Restaurantes

Street: novo paraíso dos smash burguers vende mais de 500 hambúrgueres por dia

O espaço abriu no início do março e os sócios já estão a preparar-se para a expansão a outros bairros lisboetas.
O aspeto dos hambúrgueres.

Dar uma nova roupagem aos clássicos de fast food. O objetivo do Street é tão ambicioso como inovador — pelo menos em Portugal. O restaurante abriu 8 de março em Campo de Ourique e aposta numa técnica norte-americana, que os proprietários conheceram durante umas férias na Austrália.

Durante a preparação dos smash burguers (literalmente, hambúrgueres esmagados), a carne é prensada contra a grelha ou chapa quente. O processo acabou por nomear o espaço fundado por Cristina Alonso Nestares, Carlos Conde e Beatriz Santillana Martinez. “Queríamos que o nome representasse da melhor forma de confeção”.

Os três espanhóis de 27 anos já viveram em diferentes partes do mundo. Mas quis o destino que se encontrassem na Austrália quando decidiram passar lá um par de meses. Cristina e Carlos conheciam-se desde miúdos e acabaram por passar muito tempo os três.

Quando descobriram os smash burguers ficaram fãs. Mais tarde, rumaram a diferentes países. Carlos e Bea acabaram por viver em Lisboa uns tempos, antes de partirem para a Suíça. Já Cristina, após um par de anos em Madrid sentiu que precisava de mudar de ares e queria viver numa cidade perto do mar. Os amigos contavam maravilhas da vida no nosso País e após algumas semanas de férias por cá, decidiu mudar-se. “Consegui continuar com o meu cargo na equipa de recursos humanos na empresa espanhola de informática onde trabalhava e agilizei tudo para vir para Lisboa”, conta à NiT Cristina Alonso.

Quando chegou, em 2022, percebeu que poucos restaurantes utilizavam esta técnica para preparar hambúrgueres e ficou desapontada. Partilhou a desilusão conversa com os amigos e, juntos, decidiram abrir um negócio próprio onde pudessem matar saudades do prato.

“Falei com os meus sócios e percebermos que seria uma boa oportunidade para apostar em algo que comemos e gostamos”, explica. “Fizemos uma análise de mercado e concluímos que era o momento certo para abrir um restaurante de hambúrgueres completamente diferente da oferta que existia naquele momento.”

Pode pedir batata-doce para acompanhar.

A 8 de março nasceu o Street Smash Burger, com ambição de se tornar numa cadeia de smash burgers. Ao invés doa versão moldada, mais conhecida, os proprietários do novo espaço no centro de Lisboa quiseram regressar às origens norte-americanas do hambúrguer.

Ali não se perde tempo a escolher porque há apenas uma única opção: o cheeseburger. Leva pão brioche, 180 gramas de carne de bovino, queijo cheddar, pickles, cebola e ketchup. Como acompanhamento pode escolher entre batata-doce ou batata normal. Se acrescentar uma bebida — têm refrigerantes tradicionais — o menu fica por 13,90€, se pedir apenas a sandes paga 9,90€.

Os fundadores querem recuperar o hambúrguer como algo “simples, rápido e barato”, uma premissa que, entretanto, se perdeu. Da onda gourmet que varreu este tipo de propostas, querem roubar apenas uma coisa: “A atenção à qualidade dos produtos”.

A falta de opções poderia ser um entrave ao crescimento deste conceito. Mas acontece precisamente o contrário. “Tem sido uma boa loucura. Vendemos entre 500 e 600 hambúrgueres por dia e, no próximo mês, vamos abrir mais dois espaços: um no Cais do Sodré, com esplanada, e outro no Saldanha”, revela. Até final de 2024 esperam inaugurar outros cinco.

Quanto à localização, Cristina afirma que foi bastante ponderada. “A decisão pendeu para o meu lado, porque, atualmente, sou a única dos três que cá mora. Mas como não conhecia todos os bairros, parti à descoberta. Afastei-me da zona que inicialmente pensei que faria sentido, a Baixa, e fiquei encantada com Campo de Ourique. É muito residencial, tradicional e como era um negócio focado no take-away e delivery assim que vi um espaço perto do jardim da Parada não tive dúvidas”, explica. Já o ponto de partida para os novos espaços foi outro: “Queríamos oferecer outras experiências”.

A dinâmica é a mesma do fast food. “Incentivamos as pessoas a saírem e a comerem no jardim, para aproveitarem o bom tempo”, explica. Mas quem quiser pode também saborear o cheeseburger num dos seis lugares disponíveis ao balcão. O próximo Street já terá uma ampla esplanada, porque perceberam que “fazia falta”.

Se preferir, também pode pedir os hambúrgueres do Street para comer em casa, através da Uber Eats.

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    R. Almeida e Sousa 36B R/C
    1350-013 Lisboa
  • HORÁRIO
  • Segunda a domingo das 12h às 23h
PREÇO MÉDIO
Entre 10€ e 20€
TIPO DE COMIDA
Hamburgueria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT