Beleza

A marca portuguesa que usa ervas daninhas para criar produtos vegan para a pele

Chama-se Herbes Folles e desenvolveu uma primeira linha de cuidados com as plantas que toda a gente quer arrancar do jardim.
O packaging é sustentável.

Há plantas selvagens e pouco exploradas que escondem uma série de benefícios desconhecidos para a pele. Muitos chamam-lhes ervas daninhas, mas os mais imaginativos preferem “ervas loucas”, uma designação que lhes é dada por crescerem tão rápido e espontaneamente um pouco por toda a parte.

Mariana Santos, de 32 anos, não acredita que sejam plantas menores, muito pelo contrário. Aos seus olhos, as maiores inimigas dos jardins podem ser muito amigas da pele e têm um enorme potencial terapêutico para produzir produtos cosméticos de qualidade e sustentáveis.

Inspirada por esta ideia, lançou a marca portuguesa de cosméticos Herbes Folles (que significa “ervas loucas” em francês) no final de 2020. Mas esta história começou em 2017, quando tinha acabado de ser mãe e regressou a Portugal depois de cinco anos a viver em Bruxelas, na Bélgica. Foi para lá motivada por uma vontade de se lançar em várias áreas das artes, trabalhou em projetos de restauração e fez pequenos workshops de botânica em ervanárias. Foi neles que descobriu que as ervas daninhas tinham muito potencial.

Todos os produtos são certificados pela NATRUE, uma organização que garante que os ingredientes usados são extraídos e processados de acordo com critérios rigorosos, alinhados com os princípios de sustentabilidade e proteção ambiental. Além disso, a marca também é membro da organização internacional 1% para o Planeta e apoia a The Lemon Tree Trust através de doações que procuram ajudar a promover a saúde ambiental e combater o isolamento de refugiados.

“A minha formação é maioritariamente artística, mas estou desde cedo ligada ao mundo das plantas por causa da minha mãe e da minha avó, que consumiam produtos naturais”, explica a empresária. “Também cheguei a morar um ano no Brasil, em Salvador da Bahia, e o meio onde eu estava inserida era bastante ligado às plantas medicinais e a esta ideia de cura pelas plantas. Só depois de engravidar é que comecei a despertar novamente para este mundo e a pensar em criar uma marca. Queria construir um projeto meu e gerir o meu próprio tempo.”

Pegou neste interesse e investiu em formações online sobre medicina herbal e formulação cosmética em escolas como a The Herbal Academy e a britânica Formula Botanica. “As beldroegas abriram-me muito os olhos para este caminho”, continua. Esta planta usada na medicina tradicional chinesa ajuda a curar doenças de pele e a tratar queimaduras e picadas de insetos. “Percebi que havia todo um mundo de plantas que eu não conhecia e que tinham, afinal, imensas qualidades.”

herbes folles
A linha de cuidados.

A outra conclusão importante foi a de que existe uma máquina de herbicidas para erradicar estas plantas mais selvagens. Para Mariana, isso não faz sentido: “Porquê acabar com estas plantas quando elas estão cheias de benefícios?” Depois de muitas pesquisas e conversas com herbalistas, escolheu as plantas que queria usar para criar os seus próprios cosméticos.

Beldroegas, urtigas, hipericão, sabugueiro, óleo de papoila e manteiga de murumuru foram os ingredientes escolhidos para desenvolver a Herbes Folles. Além da manteiga vegetal, que é proveniente do Brasil, todos os outros componentes são fornecidos por produtores europeus, sobretudo da Alemanha, Suíça e França, que garantem a máxima qualidade natural das matérias-primas, algumas das quais de origem biológica.

O passo seguinte foram as formulações num laboratório belga especializado em cosméticos naturais e sustentáveis, a criação de packagings amigos do ambiente e o trabalho com uma designer para desenvolver a identidade da marca. Em janeiro de 2020, começaram a ficar concluídos os primeiros produtos, 100 por cento vegan, cruelty-free e livres de fragrâncias sintéticas, conservantes artificiais, óleos minerais e petroquímicos.

O resultado final foi uma coleção composta por quatro produtos. Há o Diáfano – Óleo de Limpeza Equilibrante (100 mililitros por 33,50€), com óleo de camelina e girassol, mas também extratos de beldroegas, rico em antioxidantes e anti-inflamatórias, que consegue dissolver a maquilhagem e remover as impurezas de forma gentil; a Névoa – Loção Bifásica Iluminadora e Nutritiva (50 mililitros por 37,50€), que nutre a pele intensamente; o Mimo – Bálsamo Protetor (16€), que pode ser usado para hidratar os lábios ou a pele em qualquer zona mais delicada; e a esponja facial Konjac (8,50€), biodegradável e de origem natural, que está disponível em duas versões: argila verde e argila vermelha.

Todos os produtos podem ser comprados através da loja online e em pontos de venda físicos, que pode consultar por lá. Quem quiser, pode ainda encomendar o pack de limpeza com o óleo diáfano e a esponja Konjac (37,50€) ou o pack de hidratação com o bálsamo Mimo e a loção Névoa (48€) para oferecer a um amigo.

herbes folles
Mariana Santos, a fundadora.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT