Lojas e marcas

Depois dos calções de banho, a marca DCK quer ser uma referência nos casacos unissexo

A insígnia nacional lançou a primeira coleção focada em agasalhos feitos com materiais reciclados e que podem ser usados por todos.
Foram lançados cinco modelos. Fotografia: Hugo Vidal

Em 2009, após uma viagem a Bali, na Indonésia, três amigos portugueses regressaram a Portugal fascinados com a abundância de modelos de uma peça com pouca variedade no mercado nacional. Fernando e Duarte Costa e Francisco Guedes fundaram a DCK e passaram a vender calções de banho masculinos que se tornaram um caso de sucesso nas redes sociais. As propostas estampadas da marca tornaram-se um clássico quase instantâneo

Em 2015, os sócios inauguraram uma loja no número 28 da Avenida Álvares Cabral, em Lisboa. As criações da marca focada num modelo de negócio monoproduto rapidamente chegaram a muitos outros espaços espalhados pelo país. A abordagem só se alterou no final de outubro passado, com o lançamento oficial dos primeiros cinco casacos unissexo produzidos com materiais 100 por cento reciclados.

A novidade começou a ser testada ainda em 2021. “Fizemos uma coleção-cápsula, muito curta, que esgotou em menos de um mês”, conta à NiT Fernando Costa, um dos sócios. “Como resultou, melhorámos alguns apontamentos em termos de qualidade e lançamos uma coleção a sério com mais opções.”

Apesar quererem continuar a focar-se num só produto, a equipa sentiu necessidade de quebrar com a sazonalidade dos calções. “Começámos a discutir levemente a ideia. Ainda pensámos em criar outra marca, mas sabíamos que conseguíamos manter o mesmo ADN”, reforça.

Além dos várias conversas que se foram desenrolando, a própria demanda dos clientes serviu como motivação para adicionarem uma nova peça ao catálogo. Muitos clientes que se deslocavam às lojas recomendavam a aposta num modelo que pudessem comprar durante o inverno.

“Queríamos replicar [nos casacos] aquilo que fizemos com os fatos de banho. Os calções são a única peça de roupa que precisamos de levar para a praia e queríamos encontrar uma equivalente para o inverno. Se vou sair e está frio, já tenho o casaco.”

São ditos a partir de plástico. Fotografia: Hugo Vidal

Desde a sua criação, a DCK vive essencialmente do oceano que a equipa pretende proteger. Neste último lançamento, o objetivo continua a passar por cuidar da natureza através da aposta em materiais reciclados para o fabrico das peças: “ao contrário dos fatos de banho, com os materiais biodegradáveis, o mundo dos casacos não está tão evoluído para a sustentabilidade”.

As matérias-primas são compradas a fábricas que transformam o plástico em poliéster. Hoje em dia, muitas empresas envolvidas na produção das grandes marcas internacionais, sobretudo na Ásia, já se preocupam com a recolha de plástico nos oceanos e em lixeiras. De seguida, o material é vendido a empresas que o transformam em tecidos com os quais se produzem diversos tipos de roupa, entre eles os usados na produção da DCK.

Da paixão pelas viagens que originou a marca à estima pela natureza, tudo isto continua presente no novo negócio. Cada casaco faz referência a uma paisagem montanhosa, como o Everest, Aspen ou o Grand Canyon. “Dos destinos de viagem mais tradicionais no inverno, escolhemos os que mais apreciamos. São os nossos locais de eleição”.

O design, marcado por modelos acolchoados, com golas e cores mais sóbrias, também partiu do gosto pessoal de cada um dos sócios, atualmente na casa dos 30 anos. “Somos o nosso próprio cliente”, sublinha Fernando, sobre a filosofia que já seguiam na idealização dos calções.

“Quando desenhámos os casacos pensámos no que gostaríamos de usar enquanto homens. Depois do teste, fizemos alterações de cores, de cortes e, sobretudo, de tamanhos. Quisemos alargar o leque de opções para poderem ser usados por mulheres e até por miúdos”, destaca.

A mais recente coleção de agasalhos trata-de de uma edição limitada de um negócio que, no futuro, continuará a ser uma marca de fatos de banho. Os fundadores ainda não  definiram se o rumo da DCK irá passar por dar continuidade a esta aposta ou até por novos produtos. Porém, se a resposta continuar a ser positiva, a etiqueta pretende ser uma referência dos calções de banho no verão e, no inverno, tornar-se um nome de peso no mundo dos casacos.

Os novos modelos estão disponíveis no site da DCK por 88€ cada e os tamanhos variam entre o XS e o XL. Carregue na galeria para conhecer todas as propostas, fotografadas por Salvador Colaço.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT