Cinema

Bradley Cooper quase desistiu de ser ator durante a pandemia — mas está de regresso

Ao longo dos anos, considerou por diversas vezes deixar a carreira. Lidou com uma depressão, toxicodependência e inseguranças.
Bradley Cooper tem 47 anos.

Numa conversa recente programada pela revista “Variety”, entre os atores Bradley Cooper e Mahershala Ali, Cooper revelou que quase desistiu de ser ator durante a pandemia. “A razão pela qual não desisti de representar foi o Paul Thomas Anderson”, revelou.

Bradley Cooper interpreta uma personagem secundária no novo filme do aclamado cineasta, “Licorice Pizza”, que estreou nos cinemas na última quinta-feira de 2021. É um dos sérios candidatos aos Óscares. “Quando ele me ligou para eventualmente entrar no projeto, a sério, Mahershala, achei que tinha aberto uma porta no filme dele.”

O ator de 47 anos é um grande fã de Paul Thomas Anderson, o realizador de filmes como “Magnolia”, “Haverá Sangue” ou “The Master – O Mentor”. Cooper explicou que foi o seu primeiro trabalho durante a pandemia e que teve a oportunidade de aprender com o cineasta durante as semanas de gravações. “Vi todos os testes de câmaras. Ensinou-me tudo sobre lentes, coisas sobre as quais não tinha qualquer ideia”, explicou Cooper, que também é realizador. Estreou-se com “Assim Nasce Uma Estrela” em 2018 — que foi um enorme sucesso.

Em “Licorice Pizza”, Bradley Cooper interpreta o produtor de cinema Jon Peters. É uma personagem secundária, mas que tem sido super elogiada — aliás, Cooper está nas listas das grandes publicações especializadas como potencial candidato ao Óscar de Melhor Ator Secundário.

Quando terminou as filmagens, regressou a “Nightmare Alley – Beco das Almas Perdidas”, projeto que começou antes da pandemia mas que teve de ser interrompido por esse mesmo motivo. O filme de Guillermo del Toro estreou nos cinemas portugueses a 27 de janeiro.

Mas, segundo Bradley Cooper, não foi difícil voltar à personagem de Stanton Carlisle. Foi uma habilidade que terá conquistado precisamente em “Assim Nasce Uma Estrela”, quando teve frequentemente de alternar entre o papel de um músico alcoólico e o de realizador no set de gravações.

O ator foi convidado para participar em “Nightmare Alley – Beco das Almas Perdidas” depois de Leonardo DiCaprio ter saído do projeto. “Ainda me lembro de pensar: Ah, os tipos que não me queriam contratar, agora querem-me contratar? E depois foi do género: Claro que tenho de o fazer porque nunca entrei neste grupo. Era insegurança e ego.”

A carreira atribulada de Bradley Cooper — que já considerou várias vezes deixar de ser ator

Ao longo dos anos, Cooper não teve propriamente uma vida fácil em Hollywood. Distanciou-se por diversas vezes da indústria e enfrentou dificuldades pessoais. O projeto mais relevante que fez no início da carreira começou em 2001 — a série “A Vingadora”.

Contudo, à medida que as temporadas avançavam, foi tendo cada vez menos protagonismo. E a sua participação também não se traduziu num aumento de trabalho (e de papéis melhores) na indústria do cinema e televisão. O ator acabou por perceber que os seus dias em “A Vingadora” estavam contados e que aquilo não o iria levar a lado nenhum. 

Contra os conselhos de colegas e amigos, pediu para que os argumentistas retirassem a sua personagem da história. Bradley Cooper abandonou a série, mas não tinha qualquer trabalho em vista. O seu nome passou a ser u pouco mais conhecido, mas não conseguiu conquistar trabalhos regulares e consistentes.

Nessa fase da sua vida, Cooper sofreu uma depressão. Estava inseguro e com dúvidas sobre se iria conseguir vingar na área da sua paixão. Pouco tempo depois de sair da série, teve de enfrentar uma dificuldade acrescida. Rompeu o tendão de Aquiles, o que obrigou a uma longa (e dolorosa) recuperação. 

Bradley Cooper disse em entrevistas que passou grande parte de um ano deitado no sofá a consumir Vicodin para as dores. Quase não conseguia trabalho e chegou a questionar-se sobre se deveria sequer continuar a ser ator.

“A dado ponto, tens de aceitar que ‘a indústria simplesmente não te quer’, percebes?”, disse anos mais tarde numa entrevista à revista “GQ”. Em 2004, acabou por conseguir o papel em “Os Fura-Casamentos”, que foi determinante para que a sua carreira descolasse nos anos seguintes.

Dois anos depois, o ator aceitou o desafio de fazer uma peça de teatro na Broadway. Em “Three Days of Rain”, contracenou com Julia Roberts e Paul Rudd. Cooper já se referiu à sua decisão de fazer o papel como um momento de “vida ou morte” para a sua carreira.

Ao longo dos anos, também lidou com os vícios das drogas e do álcool, embora não seja um assunto que o ator tenha abordado detalhadamente de forma pública. Contudo, em declarações à “The Hollywood Reporter”, falou sobre o momento em que teve de tomar uma decisão e mudar de vida. 

“Apercebi-me de que não ia conseguir atingir o meu potencial, e isso assustou-me imenso. Pensei: uau, vou mesmo arruinar a minha vida.” Certa noite, numa festa particularmente selvagem, bateu com a cabeça duas vezes no chão de cimento — de propósito. Teve de passar a noite no hospital. Desde então, manteve-se sóbrio e determinado a ultrapassar a dependência.

Depois de um conjunto de papéis com menos sucesso — como na série “Kitchen Confidential” e nos filmes “The Midnight Meat Train” e “All About Steve” — Cooper decidiu começar a apostar em papéis mais ousados e em projetos melhores. Terá mesmo chegado a considerar fazer uma pausa na carreira, caso não conseguisse vingar.

A pausa acabou por acontecer, mas por outros motivos, em 2010. O pai de Bradley Cooper estava com cancro terminal e o ator suspendeu a carreira para passar com ele os seus últimos meses de vida. Viajou para Filadélfia, onde cresceu, e ficou por lá cerca de um ano. O pai morreu em 2011 e, passado algum tempo, Cooper voltou a trabalhar.

Com “A Ressaca”, “Sem Limites”, “Guia para um Final Feliz”, “Golpada Americana”, “Guardiões da Galáxia”, “Sniper Americano” ou “Joy”, Bradley Cooper foi consolidando o seu nome como um ator talentoso e de prestígio — mais versátil do que aparentava nos primeiros anos de carreira. Contudo, antes de a maioria destes filmes estrear, perdeu um papel importante que também o fez repensar se não se deveria retirar da profissão. Cooper nunca divulgou qual era o projeto.

Em 2018, numa entrevista à revista “W”, explicou que não havia muitos mais papéis que gostaria de fazer. “Sempre pensei que tinha seis personagens em mim, e já fiz algumas delas. Fui um soldado, um músico, um chef, uma pessoa desfigurada. Ainda quero interpretar um maestro. E, depois, quem sabe?”

O maestro está no horizonte próximo de Bradley Cooper. Vai realizar, escrever e protagonizar um filme biográfico sobre o maestro Leonard Bernstein, que está neste momento em fase de pré-produção — foi um projeto que Steven Spielberg lhe passou para as mãos, que é produtor em “Maestro”, ao lado de Martin Scorsese e Todd Phillips

Depois de concretizar este desejo antigo, e tendo em conta o histórico de Bradley considerar por inúmeras vezes desistir da carreira de ator, quem sabe o que o espera. Certo é que Cooper parece estar cada vez mais envolvido no processo atrás das câmaras.

Carregue na galeria para conhecer outros dos principais filmes que estreiam em Portugal em 2022.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT