Cinema

“A Filha Perdida”: o filme maravilhoso sobre um dos maiores tabus da sociedade

É um candidato aos Óscares. Centra-se numa mãe que deixou as filhas com o pai, esmagada pelo peso da maternidade.
Olivia Colman é a protagonista.

A narrativa começa quando uma mulher de meia-idade (interpretada por Olivia Colman) começa umas férias solitárias numa praia soalheira do Mediterrâneo. Mas cedo se torna evidente que há um segredo obscuro a pairar em torno desta protagonista chamada Leda.

Não é, como em muitos outros filmes, uma história de trauma ou abuso reprimido. O argumento de “A Filha Perdida” — realizado por Maggie Gyllenhaal a partir de um conto de Elena Ferrante publicado em 2006 — centra-se num dos maiores tabus da sociedade.

Foca-se numa mãe que deixou as filhas (crescidas) com o pai, esmagada pelo peso da maternidade. A protagonista não é apresentada como vítima: é uma mulher cuja maternidade lhe limitou o corpo, o sono, a carreira académica, as oportunidades de emprego, a sua identidade ou sensualidade. É uma mãe.

Esta mulher nunca fala em arrependimento — por ter tido, ou por ter deixado, as filhas. Ao mesmo tempo, também não se sente culpa, nem felicidade ou alívio, nesta personagem. Apesar de os espectadores a poderem considerar egoísta ou emocionalmente distante, Leda é retratada como uma pessoa que não é má.

As férias, que representam uma busca desesperada por paz, são atormentadas por pequenas coisas — seja uma cigarra que não se cala, uma taça de fruta podre ou uma ruidosa família ítalo-americana que também está a passar uns dias naquele local.

É com esta família que vai acabar por interagir e demonstrar a sua preocupação e bondade. Isso acontece especialmente quando a filha de Nina (Dakota Johnson) desaparece durante algum tempo. O acontecimento transporta Leda diretamente para as suas memórias distantes, quando o mesmo aconteceu a uma das suas filhas numa praia.

A história acaba por questionar a visão que temos da maternidade — não ser considerado atual uma mulher não querer abdicar de quase tudo para ser mãe, o facto de nem todas as mulheres fazerem uma transição imediata para este papel das suas vidas — com uma protagonista que não adora esse papel, que até demontra algum ressentimento para com as filhas.

O filme também inclui uma série de flashbacks, de uma versão mais jovem de Leda, interpretada por Jessie Buckley. Por vezes é inflexível e até vingativa com as miúdas. Mas também vibra quando brinca com elas ou quando as ensina a ler. Não é uma mãe vilã, de má fé, é uma mãe que não se identificou propriamente com a maternidade. 

Naquela praia do Mediterrâneo, Leda conforta Nina e também a sua filha, quando acaba por a encontrar. E tal como diz a uma mulher grávida da família ítalo-americana: a maternidade é “uma responsabilidade esmagadora”.

“A Filha Perdida” foca-se nesta personagem embrenhada em dilemas e conflitos, sem paz, enquanto questiona aquilo que é esperado de uma mulher. Não há bons nem maus, não há totalmente errado nem certo, apenas diversas perspetivas e, por vezes, sentimentos contraditórios.

O elenco inclui ainda nomes como Ed Harris, Peter Sarsgaard, Paul Mescal, Jack Farthing, Oliver Jackson-Cohen e Dagmara Dominczyk, entre outros.

O filme, que está a ser apontado como um dos principais candidatos aos Óscares deste ano, estreia nos cinemas portugueses esta quinta-feira, 3 de fevereiro. Está disponível na Netflix de vários países, mas não entrará no catálogo português da plataforma de streaming.

Carregue na galeria para conhecer outros dos principais candidatos aos Óscares.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT