Lojas e marcas

Peixe, carne, leite e até papel higiénico — os aumentos vão chegar aos 50% este ano

Esta alteração nos preços de produtos do dia a dia é o resultado direto do aumento do custo dos combustíveis.
Começa a segunda ronda da corrida ao papel higiénico.

No início do primeiro confinamento, em março do ano passado, os portugueses apressaram-se a comprar papel higiénico de tal forma que as prateleiras dos supermercados ficaram vazias. O papel higiénico é novamente tema de conversa após ser anunciado que os preços subirão entre 8 a 10 por cento. Esta alteração vai começar a ser sentida já em dezembro. O motivo está ligado à subida dos preços dos combustíveis.

Além do papel higiénico, outros derivados do papel verão os seus preços aumentar — como os guardanapos, os rolos de papel de cozinha, entre outros. Segundo o que um especialista contou à TVI, desde o início do ano, os preços da celulose (um material essencial ao papel) já aumentaram 78 por cento. Esta subida foi ainda acompanhada pelo disparo dos preços das energias usadas na sua fabricação.

Os adubos, pesticidas, rações e respetivos transportes também aumentaram de preço, o que significa que o leite ficará seis cêntimos mais caro por litro, para sermos exatos. O mesmo vai acontecer com diferentes carnes, como a de frango e perú, mas, desta vez, o aumento de preço chegará à casa dos 50 por cento.

O aumento dos combustíveis provocou ainda um abalo no setor da pesca em Portugal, uma vez que as viagens de barco se tornam mais dispendiosas. Isto implicará, naturalmente, uma subida de preços no peixe.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT