Restaurantes

Twins on Fire: as gémeas que percorrem Portugal numa carrinha com um forno a lenha

As sandes de cachaço são uma das propostas mais vendidas pelas irmãs Teresa e Rita nos vários festivais com comida de rua.
Teresa e Rita, 54 anos, adoram viajar pelo País.

Durante vários anos, as gémeas Teresa e Rita Rodrigues estiveram afastadas — pelo menos fisicamente. Os percursos profissionais distintos levaram-nas para diferentes países na Europa. Nunca perderam o contacto, falavam todos os dias, e até em momentos mais complicados conseguiam perceber se a irmã estava mal — uma intuição que Rita sentia com mais frequência.

O destino trouxe-as de volta a Portugal, após anos a trabalharem no estrangeiro. Rita sempre esteve ligada à gastronomia. “Comecei os 18 anos e nunca saí”, conta à NiT. Abriu restaurantes, serviu às mesas, lavou pratos, cozinhou, deu formação. Ou seja, Rita passou por todas as áreas no ramo da restauração.

Já Teresa sempre foi mais ligada às artes, apesar de não gostar de se fixar durante muito tempo numa atividade. Tanto deu formação artística em França, como se virou para a psicologia em Inglaterra onde chegou à direção de um estabelecimento prisional em Jersey.

O reencontro no país natal aconteceu numa altura em que Rita trabalhava num hotel em Évora. Quiseram compensar o tempo em que estiveram afastadas com uma viagem de caravana pelo Alentejo e pela Costa Vicentina. Estavam longe de pensar que nestas férias iria nascer a ideia de criarem um projeto, mas foi o que aconteceu.

“Quando parávamos a caravana para cozinharmos para nós, vinham logo vários estrangeiros ter connosco a perguntar o que estávamos a fazer. Queriam sempre provar”, recorda Teresa. Foi a génese do que viria a ser o Twins on Fire.

A sangria daa gémeas é bastante cobiçada.

“Perguntámo-nos: ‘porque não fazermos uma coisa deste género com uma carrinha, e saímos pela Europa a mostrar a cozinha portuguesa?’” Durante sete anos a ideia ficou na gaveta. Precisavam de dinheiro para a concretizar. Quando conseguiram arrancar, decidiram ficar por Portugal e servir pratos preparados em forno de lenha em vários eventos de comida de rua.

“Aos 50 anos queríamos deixar de ter um trabalho com número à porta e abrimos este negócio sobre rodas”, explica Rita. Compraram uma carrinha nova — uma Renault preta — e levaram-na para ser transformada numa empresa na zona do Cartaxo.

“É como se fosse um restaurante, mas com rodas. Pagamos seguros, seguimos todas as regras de higiene e preparamos todos os pratos.” A carrinha conta com um forno a lenha, quatro frigoríficos, um congelador e um lava-loiça. Tem ainda espaço para dormirem, mas dependendo do local onde vão, por vezes, conseguem arranjar quartos em hotéis.

Ainda se lembram do primeiro evento em que participaram, em frente ao casino do Estoril. Estávamos em 2018. E que melhor maneira de arrancar um projeto do que ter a benção do Presidente da Pepública?

Marcelo Rebelo de Sousa foi uma das primeiras pessoas a provar a nossa sandes de cachaço. Gostou muito do que comeu. Depois tirámos depois uma foto, mas não foi uma selfie.”

Desde 2018 que a sandes de cachaço é uma das propostas que mais vendem, a par com as bifanas feitas num tacho no forno a lenha. As sangrias também são uma especialidade. São raros os eventos em que sobram. “Levam frutos tropicais e bolas de tapioca. Fazemos sempre uns quatro jarros com cinco litros e esgotam sempre.”

Assumem que já percorreram o país de norte a sul nestes quatro anos do Twins on Fire. O forno a lenha é um dos elementos que as distingue de outros projetos que encontram nos festivais e eventos. Outro fator diferenciador é o menu, que nunca é fixo.

“As sandes e as bifanas são obrigatórias, mas depois temos sempre uma ementa diferente. Quando chegámos às cidades vamos às compras aos mercados e lojas locais. Muitas das receitas que fazemos são adaptadas à região onde estamos.”

Desde arroz de pato a bacalhau no forno, não faltam sugestões. “Queremos sempre conhecer a cultura local e as pessoas, vivemos muito desse contato. A nossa food truck é vida. Dançamos e cantamos, recebemos as pessoas, que gostam sempre da nossa onda.”

Durante o período mais crítico da pandemia tiveram a sorte de ficarem estacionadas apenas alguns meses. Ainda antes do regresso dos festivais e eventos, passaram por teatros e até faculdades. Contudo, é nos festivais e na estrada que se sentem melhor. Durante a conversa que tivemos apanhamos as irmãs num festival no Cartaxo. Vão estar longe de casa, em Lisboa, durante o próximo mês, mas não se importam.

“Já temos algumas paragens agendadas e durante o verão também temos outras datas fechadas. Gostamos sempre de tirar uns dois ou três dias para conhecer as localidades onde estamos”, explica Teresa. É através da página de Instagram que pode acompanhar as cidades e locais onde poderá encontrar a carrinha das gémeas.

O sonho inicial das fundadoras da Twins on Fire, o de viajar pela Europa, irá concretizar-se. “Era para ter acontecido em 2020. Já tínhamos tudo marcado, mas a pandemia estragou-nos os planos. Mas vamos seguir viagem agora em setembro.”

Durante um ano, Portugal irá ficar sem as sandes de cachaço e as sangrias das irmãs. “Vamos estar seis meses no norte da Europa e outros seis no sul. Iremos passar por França, Itália, Áustria, Espanha e Suíça”.

A viagem conta com o apoio do Turismo de Portugal que lhes irá fornecer alguns dos produtos. “O objetivo é levar a comida portuguesa até outras cidades.” O melhor é aproveitar durante os próximos meses, pois só em 2023 estarão de regresso ao País.

Percorrem Portugal de norte a sul com a carrinha.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT