Lojas e marcas

Esta veterinária criou uma marca de medalhas para que os animais nunca mais se percam

Sílvia Honrado, de 32 anos, também quer apelar à adoção de cães e gatos abandonados através da Identifica-me.
Sílvia e a sua cadela adotada, Kali.

Sílvia Honrado, de 32 anos, andava à procura de uma medalha para pendurar na coleira da sua cadela, mas não encontrava nada de que realmente gostasse à venda em lado nenhum. Em vez de continuar numa pesquisa eterna em busca da medalha perfeita, decidiu assumir o controlo da situação e criar a própria marca.

A Identifica-me chegou ao mercado a 27 de outubro para vender medalhas personalizáveis coloridas para cães e gatos que fogem às clássicas chapas metálicas em prateado. Ao mesmo tempo, este projeto tem uma componente social que pretende promover a adoção responsável de animais abandonados ou perdidos e que estão a viver em associações enquanto esperam por uma nova família.

Cada medalha tem o nome de um animal que está para adoção e conta a história triste que o levou até lá. No site vai poder conhecer, por exemplo, o Ben, o “cão da horta” que viveu a vida inteira acorrentado pelo pescoço e que acabou por ser resgatado dos maus tratos do dono. Agora, está para adoção na associação União para a Proteção dos Animais, na Terrugem. Além do Ben, contam-se por lá as histórias da Júlia, da Sushi, do Rodolfo, do Dani ou da Neruska, entre tantos outros relatos de animais que passaram por situações complicadas e que podem agora ter uma nova vida.

“Enquanto médica veterinária e cidadã consciente do número de animais perdidos todos os anos em Portugal, pretendo apelar à colocação de medalhas identificativas e microchip nos cães e nos gatos”, explica Sílvia à NiT. O seu objetivo também passa por promover a adoção responsável através da divulgação dos animais abandonados em cinco associações da grande Lisboa, Setúbal e Porto: Associação dos Amigos dos Animais de Santo Tirso, CãoViver, O Cantinho da Milú, ResGato e União Para a Proteção dos Animais. O objetivo é juntar-se a mais parceiros.

Natural de Almada, estudou medicina veterinária na Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de Lisboa e exerce há cerca de dois anos. Antes disso, e enquanto estava a estudar, aventurou-se em vários trabalhos para conseguir juntar dinheiro, desde barmaid a rececionista, passando por hospedeira e promotora de eventos, comercial, auditora e até chegou a fazer check-ins de turistas em alojamentos locais em Lisboa.

identifica-me
Kali a usar uma medalha da marca.

Agora, além de veterinária, é a líder do projeto que criou com a ajuda do irmão, Frederico Honrado, de 35 anos, um profissional de marketing digital e web designer cujos skills foram determinantes no desenvolvimento do site.

A modelito do projeto é a cadela que Sílvia adotou no Canil da Aroeira há três anos. “Resgataram uma cadelinha de rua que acabou por ter uma ninhada. A Kali e os seus irmãos e irmãs estavam para adoção”, recorda. Foi por sempre ter receio que as suas cadelas se perdessem — antes de Kali tinha a Kiara, que entretanto morreu — que fazia questão que ambas tivessem sempre uma medalha identificativa além do microchip. “De certa forma a Kiara e a Kali contribuíram para a missão da Identifica-me”, acrescenta.

Na loja online, há 45 opções de medalhas, todas à venda por 9,50€. São feitas em alumínio e revestidas com duas camadas protetoras contra a corrosão e os raios ultravioleta. Incluem uma argola para que possa prendê-las na coleira e os nomes dos animais e contactos dos cuidadores são incluídos no processo de checkout. A todos os envios acresce o valor de 2€ para cobrir os portes.

Grafismos de banda desenhada, aguarelas azuis e cor-de-rosa, morangos, melancias, ananases, bananas, corações, bolinhas, axadrezados, flores, riscas e padrões de todas as cores que possa imaginar estão entre as opções disponíveis, que são depois gravadas com letras divertidas que se afastam da formalidade das medalhas mais comuns.

A seguir, carregue na galeria para conhecer algumas medalhas à venda na Identifica-me e as histórias dos animais que representam.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT