Lojas e marcas

Moku: a marca de roupa infantil que não é descartável, mas sustentável

A etiqueta aposta na durabilidade e naquilo que "não passa de moda". Abriu a primeira loja física no Funchal.
Uma marca de roupa infantil sustentável.

Encontrar roupa para miúdos “sem bonecada” e de qualidade pode ser um desafio. A Moku surgiu precisamente para oferecer alternativas a quem procura peças elegantes e em tons neutros. O objetivo das fundadoras, Nádia Vieira, e a mãe, Luísa Jesus, era criarem propostas intemporais. Contudo, a característica distintiva da marca passa pelos materiais utilizados: são todos amigos do ambiente. 

“O futuro do nosso planeta preocupa-nos. Acreditamos que a solução está no regresso às origens e às suas práticas. Todas as nossas peças são concebidas de forma artesanal. Um processo consciente, com matérias sustentáveis, procurando contrariar o frenético ciclo industrial”, lê-se no site. 

A ideia surgiu em 2020, quando Nádia se tornou mãe pela primeira vez. “Não gostava das linhas que existiam, era muita bonecada, não me identificava com as marcas”, explica a designer de 34 anos. “A ideia surgiu por necessidade.” No entanto, não queria que fosse uma marca “descartável” — um hábito infeliz da indústria têxtil massificada. 

A par com o descontentamento com a oferta existente, Nádia sempre quis ter um projeto seu, onde pudesse ser “controlar a criatividade”. Como a mãe, Luísa Jesus, de 53 anos, também trabalhava com coisas com as quais não se identificava, decidiram ambas colocar a ideia em prática. “Quisemos criar soluções que fossem duráveis”, conta.

Botões de coco, linho natural, algodão orgânico, licra e poliéster feitos de plástico reciclado — são alguns dos materiais orgânicos, reciclados ou naturais usados nas peças da Moku.

Luísa ficou responsável pela confeção das roupas, embora não tivesse qualquer tipo de formação na área. “Mas a minha mãe consegue aprender muito por si, como autodidata”. Por sua vez, Nádia ficou responsável pelo design, pelo branding e pelo marketing. O plano começou a dar frutos e a 11 de abril abriram a primeira loja física da marca.

“Havia muita vontade de vender os materiais ao vivo. Já fazíamos o envio de amostras, mas agora as pessoas podem visitar-nos e tirar as dúvidas pessoalmente”, afirma a co-fundadora. “Já é possível aconselharmos o que fica bem, as cores ou materiais mais adaptadas a cada modelo, que as pessoas podem personalizar ao seu gosto”. 

“Na loja podemos fazer coisas que online era impossível”, confessa. Agora, por exemplo, podem fazer as provas no próprio atelier — especialmente para quem procura peças para ocasiões especiais, uma das gamas mais apreciadas pelas clientes. 

A marca conta com roupa de bebé até aos seis anos, incluindo beachwear e propostas para batizados e casamentos, bem como uma secção outlet. A oferta inclui “uma ou outra peça para as mães”, mas como a equipa é reduzida, ainda não conseguiram investir a fundo no segmento adulto — “embora seja muito pedido”. 

“As pessoas gostam, sobretudo, do nosso lado minimalista e descontraído, aliado à durabilidade. Temos um macacão pensado para os 3 anos que já serviu a miúdos de sete”, relata a designer. Entre as propostas discretas, de cores neutras, esta é uma das peças que Nádia destaca.

Há alternativas em linho, em musselina ou em bombazine, geralmente com botões de coco. Os modelos têm ainda um elástico ajustável na parte de trás, que assegura um cair perfeito (os preços dos macacões variam entre os 32 e os 72€). 

Já a linha de swimwear, feita de materiais reciclados, integra bikinis, fatos de banho e calções, dos 27€ aos 45€. Os modelos para ocasiões especiais sempre feitos à medida, com aconselhamento individual. É possível escolher qualquer modelo da marca, da coleção atual ou não.

Quanto a projetos futuros, Nádia reconhece o mercado no Funchal não justifica mais uma loja. “A longo prazo, o que gostaríamos de fazer seria vender para outras lojas, incluindo no continente. Mas, para já, o nosso foco é esta estreia.”

Carregue na galeria para conhecer alguns dos modelos da Moku.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT