Lojas e marcas

Compras de Natal vão começar mais cedo e podem ser trocadas até ao final de janeiro

Os principais centros comerciais do País vão promover uma campanha que visa evitar as aglomerações na época natalícia.

No início de novembro dá-se o arranque oficial da época mais forte do ano para o comércio. No entanto, em tempos de pandemia os comerciantes e o governo querem travar os típicos ajuntamentos nas lojas para compras e trocas de presentes.

Segundo o “Dinheiro Vivo“, nas próximas semanas deverá ser anunciada uma campanha que apela à antecipação das compras de Natal deste ano, com um período de trocas que se irá prolongar, pelo menos, até ao final de janeiro. 

Entre as principais estratégias promovidas pelos retalhistas estão promoções acima dos 50 por cento, encomendas por telefone, recolha dos produtos à entrada da loja, no estacionamento do shopping e também uma Black Friday digital. Segundo o mesmo jornal, as vendas online podem disparar aos níveis do período mais intenso do confinamento, num aumento de cerca de 400 por cento.

“Andamos desde setembro a trocar impressões com o governo sobre estes temas, nomeadamente, a questão das trocas, precisamente para evitar os ajuntamentos a seguir ao Natal e ao Ano Novo, por isso vai haver uma campanha”, adiantou ao “Dinheiro Vivo” João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP).

Ainda sem detalhes adicionais, tudo indica que a campanha deverá arrancar no decorrer das próximas duas semanas, estando previsto um período de trocas que se vai estender, pelo menos, até ao final de janeiro — isto é, além dos 30 dias legais.

As cercas de 8600 lojas dos shoppings da Associação Portuguesa de Centros Comerciais (entre eles o Centro Colombo, NorteShopping, Alegro e Forum Almada) vão investir 700 mil euros até ao final de novembro para apelar aos consumidores que antecipem as compras de Natal, indicando que se fizerem compras até 15 de dezembro poderão trocá-las até ao final de janeiro.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT