Lojas e marcas

MyCloma: a empresa de roupa em segunda mão mais famosa do País chegou a Gondomar

Foi no centro comercial Auchan que o projeto se instalou agora na cidade. Quem levar peças usadas, recebe um vale de 10€ para gastar.
A MyCloma começou por ser um projeto online.

A parceria entre a Auchan e a MyCloma foi reforçada. Esta sexta-feira, 22 de outubro, a plataforma online de roupa em segunda mão chegou à loja da cadeia de supermercados em Gondomar, o que significa que, a partir de agora, os clientes vão encontrar por lá o espaço ReUse, com várias peças de vestuário usadas a preços acessíveis.

O objetivo da MyCloma é ajudar a combater o desperdício têxtil e promover a economia circular, fazendo a revenda de artigos em segunda mão que estão em bom estado de conservação. A Auchan foi pioneira em Portugal a introduzir espaços dedicados à plataforma portuguesa, começando pelo supermercado de Matosinhos e alargando mais tarde a iniciativa também ao de Alfragide.

Agora, quem quiser associar-se a este movimento pode entregar as roupas que já não usa à MyCloma e receber um vale de compras de 10€ para usar no espaço ReUse, no Auchan de Gondomar.

O projeto MyCloma arrancou em junho do ano passado, partindo de um conceito simples: só tem de entregar uma recolha da roupa usada e os jovens fundadores da empresa vão buscá-la e tratam de tudo até à nova venda; se isso acontecer, o antigo dono ainda recebe uma comissão. 

mycloma
Estes espaços chamam-se ReUse.

O projeto está crescer depressa no nosso País e já inclui parceiras com a Escola de Moda do Porto, com quem criaram uma linha de roupa feita de tecidos que seriam deitados para o lixo — e que foi lançada em maio deste ano.  Em junho, surgiu o MyCloma Fest, um mercado que encheu a Rua do Monte Alegre, no Porto, com milhares de peças de roupa e livros em segunda mão, mas também de projetos de arte ecológica, música, comfort food e workshops ligados à sustentabilidade.

Durante vários anos, Ana Monteiro, a fundadora, teve por hábito doar a roupa que já não queria, mas cedo percebeu que havia uma lacuna no mercado: “Um sítio onde as pessoas pudessem vender as suas roupas para serem usadas por outras“, explica. Começou por colocar algumas peças no OLX e noutras plataformas de venda online até criar a sua própria página de Instagram, em maio de 2019. A procura “foi enorme”, recorda.

O irmão, Fernando Monteiro, de 34 anos, já tinha alguma experiência na área de gestão e Ana decidiu pedir-lhe ajuda para criar um serviço que pudesse “responder à necessidade” que identifcou. “Tem mais experiência e visão de mercado para me ensinar a fazer crescer o negócio”, acrescenta. Juntos, reuniram uma equipa e criaram a plataforma MyCloma.

Carregue na galeria para conhecer as peças de upcycling — o processo de transformação de roupa destinada ao lixo em artigos novos — que foram criadas pelos alunos da Escola de Moda do Porto para a MyCloma (e lançadas em maio deste ano).

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

Novos talentos

AGENDA NiT