Lojas e marcas

Quadros ou tapetes? As criações surpreendentes da Ohxoja não decoram apenas o chão

O estúdio foi criado por um casal que queria expressar a sua criatividade. Produzem todas a tapeçarias de forma manual.
Aqui tem a oportunidade de decorar a casa de outra forma.

A visão criativa de um casal, com backgrounds distintos, deu origem a um projeto inovador. Estamos habituados a imaginar os quadros decorativos como resultado de desenhos e pinceladas ou fotografias. Porém, o estúdio Ohxoja não só trabalha a tapeçaria para colocar no chão das nossas casas, como os eleva a um novo patamar. Também funcionam como quadros de parede.

Catarina Cruz, de 44 anos, trabalhou a vida toda numa retalhista de moda, enquanto vitrinista. Sempre esteve relacionada com os têxteis, mas numa abordagem mais massificada que a fez sentir-se insatisfeita com o emprego. Eventualmente, percebeu que tinha de mudar a sua trajetória profissional.

“Em 2020, saí da empresa e juntei-me com o Tiago [namorado] para formarmos um projeto, onde podemos complementar a nossa criatividade. Durante muitos anos, a trabalhar com guidelines, vi a minha imaginação castrada e o meu companheiro, como artista que é, foi um grande impulso”, conta à NiT a cofundadora.

Tiago Cruz, por sua vez, formou-se em arquitetura. No entanto, não tem dúvidas sobre as suas valências: “Sou um criativo, tenho necessidade de me expressar a nível artístico. Quando escolhi o curso, foi uma decisão prematura”, revela o criador, de 48 anos. Experimentou outras expressões artísticas, sem encontrar alguma que o preenchesse.

Foi quando a antiga vitrinista saiu da empresa que começaram a procurar um projeto para conciliarem. Cruzaram-se com a arte têxtil, que começaram a explorar de forma autodidata. De acordo com o casal, “era um campo muito verde para explorar, menos industrial. E foi a oportunidade de trabalharmos em conjunto”.

O casal por trás da ideia.

O lançamento da marca

Na fase de elaboração, demoraram cerca de um ano e meio a idealizar o projeto até sentirem que podia ser apresentado ao público. A partir de julho de 2022, mostraram ao mundo a ideia, uma marca que “ainda é como se fosse um bebé”, mas que tem um conceito inovador e que se distingue no mercado.

Através deste estúdio, seguem dois caminhos diferentes com a arte na tapeçaria. Por um lado, trabalham com tapetes únicos, para colocar no chão da casa e dar uma nova vida às divisões. Em paralelo, desenvolvem os produtos feitos para a parede, sob uma superfície rígida de madeira: “É como se fosse um quadro e o têxtil funciona como se fosse uma pintura que sai da tela”, acrescenta Catarina.

A produção artesanal é feita com lã portuguesa, trabalhada em Arraiolos. Recorrem a várias técnicas, desde a agulha mágica ou punch needle — um tipo de agulha pequena e oca de bordar, através da qual é passado o fio do bordado — ao uso de pistolas de tufagem. A nível de baixo relevo, utilizam tesouras e, no caso das molduras, também são feitas em madeira pelo casal. No final, todas as peças são exclusivas.

No caso das peças mais pequenas, demoram entre uma a duas semanas a ser produzidas. Quando falamos de tapetes que exigem mais complexidade e atenção aos detalhes, o tempo pode prolongar-se até cerca de um mês.

“O importante não é apenas arranjar maneira de rentabilizar, mas solidificar uma identidade e diferenciar-nos do que já existe”, sublinham. Para isso, estudam a volumetria, jogos de luz e de sombra e inspiram-se na natureza. Desenvolvem, inclusive algumas peças tridimensionais e texturizadas, sem nunca perder a simplicidade. “É um processo contínuo, vai-se desenvolvendo sempre”, reforça Tiago.

Atualmente, tudo é feito numa garagem bastante ampla que foi transformada num atelier. Decoraram-na de forma a trabalhar num ambiente agradável e para poderem receber as pessoas interessadas nas peças.

A Ohxoja não tem uma loja física, mas estão representados na página de Instagram e encontram-se no processo de desenvolvimento do site. Os preços oscilam entre os 270€, nas peças mais pequenas, e os tapetes para a casa ultrapassam os 1100 euros.

Carregue na galeria para ver mais imagens do trabalho feito por Catarina e Tiago.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT