Lojas e marcas

Famm: a nova marca nacional de peças essenciais para mulheres modernas

Criada pela influencer Adri da Silva, a etiqueta foi desenhada a pensar nos básicos e em peças simples. Surgiu a 5 de junho.
As peças vão do swimwear ao outerwear.

É no seio familiar, com uma agulha na mão e uma máquina de costura ao lado, que muita gente dá os primeiros passos na moda. Este contacto com o vestuário pode, mais tarde, ser desenvolvido para acompanhar o estilo e as ambições profissionais de diversos criativos. Assim foi lançada a Famm, no dia 5 de junho, pela criadora de conteúdos Adriana Silva, de 26 anos.

As suas primeiras aventuras no mundo da costura começaram com a mãe, quando tinha 20 anos. Partilhavam um projeto amador que consistia em fazer biquínis para a família e amigos. Eventualmente, as seguidoras da criadora de conteúdo — atualmente, já são aproximadamente 280 mil — também acabaram por comprar. os artigos. E assim começou a definir os contornos daquilo que queria fazer.

“Em 2020, no início do ano, a Filipa [Bibe] da Maria Modista quis fazer um projeto comigo de lançarmos uma coleção cápsula com a marca. O resultado tão positivo que, nesse momento, ficou com a certeza de que queria fazer algo mais sério com a moda. O crescimento do seu trabalho no digital e a licenciatura que tirou em Comunicação Empresarial tornaram-se valências fortes.

Antes de apresentar a etiqueta ao mundo, o trabalho de pesquisa começou no segundo semestre de 2021. Idealizou cada passo com base num universo que desconhecia, procurando as fábricas mais indicadas para alcançar, como queria, uma marca com uma componente sustentável e feita em Portugal.

“Eu sou a diretora criativa do projeto, então as ideias do caminho que queremos percorrer com a marca é definido por mim”, explica. “Mas depois trabalhamos com designers que fazem a parte mais técnica.” Toda a produção acontece no norte do País, desde as peças em tricô às malhas, mas o swimwear concentra-se em Lisboa.

Cartão de apresentação

Com uma coleção de biquínis, chamada It’s Only the Beginning, a fundadora voltou atrás no tempo. Graças a opções que vão dos biquínis aos fatos de banho, passando pelas toalhas e bonés, dá-se a conhecer um pouco da Famm. Foi uma forma de lembrar os seus passos iniciais no mundo não só da costura, mas também do empreendorismo: “Era uma coisa que eu queria ter sempre presente, até porque é algo que o meu público e a minha comunidade já associa muito.”

No entanto, o negócio não se fica pelo swimwear. Juntamente com este lançamento, surge o Drop 001, onde a criadora transportou a sua identidade para a própria marca. Desta forma, as pessoas podiam reconhecer facilmente o estilo mix and match tão característico de Adriana.

“Algo que eu adoro é combinar roupa mais casual e roupa mais formal. Isso está muito presente na FAMM, pois temos peças como calções que podem ser usados de forma mais descontraída ou em looks mais sérios. Todas as peças têm a componente de poderem ser muito versáteis”, diz.

Em ambas as coleções, houve um cuidado para as propostas serem feitas com materiais sustentáveis, como matérias primas naturais ou recicladas. É o caso da licra reciclada, no caso dos biquínis, ou do algodão orgânico para o vestuário. E foi também uma forma de fazer com que as pessoas se sintam confortáveis, independentemente da altura do ano.

“Depois, temos também a componente genderless. Temos três peças que são 100 por cento sem género, as sweats, as t-shirts e os bonés”, avança. Desta forma, proporciona aos seus seguidores masculinos uma forma de se juntarem à marca, mas servem também “para mulheres que querem dividir camisolas e T-shirts com os namorados”.

O know-how digital

A experiência de Adriana Silva na criação de conteúdos nas redes sociais foi um ponto crucial para a guiar neste caminho. Sabia o que queria e o que não queria fazer desde o início, por “trabalhar com imensas marcas e perceber alguns erros na comunicação, por exemplo, ou a nível de fitting”.

Ao mesmo tempo, conta com uma comunidade — que identifica como amigos — que está presente, compra e ajuda o projeto a crescer. O feedback manifesta-se no melhoramento do site, das redes sociais e da escala de tamanhos. Desde o começo que sentiram que existia uma lacuna a preencher, a questão da inclusão de tamanhos que vão do XS ao XL logo na primeira coleção. Embora dificultado pelo facto de serem uma start-up e por condicionantes, como as quantidades mínimas, conseguiram uma escala diversa.

A fundadora cresceu no online, pelo que o lançamento da sua marca no mesmo universo fez todo o sentido. Ainda assim, afirma que “seria um sonho ver o mais rapidamente possível uma loja física da Famm”. “Até termos o nosso espaço, é algo que pode demorar. Ainda estamos a estudar várias possibilidades, mas é um objetivo”, conclui.

Os primeiros lançamentos da Famm estão disponíveis no site da marca. Na coleção de swimwear, os preços vão dos 22,90€ aos 69,90€, enquanto que no vestuário os valores oscilam entre os 39,90€ e os 79,90€. 

Carregue na galeria para conhecer as peças à venda.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT