Lojas e marcas

O novo atelier de João Magalhães é “uma tela” onde a moda e a arte se cruzam

O designer inaugurou o seu primeiro espaço aberto ao público no dia 9 de outubro. Divide o showroom com Mafalda Froes.
O percurso do designer não começou na moda.

João Magalhães não é um nome desconhecido da moda nacional, porém, acabou de dar um dos maiores passos da sua carreira. Depois de viver em Londres e ter passado por vários continentes, decidiu fixar-se em Lisboa, onde inaugurou o seu primeiro atelier e showroom no dia 9 de outubro. Situado no número 102 da rua das Trinas, na Lapa, o espaço assinala um recomeço para a marca homónima do criador de moda.

O estilista de 34 anos nunca se formou em design ou têxteis e, talvez por esse motivo, sinta que tem liberdade para navegar pela indústria sem muitas regras. O seu percurso começou na área da arquitetura, mas foi no mundo da moda que construiu um recreio onde se atreve a brincar com o vestuário e foge à seriedade.

A primeira vez que pisou uma passarela foi em outubro de 2016 na ModaLisboa. Na altura, artista assumia uma identidade diferente — representava a Morecco. A marca foi uma espécie de escola para o designer, que veio a substituir pelo seu próprio nome. Juntou-se ao LAB, uma plataforma da ModaLisboa, e começou a construir a sua reputação.

“[A ideia da loja] foi crescendo de forma orgânica. Queria ter um espaço a sério há muito tempo, porque sempre ocupei espaços temporários, lojas desocupadas de amigos ou até um sótão”, conta à NiT. “Fazia uns improvisos e sempre quis algo mais estruturado, mas tinha medo de assumir o compromisso.”

O estilista encontrou o seu canto na Lapa.

Até então, não tinha a estabilidade ou recursos necessários para dar esse passo. Ao regressar a Portugal, a amiga Mafalda Froes, da marca White Raven, apresentou o espaço desocupado a João e, neste momento, as criações dos dois sócios convivem sob o mesmo teto.

Neste momento, poderá encontrar propostas das duas últimas coleções do criador nacional por lá. Nos próximos meses, vão chegar os modelos que o designer apresentou na mais recente edição da ModaLisboa, precisamente no mesmo dia em que abriu as portas do atelier pela primeira vez. A descontração e a fantasia das suas criações são transportadas para o pronto-a-vestir, através de peças vibrantes, criativas e com um toque andrógino.

“O meu trabalho bebe referências de vários sítios, como históricas ou científicas, com técnicas muito variadas. Quero trabalhar cada vez mais essa mistura, como um espelho da minha pesquisa pessoal”, diz. E acrescenta: “O design é colorido, mas já fiz roupa escura. Uma T-shirt preta é apenas uma T-shirt preta, mas há muitas texturas e cortes a acontecerem”.

Laboratório de experiências

O estilista desenhou os charriots, escolheu os materiais e definiu os revestimentos deste seu laboratório, onde vai explorar novos lançamentos. Além de reedições de peças exclusivas que já fez no passado, vão aparecer peças novas. “Nunca tinha feito produção de malhas, então estou a focar-me em trabalhar em peças únicas fritas à mãe”, revela, incluindo também a alfaiataria e os fatos de banho nas ideias para o futuro.

“Há tecidos que eu faço de raiz, porque tento ter coisas novas. Para qualquer criativo, é aborrecido estar sempre a fazer a mesma coisa”, acrescenta. Com o sentido de humor e a diversão que lhe são característicos, tenta “ter opções para quem quer algo mais formal”.

Desde a inauguração, a mostra tem sido também uma oportunidade para ouvir novas opiniões. Ao contrário dos desfiles de moda, onde as pessoas que assistem já conhecem e apreciam o trabalho, tem recebido várias pessoas aleatórias que, muitas vezes, apontam o que não gostam: “É muito bom ter esse feedback”.

João acrescenta sempre um toque de diversão às peças.

Paralelamente à roupa, João vai apostar em obras de artistas. “Faço sempre os meus desfiles através de colaborações artísticas, seja numa instalação, com estampados ou joias”, explica. Atualmente, estão presentes peças do ceramista João Vale e janelas pintadas por Nato, uma amiga argentina.

O designer pretende que esta instalação seja um espaço colaborativo, “uma tela sob a qual queremos trabalhar” e “com oxigénio suficiente para permitir a combustão de ideias”. Sem qualquer pretensão de fazer do showroom uma galeria, João quer que exista uma simbiose entre a moda e a arte.

Por enquanto, o atelier funciona por marcação e não tem um horário físico. O principal objetivo é abrir o espaço como loja, a partir de dezembro, criar uma equipa para aumentar a produção e, pelo caminho, receber e conectar-se com os novos e antigos clientes.

Carregue na galeria para descobrir algumas das peças de roupa de João Magalhães que poderá conhecer o novo showroom do criador. Pode visitá-lo no número 102 da rua das Trinas, na Lapa.

ver galeria

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Rua das Trinas, 102
    1200-724 Lisboa
  • HORÁRIO
  • Horário por marcação

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT