Beleza

Coroas de henna: as pinturas que celebram a queda de cabelo

Leah Reddell dedica-se há 15 anos a uma arte que decora as cabeças de mulheres que lutam contra o cancro.
Uma forma inusitada de encarar a queda capilar.

A relação que muitas mulheres estabelecem com o cabelo é significativa. Por se tratar simultaneamente de um símbolo de feminilidade e de resiliência, é uma oportunidade para cada figura feminina traduzir a sua própria personalidade através dos fios, que podem ser longos ou curtos, escuros ou claros. O couro capilar assume inúmeras formas, mas pode também ser marcado pela ausência de cabelo.

Do cancro à alopecia, a ausência de cabelo é um desafio com o qual muitas mulheres são confrontadas. Olhar-se ao espelho e ver uma cabeça careca pode, inclusive, afetar de forma considerável a autoestima de mulheres que já enfrentam obstáculos diários, como os efeitos secundários da quimioterapia, por exemplo. Uma forma de minimizar o impacto da ausência de cabelo são as coroas de henna — pinturas que ajudam a devolver a confiança às mulheres durante o tratamento.

A pedido de clientes que se viram nesta situação, a norte-america Leah Reddell, de 52 anos, decidiu ajudá-las a celebrar as cabeças despida através da tinta henna, com a qual trabalha há 15 anos. “Comecei com coisas mais tradicionais, como mãos e pés. Só alguns anos depois experimentei aplicar henna na cabeça de alguém”, conta à NiT. “Pintei a primeira coroa, provavelmente, há 12 anos.”

Começou a carreira como pintora de rostos, há quase duas décadas, e foi através desse ofício travou conhecimento com artistas de henna, com os quais começou a treinar antes de explorar a técnica. Apaixonada pela sua história e pela diversidade de usos, dedicou-se a aprender mais sobre as tradições associadas à henna e o desenhos possíveis. “Amo desenhar e, frequentemente, as coisas que desenho servem para o que planeio fazer em henna mais tarde”, revela. Recentemente, tem transformado esses esboços em pinturas com aguarelas, que imprime para criar molduras incríveis.

A artista.

Desenhou a primeira coroa quando uma cliente a procurou com esse propósito, o que a levou a concluir que era “um ótimo serviço para prestar às pessoas”. As suas clientes são sobretudo mulheres com cancro desagradadas com a ideia de usar perucas ou lenços. “Teres — literalmente — arte na cabeça é uma ideia muito inovadora. Quando estranhos falam contigo na rua, é porque tens esta pintura e querem interagir por causa disso. Não porque estás doente”, continua Leah.

Cada desenho é um reflexo da identidade da mulher, assim como os cabelos habitualmente o são. Para a artista, incorporar símbolos e imagens que sejam importantes para a cliente é uma prioridade. Torna-se, para muitas destas pessoas, um símbolo do seu percurso e uma forma de alimentar a esperança na cura.

Os pedidos, que vão dos mais simples aos mais inusitados, também deixam a norte-americana com histórias para contar: “Tive uma cliente que pintei três vezes ao longo do seu tratamento e, na primeira, queria incorporar cinco animais, como uma cobra e um beija-flor. Ela é bióloga, então tinha essa ligação especial”. Num outro momento, a mesma pessoa escolheu o Halloween para optar por uma pintura que parecia um cérebro com várias palavras gravadas.

É uma prática segura?

As coroas henna duram entre uma a duas semanas. De acordo com a artista, “existem muitas variações por causa da quimioterapia e porque a pele é muito mais fina na cabeça, ao contrário das mãos”. Após esse período, o ideal é esperar que o design desapareça completamente antes de apostar num novo visual.

Se é verdade que esta forma de decorar o couro cabelo pode ser perigosa, caso não exista cuidado, também é certo que Leah segue todas as precauções necessárias. “É muito importante fazer as minhas próprias tintas, porque sei que são ingredientes muito naturais e simples”, adianta. “Existe muita henna à venda na Amazon, produzida em fábricas, e têm mais produtos químicos”. Devido ao facto de se tratarem de pessoas com mais sensibilidade, dadas as fragilidades dos seus organismos, a aposta passa pelo óleo essencial mais suave do mercado, uma mistura com lavanda búlgara orgânica.

Além das coroas de henna, Leah também sente um carinho especial pelas pinturas que realiza em barrigas de mulheres grávidas, decorando um período em que o corpo se torna num santuário para as futuras mães. Os cuidados são os mesmos, sendo que existe um cuidado ainda maior para não serem usados óleos contraindicados na gravidez.

“[As coroas] são uma forma de se sentirem confiantes e belas, mas também para expressar a individualidade”, conclui. “[As clientes] adoram ter arte no corpo e encontrar esta forma de celebrar algo tão desafiador é verdadeiramente único”.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT