Lojas e marcas

Bellä Beachwear: chegaram os biquínis brasileiros com inspiração portuguesa

Isabella sabia que as portuguesas veneravam os modelos do país sul americano. Um despedimento foi tudo o que precisou para ir atrás do sonho.
Mesmo a tempo do verão

Em plena pandemia, chegou a notícia que ninguém quer receber. Isabella Handel perdeu o emprego e, aos 24 anos, precisou de ir à procura de alternativas. Só que nenhuma parecia resultar.

“Fiquei sem rumo, tentei outros trabalhos mas não consegui”, explica à NiT. Perante aquele dilema, regressou aos velhos sonhos de miúda: “Sempre quis trabalhar com moda, mas acabei por preferir fazer o caminho mais seguro, tirar uma licenciatura.”

Com vontade de se “reinventar”, Isabella pediu conselhos aos amigos mais próximos, imaginou os modelos e foi à procura de alguém que os pudesse tornar realidade. Do resto, tratava ela, formada em marketing e publicidade, com especialização em marketing digital. Em poucas semanas, nascia a Bellä Beachwear, que arrancou oficialmente a 19 de maio.

A brasileira chegou a Portugal com 18 anos. A adaptação, explica, foi fácil, sobretudo graças à “cultura de praia”. “Sou viciada em praia, sempre adorei comprar roupa de praia e aqui sempre me senti em casa porque é um país com muitas praias, existe uma cultura semelhante à do Brasil. E por isso também queria criar algo que fizesse a ligação entre os dois países”, conta.

A Bellä Beachwear vende, essencialmente, biquínis. Todos eles mais próximos do estilo reduzido do biquíni brasileiro. A opção não foi sentimental, mas sim para preencher uma lacuna do mercado.

“Sempre que ia ao Brasil, as minhas amigas pediam-me sempre para lhes trazer biquínis brasileiros, adoravam-nos”, recorda. Escolheu, por isso, peças mais básicas, com menos detalhes e, claro, mais reveladores.

O outro pilar da marca é a preocupação com o ambiente. Foi também por isso que Isabella procurou uma produção manual e que respeitasse este princípio. Depois, só precisou de unir esta inspiração ecológica e luso-brasileira.

A coleção de arranque tem seis peças reversíveis, o que prolonga a vida e as possibilidades de cada biquíni. “São feitos em econyl, um tecido sustentável feito com plástico reciclado. Optamos por fazê-los reversíveis porque permite que possam ser usados de várias formas. A sustentabilidade passa também por criar mais opções com uma só peça.”

Isabella tem 24 anos e chegou a Portugal há cinco

Pequena curiosidade: todas as etiquetas das peças são plantáveis. Isto é, contêm pequenas sementes que podem ser colocadas num vaso. Depois só tem que regar e ver a flor crescer.

O best seller é, até agora, o Rio de Janeiro, o “modelo mais brasileiro de todos”, preto de um lado e tricolor do outro — entre preto, cinza e castanho. A união luso-brasileira espreita no modelo Amazónia, onde de um lado sobressai um padrão da onça pintada brasileira e, do outro, o verde oliveira que remete para as oliveiras e o azeite tão português.

As peças estão disponíveis no site oficial da marca, mas têm estado disponíveis no LX Market. Pode também encontrá-las na loja Brandz, no LX Factory, em Lisboa.

Carregue na galeria para conhecer então os biquínis desta nova marca de swimwear em Portugal.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT