Restaurantes

Tasca da Esquina: “Quem aqui vem, chega à procura do que encontra há 15 anos”

Criada pelas mãos de três chefs de renome antes de as tascas voltarem à ribalta, continua a ser "um espaço para todos os credos, raças e cores".
É o primeiro da linhagem.

O nome diz tudo e são poucos aqueles que nunca lá passaram. Hoje, quem anda pelo bairro de Campo de Ourique diz sentir-se quase em casa de Vítor Sobral. É nesta zona de Lisboa, afinal, que o chef tem — e teve — vários projetos, como a Peixaria da Esquina, a Cervejaria da Esquina ou a Padaria, também da Esquina. Bairro que ganha não se mexe e tudo começou com a Tasca da Esquina.

Abriu a 13 de junho de 2009 — antes de as tascas voltarem à ribalta. Criada pelas mãos de três chefs de renome (Vítor Sobral, Luís Espadana e Hugo Nascimento), tornou-se referência na gastronomia portuguesa e deixou de ser apenas mais um espaço onde se pode saborear Portugal. Foi a primeira de várias Esquinas, mas manteve as suas raízes e hoje é ainda “um bocadinho daquilo que era quando nasceu”. Quem o diz à NiT é o próprio Vítor Sobral. E é também ele quem nos conta como tudo começou.

“A tasca tem uma razão de ser”, começa por nos dizer. “Há uma altura da minha vida em que acho que devo deixar de fazer restaurantes muito formais para passar a fazer informais”. E é aqui que aparece a primeira dificuldade. Que nome ia dar a um restaurante deste tipo quando a imagem que tinha no mercado era a de um cozinheiro que tinha sempre espaços mais cuidados e chiques?

“Achas que isto é a tasca da esquina ou quê?” Foi num dia de almoço com os amigos que saiu a piada que deu origem a tudo e Vítor deixa-nos a confissão: “Achei o nome fantástico”. Apesar dos conselhos para que não avançasse com ele porque era “péssimo”, tasca ficou e hoje percebemos porquê. “Em Portugal havia a cervejaria, a taberna, casa de pasto e tasca, mas era esta última a mais conhecida e falada”.

Com vários anos de experiência em restauração, inaugurou assim a linhagem da Esquina com uma tasca que afirma ser contemporânea e que tem alguns pratos de autoria. A loucura virou epidemia e hoje a tasca é moda, não só em Portugal como além-fronteiras. Quem lá chega, fá-lo pela partilha da cozinha regional e lusófona, num espaço moderno e acolhedor.

“Quem vem à Tasca chega à procura encontram há 15 anos: o bivalve, o bacalhau e o atum”. Não é por acaso que 50 por cento dos pratos da carta que estavam no início se mantenham. “A guarnição e o molho podem alterar-se, mas não as proteínas, que se mantém e para as quais somos muito fiéis”, assegura Vítor Sobral.

Na Tasca da Esquina honra-se o receituário português com uma carta com pratos tradicionais e de tacho e uma série de petiscos clássicos, como o berbigão (28,50€), as lascas de bacalhau com batata e ovo (12€) e as moelas fritas com pickles de cebolinhas (9,50€).

Se é surpresa que procura, aqui também a vai encontrar com as sugestões diárias. Para os vegetarianos e veganos, há sempre condições para se fazer alguma coisa, consoante os ingredientes que tiverem. E claro, não pode faltar uma boa sobremesa (dos 4€ aos 5,90€) no final.

Passados 13 anos, a preocupação é a mesma e o conceito mantém-se: o de uma cozinha sustentável. “Procuramos fazer aquilo que é mais e menos nobre, ainda que no meu ponto de vista não exista essa distinção nos produtos. Há uns que são bons e outros que não o são. E existem aqueles para os quais temos mãozinhas para cozinhar e aqueles que não”, diz-nos o chef. “O produto que seja bem tratado e entendido por quem o cozinha, é sempre um bom produto”, acaba por explicar.

“Aos dias de hoje temos uma grande equipa que dedica todo o seu talento, empenho e vontade para que, em cada cantinho onde há uma Esquina, se encontre uma mesa com o melhor da gastronomia nacional, cozinhada com tradição mas temperada com futuro”. A primeira da família, garante aquele que é um dos principais nomes da restauração em Portugal, “continua a ser um espaço para todos os credos, raças e cores”.

Carregue na galeria para conhecer o primeiro espaço da linhagem Esquina. Leia também o artigo sobre a Lota da Esquina, “o maior projeto” da carreira do chef.

ver galeria

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Rua Domingos Sequeira 41C
    1350-119 Lisboa
  • HORÁRIO
  • Quinta a segunda-feira das 12h30 às 23h
PREÇO MÉDIO
Entre 20€ e 30€
TIPO DE COMIDA
Portuguesa

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT