Lojas e marcas

A nova loja de Lisboa tem roupa, brunch e também é uma coffee shop

O conceito do espaço multifacetado da Early Made nasceu no Porto, mas agora vive na capital.
Tem tudo o que pode querer. Fotografia de Luís Ferraz.

Quando os irmãos Emanuel, de 42 anos, e Patrícia Sousa, de 47, pensaram em trazer a Early Made para Lisboa — visto que era uma loja que já fazia sucesso no Porto —, decidiram que não se iriam ficar por apenas um conceito. Preferiram criar um espaço multifacetado com um ambiente tipicamente lisboeta. Por lá, pode comprar uma peça de roupa, deliciar-se com o brunch ou pedir um café antes de ir para o trabalho.

“O primeiro projeto que tivemos foi o Rosa Et Al, uma townhouse na Rua da Cedofeita, no Porto”, conta o irmão mais novo à NiT. “Por ali passavam muitos project managers, e acabámos por criar contactos com muitas marcas que produzem em Portugal. E havia um desconhecimento de que elas existiam”, acrescenta. “Decidimos fazer uma curadoria com estas marcas que tinham ligação ao nosso País, quer ao nível dos materiais, quer à produção.”

Abriu em 2016 e foram criando um público forte e dedicado até se expandirem para a capital (embora a loja no norte continue a existir). O estabelecimento foi inaugurado em maio deste ano numa loja que funcionara como uma mercearia tradicional nos anos 50 e 60. Lá encontraram pequenas salas e prateleiras que ainda preservam marcas daquela altura.

“A zona de Poiais de São Bento sempre nos pareceu interessante. Tem uma série de projetos independentes. Lojas de cerâmica, artistas, marroquinaria. E também marcas novas de roupa que foram surgindo, como a Mustique.” Pareceu-lhes, portanto, o local perfeito para se introduzirem na cidade. É ainda “uma zona de circulação interessante para se estar”, e é comum ver o elétrico a passar à porta.

Dada a disposição do edifício, apostaram em mais do que um conceito. Na frente do espaço têm uma loja de roupa onde destacam as marcas estrangeiras com as quais foram criando relações — e que estão fortemente ligadas a Portugal. “Vários clientes de Lisboa iam ao Porto, mas agora já podem vir aqui”, diz Emanuel Sousa. O que ali mais chama à atenção é a mistura e diversidade de propostas presentes. Sendo estas marcas todas tão diferentes, encontra silhuetas clássicas e, logo ao lado, outras mais arrojadas.

ver galeria
A nova loja de Lisboa tem roupa, brunch e também é uma coffee shopA nova loja de Lisboa tem roupa, brunch e também é uma coffee shopA nova loja de Lisboa tem roupa, brunch e também é uma coffee shopA nova loja de Lisboa tem roupa, brunch e também é uma coffee shopA nova loja de Lisboa tem roupa, brunch e também é uma coffee shopA nova loja de Lisboa tem roupa, brunch e também é uma coffee shopA nova loja de Lisboa tem roupa, brunch e também é uma coffee shopA nova loja de Lisboa tem roupa, brunch e também é uma coffee shopA nova loja de Lisboa tem roupa, brunch e também é uma coffee shopA nova loja de Lisboa tem roupa, brunch e também é uma coffee shopA nova loja de Lisboa tem roupa, brunch e também é uma coffee shop

Não expõem as grandes estrelas da estação de cada marca, mas sim as peças mais icónicas de cada uma destas insígnias. “Gostamos da construção do guarda-roupa”, explica. A marca própria da Early Made (que partilha o mesmo nome que a loja) é conhecida, principalmente no Porto, pelas roupas de tricot feitas em máquinas dos anos 70, “quando as mulheres dos empregados faziam roupas para as fábricas”. A par destas criações, destacam as capas e botins da Stutterheim e as malhas da Le Mont Saint Michel. “Em novembro vamos ter a nova coleção da marca Early Made, com gangas e T-Shirt e sweats de algodão, algo que as pessoas estavam a pedir. Vamos afastar-nos do tricot”, revela Emanuel.

Na parte de trás encontra um “pequeno pátio característico de Lisboa”. “Tem mesas cá fora, roupa estendida, muitas plantas e painéis de patchwork feitos pela Patrícia, que também é artista de têxtil”, descreve o fundador. É nessa mesma área que estão a coffee shop bistrot e o brunch que é preparado numa “pequena cozinha do início do século”.

No menu existem propostas do norte, claro, e outras que surgem de várias partes do mundo. Tem a rabanada com vinho do Porto, canela, bagas e ginja (8€); ou o presunto bísaro (4,50€), caso queira provar algo tipicamente nacional.

Prefere aventurar-se pelo estrangeiro, sem sair de Lisboa? Basta pedir o smørrebrødc (uma sandes dinamarquesa), com abacate, couve portuguesa, azeitona, ovo escalfado, molho hollandaise, centeio e ervas aromáticas (11,50€); ou os scones (3€). “Temos um grande foco no pequeno-almoço, graças a produtos como o pão de fermentação lenta (2,50€) e o brownie vegan (4,50€) feito com produtos do Algarve.

Havendo também ali uma coffee shop, vai poder provar várias bebidas de especialidade. Destacam-se o cold brew (4,5€), o latte (3,50€); e as opções fermentadas, como o Madame Kombucha (9,50€), um cocktail com tequila, hibiscus, lima, limão e kombucha caseira.

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Rua Poiais de São Bento, 47
    1200-348 Lisboa
  • HORÁRIO
  • De segunda-feira a domingo das 9h às 18h

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT