Moda

Pequena Lo: a influencer com muito estilo que tornou a comédia mais inclusiva

Falámos com a humorista brasileira que se tornou uma estrela do TikTok e do Instagram com os seus vídeos hilariantes.
A influnecer (crédito de imagem: Thi Santos)

Lorrane Silva tornou-se mais conhecida no mundo digital como Pequena Lo. Contudo, é verdadeiramente gigante nas redes sociais. Aos 26 anos, a influencer natural do estado de Minas Gerais é uma das mais conhecidas no Brasil. O motivo pelo qual se tornou tão célebre foram os seus incríveis vídeos de humor que ficaram virais em 2020 durante o confinamento. Atualmente, na soma de todas as suas redes sociais, tem mais de 11 milhões de seguidores.

“Desde criança que eu tenho esta veia cómica. Era muito espontânea. Não era nada pensado. Sempre fui muito expressiva com o meu rosto. Mas eu nunca imaginei que podia levar isso para a Internet”, conta a influencer à NiT. “Por mim, eu tinha ficado ali mesmo, com a minha família a fazer stand-up, com o meu jeitinho. Só que o meu primo, que trabalhava em publicidade, disse que eu tinha de ir para a Internet. Então, em 2015, eu fui parar ao YouTube. Fiquei lá, mas não durante muito tempo, porque o que eu realmente gostava era de fazer vídeos mais curtos, de humor. E na altura o YouTube não era muito virado para isso”.

Por ter sido diagnosticada com uma síndrome rara — que ainda não foi identificada — quando era jovem, a Pequena Lo tem também uma preocupação mais séria em todos os seus conteúdos:” Levar uma mensagem que realmente chegasse às pessoas e que fizesse pelo menos um bocadinho de diferença com aquilo que eu queria passar”.

E essa mensagem de alegria e de inclusão começou mesmo a chegar em 2020 ,quando decidiu publicar vídeos. “Eu fiz os vídeos para o TikTok e lá a interação é enorme, uma coisa bizarra mesmo. Depois comecei a fazer para o Instagram e deu no que deu”.

O vídeo que a tornou neste enorme fenómeno foi um trend do TikTok do filme “High School Musical”. A jovem com 24 anos, licenciada em psicologia, viu o conteúdo ser partilhado posteriormente em várias páginas de Instagram ou Facebook por humoristas famosos no Brasil.

@_pequenalo

Eu não ia aguentar 🤣🤣 // ib: @bldinz #fy #fyp

♬ som original ceciliasenhorinha – Izabela Cristina

A partir daí, a fama chegou depressa e de forma um pouco assustadora. “Eu sempre quis muito ser reconhecida mas, ao mesmo tempo, não imaginava como ia ser. Por isso, eu não tinha ideia de que seria tão grande e que sairia em listas de revistas internacionais, como a “Forbes Under 30”, quanto tinha apenas 24 anos. Agora, com a pandemia, as coisas também acabaram por se tornar muito bizarras” 

Lorrane Silva acrescenta, sobre o peso da fama: “A responsabilidade aumenta, a pressão também aumenta e a produção de conteúdos passa a ser um trabalho. Para algumas pessoas ainda é difícil aceitar que isto é um trabalho, porque para elas fama é tudo muito 100% flores. Não é assim.”

Existe, no entanto, um lado super positivo que a própria sublinha: tornou-se um símbolo de diversidade no mundo digital e na comédia. “Fico muito feliz por ver a quantidade de pessoas que eu alcancei até hoje, levando não só o humor como a representatividade de pessoas com deficiência. Por isso, ser uma referência neste mundo, especialmente para as pessoas com deficiência, é muito bom”.

Com o passar do tempo, e graças ao seu talento, a influencer deixou de ser vista como uma mulher com deficiência, para passar a ser apenas a Pequena Lo. “Quando eu comecei, em 2015, as pessoas viam-me de outra maneira, elas conheciam-me pela minha condição física. Por isso, quando elas se referiam a mim, elas não usavam o meu nome. Eu não era a ‘Pequena Lo’, eu era a menina que andava de muletas e que fazia vídeos de humor. Então, as pessoas conheciam-me pela muleta”.

Agora, o cenário é completamente diferente. “Hoje conhecem-me pelo meu nome e pelo o meu trabalho. O que é muito bom, porque é algo pelo qual nós lutamos muito, pela igualdade, pela inclusão. Isso é um passo muito grande. E digo isto não só pelas pessoas com deficiência mas também por todas as pessoas que não estão dentro do suposto padrão normal.”

@_pequenalo

Vai ser assim 🗣🗣🗣

♬ Funk de vó – Erikka

Com o sucesso, vieram os programas de televisão, os convites para parcerias com marcas e, claro, um cuidado redobrado com a imagem. No entanto, essa parte não foi inteiramente nova. “Sempre fui vaidosa. Eu acho que muito por culpa da minha mãe que, desde pequena, gostava de me vestir com roupas bonitas. Como eu era muito pequenina, quase uma boneca, ela realmente fazia jus ao meu tamanho e transformava-me numa boneca”. 

A influencer acrescenta que, apesar de tudo, comprar roupa continua a ser muito difícil: “Falta mais inclusão na moda. Não falo só por mim, mas também por várias pessoas que têm deficiências. Quando eu compro roupa,  tenho de mandar arranjar logo de seguida”.

A paixão pela moda e pela comédia já fez com que marcasse presença em várias publicações. Em julho do ano passado, por exemplo, foi capa da “ELLE Brasil”. “Quando chegou o convite, eu fiquei muito feliz. Ser capa de uma revista tão conhecida, e estando há tão pouco tempo na Internet, foi incrível. Ainda por cima com um look Gucci”.

No mesmo universo de beleza, a Pequena Lo garante que segue uma rotina de skincare com o máximo de disciplina. “Inicialmente, eu não tinha. Costumo dizer que nasci cansada. As minhas olheiras sempre me acompanharam. Mas quando eu comecei a trabalhar, tive de ganhar esse hábito. Eu tenho um acompanhamento dermatológico, porque, como tive algumas crises de ansiedade, isso afetou a minha pele e meu cabelo. Houve ali uma fase que eu tive alguns problemas, mas hoje em dia estou melhor graças ao tratamento”, revela a influencer à NiT.

“A rotina de skincare é algo de que gosto porque é um momento para relaxar. Não estou a pensar em nada além de qual será o próximo creme que vou ter de usar.”

Pequena Lo na sua motinha (crédito de imagem: Thi Santos)

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT