restaurantes

XXL: o sonho de Olivier que se tornou um restaurante real em Lisboa

O empresário ligou ao responsável pelo XL. Tinha sonhado que ficava com o espaço. Marcaram um almoço e fecharam o negócio.
O novo XXL mantém a estrutura do antigo espaço.

“Estou, Vasco? Sonhei que ficava com o teu restaurante. Como é que queres fazer isto?” O telefonema foi feito por Olivier da Costa a Vasco Gallego, responsável pelo XL, o espaço junto à Assembleia da República, em Lisboa. Marcaram um almoço para falarem melhor e fecharam negócio. Meses depois o projeto está de novo pronto a receber clientes. Ganhou uma nova decoração, novos pratos — se bem que não faltam alguns clássicos — e um novo nome: XXL by Olivier.

O XL fechou na altura do primeiro confinamento — ainda em 2020 — e não voltou a abrir. Este era um dos restaurantes clássicos de Lisboa, com mais de 25 anos de atividade. Abriu em 1994 e funcionava exclusivamente ao jantar. Por ali passaram políticos, figuras conhecidas e artistas. Nada a que Olivier não esteja habituado nos outros conceitos que tem aberto no País.

“Sabia que o Vasco [Gallego] o tinha fechado e era uma pena não estar aberto. Era o espaço de topo na minha infância. Quando comecei a a trabalhar, em 1998, este era o restaurante onde todos queriam estar”, explica à NiT Olivier.

O empresário quis recuperar o conceito do antigo XL, mas dando-lhe o habitual twist que podemos ver noutros projetos pelos quais é responsável. “Este é um restaurante com comida simples, muito boa. É um sítio para se comer bem e estar à mesa com os amigos. Não gosto de empratar. Na minha mesa não há pobreza.”

O menu junta propostas de cozinha mediterrânea a opções de cozinha francesa — a escola de Olivier. Nas provas feitas nas últimas semanas para a ementa final, o chef contou com a presença de Vasco Gallego. “Pediu-me para não retirar alguns clássicos, como os soufflés ou o bife Café Paris. Eram também pratos que muitos me diziam para ter aqui, quando lhes disse que ia reabrir o XL.”

Nos soufflés pode optar entre o de peixe e camarão, com creme de camarão e alho francês (28€) ou o de queijo e espinafres com creme de queijos (24€). Se lhes quiser tirar uma fotografia o melhor é fazê-lo assim que chegam à mesa, já que depois abatem ligeiramente.

Nos bifes, o à Café Paris é um clássico (34€). É servido com molho de manteiga e batata frita. Tem ainda o XXL, com o molho secreto de Olivier (34€) ou o frango assado com molho de leitão acompanhado com uma salada de laranja (19€).

Nos peixes existem especialidades que tem mesmo de pedir. É o caso da picanha de tamboril. É um lombo de tamboril com um molho de manteiga e natas — beurre blanc — e pico de galo (58€). O bitoque de lagosta é outra das propostas. O chef explica que deve ser tudo mexido na travessa: a lagosta, o alho, o molho e o ovo.

A cozinha do novo XXL só encerra à meia-noite e meia. Desde as 19h30 que pode passar por lá para pedir qualquer uma destas sugestões. A ementa compõe-se ainda com algumas entradas, que se forem pedidas para partilhar até chegam para uma refeição.

Tem o ratatouille de pimentos, beringela e courgette com queijo feta (8€); a salada de beterraba com mel, mostarda e crocante de avelã (9€); a salada de grão com vinagrette de mel e cominhos (9€); o queijo panado com panko, o pão ralado japonês, com compota de framboesa (6€); ou as gambas despenteadas, outro clássico do XL. São assadas e servidas com alho confiado (36€).

Para terminar, regressa-se ao soufflé, mas numa versão doce preparada com Ferrero Roché (16€). As fatias douradas com gelado (5€) são outras das sugestões. A carta de vinhos é extensa e conta com quase 200 referências. Muitas delas estão dispostas na garrafeira, que pode ser vista à esquerda logo assim que entra no restaurante.

O elemento da decoração que salta à vista quando se passa a porta não é discreto, nem pequeno. Um elefante gigante de madeira que pesa 400 quilos dá as boas vindas a todos os clientes. “Foi transportado por cinco pessoas. Vi-o num antiquário quando estava à procura de peças. Olhei para ele e pensei: ‘é isto mesmo, XL’ “, explica Olivier.

A estrutura do antigo restaurante não chegou a ser mudada. As paredes foram pintadas num tom verde, os candeeiros são novos e a cozinha foi totalmente renovada e equipada. Com a conta chega sempre uma pastilha Gorila de menta. É um clássico que se mantém. “As pessoas pediam muitos bifes e servia para disfarçar o odor a alho.” A abertura oficial do XXL acontece esta segunda-feira, 29 de novembro.

Este é apenas mais um projeto que Olivier inaugura em plena pandemia. Depois do Yakuza do Porto, em Paris e em Lisboa, trouxe ainda o conceito do Savage até ao mercado de Campo de Ourique. Funcionava apenas em modo delivery e ganhou este mês de novembro um espaço físico.

Carregue na galeria para conhecer melhor o novo XXL by Olivier.

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Calçada da Estrela 57, Lisboa
    1200-661 Lisboa
  • HORÁRIO
  • Das: 19:30
  • Às: 01:00
PREÇO MÉDIO
Entre 30€ e 50€
TIPO DE COMIDA
Mediterrânea, Autor, Francesa

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT