Lojas e marcas

Nova loja vintage de Lisboa parece “um quarto adolescente” com roupa dos anos 90 e 2000

Na Dear Vains, todas as peças são escolhidas a dedo. A marca inclui artigos personalizadas e um serviço de personal shopping.
Atrai um público jovem.

Sempre que Catarina Fortunato recebia visitas da tia e da avó, sabia que ia terminar o dia com o armário renovado. A jovem de 23 anos nunca apreciou passar muito tempo em lojas, mas perdia-se nos achados que herdava das mulheres da sua família. E podia passar horas a observar as peças que tinham descartado.

Quando o guarda-roupa ficava cheio, começou a vendê-las na plataforma que criou, a Dear Vains. “Estabeleci parcerias com outras lojas online que me ajudaram a encontrar fornecedores, e passei a fazer uma seleção cuidadosa das peças. Desenvolvi uma estética muito anos 90“, explica à NiT.

Daí em diante, o negócio não parou de crescer. Catarina começou a criar as Mystery Boxes, um serviço de compras personalizado em que os clientes enviam um moodboard com as suas preferências. A empreendedora empenhava-se, assim, em descobrir peças de roupa adequadas a cada pedido.

Seguiram-se presenças em vários flea markets e, quando deu por isso, já precisava de um espaço para dar resposta à procura. A 18 de maio inaugurou a Dear Vains, a primeira loja física da marca, em Alcântara. O espaço com dois pisos está repleto com propostas inspiradas nos anos 90 e 2000.

“Estudei um ano nesta zona e sempre gostei do facto de ser muito familiar, apesar de ser na capital”, acrescenta a fundadora, formada em design de comunicação. “Adorei logo o espaço porque, como tinha escadas, permitia às pessoas terem uma experiência de compra mais confortável.”

Apesar do foco nestas duas épocas, Catarina tenta ter o maior número de tamanhos e estilos possíveis. “Dentro destas décadas, há várias estéticas tão distintas e tentamos abranger todos esses campos. E temos roupa mais recente, mas em que o design se enquadra.”

O que a criativa queria com o layout da loja era que a decoração parecesse um quarto adolescente, com muitos pósteres na parede de bandas e videojogos, assim como frases de artistas pop conhecidos — como Olivia Rodrigo, por exemplo.

Quanto à seleção, todas as peças são escolhidas uma a uma. Escolher um drop, que pode incluir 10, 20 ou 50 artigos novos, é um processo que se torna bastante demorado, sublinha a fundadora à NiT.

 
 
 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação partilhada por DearVains – Curated Vintage Store 📍Lisbon (@dearvains)

Além destes lançamentos e das mystery boxes, a Dear Vains oferece o serviço Re-works. Embora não saiba confecionar roupa, a formação académica deu-lhe o know how para as modificar e personalizar através do design gráfico.

“Investi numa impressora com capacidade de imprimir peças. Brinquei com algumas roupas para mim e [as clientes] começaram a gostar”, acrescenta. “É possível personalizar peças brancas ou com tons mais claros como quiserem, tornando-as em graphic tees.”

Dear Vains, recorda, era o nome de um Tumblr que criou quando era adolescente. “No início, não era suposto ser uma loja, então acabei por não alterar o nome. Achei que fazia sentido porque “vain” significa vaidade e essa ironia funciona bem com a nossa estética.”

Catarina revela que a procura é equilibrada entre nacionais e estrangeiros. No entanto, a maioria tem entre 16 e 26 anos, havendo muitos que são clientes fiéis que regressam várias vezes ou seguidores da marca desde os mercados.

“Cada pessoa compra algo muito diferente, mas sempre valioso. Ter um espaço físico permite-nos observar o que mais gostam”, continua. É por isso que não existe qualquer foco nas marcas. Se a peça fizer sentido com a curadoria de Catarina, é escolhida para chegar a este inventário.

Apesar da inauguração, a Dear Vains vai continuar a estar presente em alguns mercados em Lisboa. Apesar da dificuldade em manter uma presenta assídua, a jovem não esquece as origens. “Gostamos, acima de tudo, de conhecer tantas pessoas e ver estilos tão diferentes.”

O valor médio na loja e no site da marca ronda os 15€, sendo que as únicas propostas que chegam aos 50€ são calças antigas ou peças vintage que nunca foram utilizadas.

Carregue na galeria para ver mais imagens da nova loja em Alcântara.

Áudio deste artigo

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Rua Pedro Calmon, 22C
    1300-457 Lisboa
  • HORÁRIO
  • Terça-feira a sábado das 11h às 19h

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT