o marido Rui Domingos, em 2008, numa tentativa de fazer uma reinvenção do hambúrguer do fast food e uma das particularidades era que não usavam pão.

Outra das preocupações prementes recai sobre os alergénios. “As nossas sanduíches acompanham com arroz e batata frita caseira, por isso sempre foi um convite para quem sofre de certas intolerâncias. E sempre usámos produtos biológicos e isentos de glúten. Apenas precisávamos de melhorar os molhos e foi o que fizemos”, admite a antiga gestora. Esta preocupação com a saúde já era algo natural na casa de Andrea e Rui, sobretudo porque a filha sofre com intolerâncias alimentar, tanto ao glúten como à lactose. 

“Quando abrimos este espaço, trouxemos um conceito pouco conhecido, o dos hambúrgueres gourmet. Só mais tarde é que começou o boom”, afirma. Andrea Zamorano, natural do Rio de Janeiro, veio para Portugal há mais de três décadas para estudar literatura portuguesa. Acabou por fazer uma pós-graduação em marketing e gestão; e conheceu Rui, engenheiro informático com vontade de abrir um restaurante. A brasileira alinhou, desde que fosse ela a decidir o conceito.

“Usei as minhas capacidades de pesquisa para perceber o que podia ser diferente e funcionasse. Havia um movimento a começar ainda em Londres de hambúrgueres artesanais e decidi que seria por ali.” E funcionou. O espaço está aberto há mais de 15 anos e é um ponto de referência na capital. A quem lá passa a proprietária recomenda provar o Diablo (17€). “Este hambúrguer já tem uma legião de fãs. É feito com molho de Chiplotes, bacon, pimentos padrón, nachos de milho, alface, tomate e cebola frita. Pica que se farta, é mais para corajosos”, admite a proprietária.

Para quem gosta de opções mais tradicionais, o Mirandelês (17€) é a aposta mais segura. “É super tuga”, referem. Leva carne misturada com alheira de caça, molho de mostrada antiga, bacon, tomate, alface, cebola frita e ovo a cavalo.

Os vegetarianos podem sempre provar o hambúrguer de grão e queijo feta (14€), o de feijão e cogumelos (14€), quinoa e batata doce (14€) ou lentilhas e tofu (14€).

No campo das sobremesas não faltam opções para provar. A mais pedida é o brownie de nutella (7€), mas o afogado (10€) não lhe fica atrás. Este leva uma bola de gelado mergulhada em água ardente velha. Nas bebidas os celíacos também não têm de se restringir, neste restaurante há cervejas aptas para os intolerantes. Custa 3,50€.

Carregou na galeria para descobrir alguns dos pratos que pode pedir quando visitar o Café do Rio, na Praça do Comércio, em Lisboa.

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Rua da Alfândega 114
    1100-016 Lisboa
  • HORÁRIO
  • Segunda a domingo das 12h às 15 e das 19h às 23h
PREÇO MÉDIO
Entre 20€ e 30€
TIPO DE COMIDA
Hamburgueria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT