Restaurantes

Teimar: a cervejaria cool que serve pratos “sem fusões” da cozinha tradicional portuguesa

O mar é o protagonista do novo restaurante de Campo de Ourique, em Lisboa. Ali teima-se que os clássicos não têm de ser aborrecidos.
Um mix entre o tradicional e o moderno.

Anna e Inês sabiam que queriam abrir outro restaurante, mas não previam que tivesse tanto sucesso como os dois primeiros. “Abrimos há menos de um mês desde e já temos quase dois mil seguidores no Instagram“, conta-nos Anna Arany. O Teimar foi inaugurado 27 de dezembro no número 63 A da rua de Infantaria 16 e contou com sala cheia.

Os 45 lugares do espaço onde o mar é a estrela — mas não só — foram todos ocupados. O gambão com arroz de alho (16€), a corvina com legumes (17€) e o parppadelle de amêijoas (17€)  “têm feito as delícias dos clientes neste soft opening”. Ecomo “nem só de mar vive o Teimar”, a carta inclui ainda 400 gramas da trinchadinha do lombo que é, segundo as responsáveis, ideal para partilhar no fim da petiscada.

Este é o terceiro restaurante do Grupo Cortesia e levou seis meses a preparar. Durante este tempo, Anna e Inês fizeram uma vasta pesquisa em todas as cervejarias mais conhecidas. O objetivo era um: resgatar os sabores tradicionais e servi-los num ambiente moderno e cosmopolita. “Com uma cozinha simples e de conforto utilizamos ingredientes de muita qualidade e servimos sabores tradicionais que qualquer português reconhece”, conta-nos Anna Arany (39 anos).

Anna é uma das três sócias do projeto, juntamente com Inês Cabral (33 anos) e um investidor. A marca foi fundada em 2014, pelos irmãos Inês e Manuel, na altura, no interior do mercado de Campo de Ourique. Anna só se juntou ao Cortesia aquando da abertura de um espaço num outro food court, no Saldanha Residence, em 2018. Antes, já tinha aberto outros negócios com Inês, um deles no mesmo centro comercial, o Oba. Este é o mais recente.

“Queríamos abrir outro espaço e tínhamos duas opções: ou abrir o terceiro Cortesia noutro local, ou continuávamos em Campo de Ourique, mas com outro conceito”, começa por nos explicar. Decidiram manter-se no bairro que a empreendedora considera “muito bom”, numa rua paralela à do irmão mais velho. A ideia de avançarem com um conceito baseado no peixe surgiu quando perceberam que a oferta desse tipo na zona era escassa.

O nome foi escolhido pelo significado literal do verbo e não podia ser mais certeiro. Os responsáveis recusam ser apenas uma cervejaria. A teima é mesmo uma: “somos um restaurante tradicional, mas cool”. Esqueça aquela ideia das cervejarias super simples. O chão é tipicamente português e o balcão é em mármore, mas a decoração não se fica por aqui.

No Teimar vai encontrar elementos do mar em todos os detalhes e todos foram pensados — pela arquiteta Inês Moura do atelier Saraiva e Associados — para surpreender. O candeeiro em forma de ostra foi desenhado e esculpido para ficar perfeito no canto mais especial do restaurante e até as cortinas foram concebidas com pormenor. “Ela conseguiu criar um espaço despretensioso com ambiente marítimo e descontraído, graças ao foco nos detalhes que fazem deste um restaurante cool num dos bairros mais em voga em Lisboa”, descreve a responsável elogiando a autora da decoração.

Num espaço onde nada é deixado ao acaso, a esplanada só poderia seguir a mesma linha. À NiT, Anna diz que este é um segredo bem guardado: “é uma espécie de pátio ou terraço bem aquecido para estes dias de inverno”.

O forno Josper é o elemento principal da cozinha o que potencia todos os sabores e pratos, e já se tornou uma imagem de marca do grupo Cortesia. Atinge os 350 graus e cozinha na perfeição todos os pratos que lá entram, tal como o arroz meloso de carabineiro (45€ para duas pessoas). Feito no lume e finalizado no forno, é o prato mais pedido e fotografado do Teimar. “Tem sido um sucesso absoluto.”

Arranjar um chef que o fizesse de forma incrível foi, porém, uma tarefa difícil. “As pessoas acham que é fácil encontrar alguém que faça estas receitas tradicionais portuguesas, mas não. Hoje, há muitos pratos que sofreram com as fusões”. Demoram, então, quatro meses para encontrarem alguém que os fizesse de raiz — Luís Calixto (37 anos) foi o escolhido.

O melhor é ir com fome, porque todas as entradas típicas merecem ser provadas: Amêijoas à Bulhão Pato (18,50€), gambas ao alho (9,50€) e as gambas do Algarve (14€). Já os croquetes de camarão (3€), os tacos de corvina (10€) e as lascas de atum (12€) dão um toque mais moderno ao menu.

Escolher uma única sobremesa também não vai ser tarefa fácil. “Reinventamos o Kinder Joy (10€) e por ser o chocolate preferido de uma das sócias até lhe demos o nome de Teimar Joy e é servido num ovo Kinder em formato XXL”, revela a empreendedora. A tarte basca de chocolate (6€) é, garantidamente, uma das melhores de Lisboa e arredores. “Podíamos ter escolhido o nome a “Melhor Tarte Basca de Chocolate do mundo”, acrescenta. O pudim de leite condensado (4,50€) faz qualquer um querer voltar.

Em breve, serão adicionados novos pratos ao menu, tais como filetes de pescada com arroz caldoso, polvo à Lagareiro no Josper e tártaro de atum. A partir de março, o horário será também alargado.

Carregue na galeria para ficar a conhecer melhor este Teimar, a nova aposta do grupo Cortesia.

ver galeria

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    R. Infantaria 16 63a
    1350-169 Lisboa
  • HORÁRIO
  • Terça-feira a sábado das 12h30 às 16h
  • Sexta-feira e sábado das 12h30 às 16h e das 19h às 23h30.
PREÇO MÉDIO
Entre 10€ e 20€
TIPO DE COMIDA
Portuguesa

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT