Decoração

A resposta genial da Bordallo Pinheiro às imitações de Tory Burch

Esta sexta-feira, o governo português anunciou ainda que vai agir judicialmente contra a marca norte-americana.
As peças originais da marca portuguesa.

Primeiro foram as camisolas poveiras e depois as cerâmicas da Bordallo Pinheiro. Numa altura em que a estilista norte-americana Tory Burch está a ser criticada em todo o mundo por plagiar peças tradicionais da cultura portuguesa, as reações já começaram a chegar por parte das marcas, mas também do governo.

Na tarde desta-sexta-feira, 26 de março, a Bordallo Pinheiro respondeu à polémica com uma publicação na conta oficial de Instagram que junta uma camisola dos pescadores da Póvoa de Varzim a uma peça de cerâmica em forma de couve. Chamou-lhe “camisola couveira” numa brincadeira que pretende chamar a atenção para a importância de valorizar a cultura portuguesa.

“Cá para nós há coisas que valem bem mais que o preço. O apreço pela criatividade, a tradição, a originalidade, a história. Traços que definem quem nós somos enquanto marca e enquanto comunidade. Por isso, a nossa recompensa maior é a vossa preferência, lealdade e reconhecimento do que é autêntico”, começam por escrever os responsáveis.

 
 
 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação partilhada por Bordallo Pinheiro (@bordallopinheiroofficial)

O post acrescenta ainda: “E o mesmo vale para tudo o que é nosso. Podem tirar a tradição do poveiro, mas nunca tiraram o poveiro da tradição.”

Os likes dos seguidores estão a chegar a uma velocidade assustadora. À data de publicação deste artigo, o post da Bordallo Pinheiro tinha sido partilhado há apenas uma hora e já somava mais de sete mil gostos, além de dezenas de comentários encorajadores, como “bravo”, “os melhores” ou “o melhor post do dia”.

Tory Burch tem sido acusada na última semana de ser especialista em retirar inspiração de outras marcas, artistas ou culturas. Na sua loja online, tem à venda dezenas de jarras, taças, pratos, copos e tabuleiros que parecem ter saído diretamente da icónica ceramista portuguesa. São, em quase tudo, idênticas às peças da Bordallo Pinheiro, com uma diferença essencial: os preços absurdamente mais elevados.

Se, por exemplo, uma terrina em forma de couve da Bordallo Pinheiro custa 55€, no site da Tory Burch vai encontrar uma alternativa semelhante por 360€ — um preço mais de sete vezes superior ao da peça original. 

Governo vai agir

Esta sexta-feira, 26 de março, o governo português levou o caso mais longe ao anunciar que vai agir judicialmente contra a cópia da camisola poveira por parte da marca norte-americana. “A ministra da Cultura, Graça Fonseca, tomou a iniciativa de solicitar a identificação das vias judiciais e extrajudiciais ao dispor do Estado português para defender a camisola poveira enquanto património cultural português”, pode ler-se num comunicado oficial.

O documento continua: “O Governo, tendo comunicado a sua intenção à Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, fará o que estiver ao seu alcance para que quem já reconheceu publicamente o seu erro não se demita das suas responsabilidades e corrija a injustiça cometida, compensando a comunidade poveira.”

O objetivo desta ação é priorizar “a valorização, proteção, preservação e salvaguarda do património imaterial português, como um importante ativo cultural e económico.”

Como tudo começou

Esta quinta-feira, a imprensa nacional encheu-se de notícias que denunciavam a marca norte-americana por estar a vender por 695€ uma camisola dos pescadores da Póvoa de Varzim como sendo uma criação sua. A peça chegou mesmo a ser identificada como uma sweater inspirada na baja mexicana, apesar de manter motivos marítimos e uma coroa da monarquia portuguesa em grande destaque ao centro.

Os protestos foram rapidamente enviados pela Junta e pelo Município da Póvoa de Varzim, mas a empresa da estilista não tinha dado qualquer resposta até ao final da noite de quarta-feira, 24 de março. 

Já na quinta-feira, 25 de março, o alarido dos portugueses foi tão grande que até a proeminente conta de Instagram Diet Prada, com mais de 2,6 milhões de seguidores, partilhou a história. Depois da polémica internacionalizar, Tory Burch veio pedir desculpa ao “povo português” durante a noite mas o mal já estava feito.

Ao encontrar a marca no centro das atenções, vários utilizadores das redes sociais aproveitaram para apontar o dedo à estilista e acusaram-na de também plagiar as criações da Bordallo Pinheiro. Para saber mais, leia tudo no artigo da NiT.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT