Cinema

“Horizon: Uma Saga Americana”. O western de Kevin Costner chega esta semana ao cinema

A saga monumental vai estar dividida em quatro partes. As duas primeiras estreiam ainda este verão em Portugal.
Costner realiza e protagoniza o filme.

O interesse de Kevin Costner por westerns (filmes sobre o Velho Oeste) não é novidade. Em 1990, estreou-se na realização com “Danças com Lobos”, que também protagonizou e que lhe valeu os Óscares de Melhor Filme e Melhor Realizador. Treze anos depois, repetiu a dose neste género com “Open Range – A Céu Aberto”. Agora, há algo de diferente na história que estreia esta quinta-feira, 4 de julho, no cinema em Portugal. E não é só o facto de “Horizon — Uma Saga Americana” estar dividido em quatro filmes, dois dos quais chegam já este verão.

“Há uma espécie de fórmula do Oeste que, quando é bem executada, nunca a esquecemos. Mas, com demasiada frequência, é apenas uma conveniência para um herói derrubar um tipo estúpido”, explicou Costner aos jornalistas norte-americanos, na altura do lançamento do trailer da primeira parte desta série de filmes.

“Temos muitos westerns que não são bons, porque são demasiado simplificados. Estes filmes são, de facto, complicados, porque isto não é a Disneylândia. Trata-se de vidas reais. Pessoas que faziam o seu caminho. Mulheres que tentavam manter as suas famílias limpas, alimentadas e que, basicamente, trabalhavam até à morte. A vida das mulheres era curta; tudo o que faziam era trabalhar. Sinto-me atraído por isso. Quero dizer, vou sempre para o meu tiroteio, mas sinto-me atraído pelas pequenas coisas que as pessoas tinham de suportar”, acrescentou.

Esta produção explora a atração pelo Velho Oeste americano e como este foi conquistado — e perdido — através do sangue, suor e lágrimas de muitos. Abrangendo os quatro anos da Guerra Civil, de 1861 a 1865, “Horizon — Uma Saga Americana” levará o público numa viagem emocional por um país em guerra consigo mesmo, vivida através do olhar de famílias, amigos e inimigos, todos a tentar descobrir o que realmente significa ser os Estados Unidos da América. 

Sienna Miller, Sam Worthington e Giovanni Ribisi é o trio de luxo que protagoniza esta história ao lado de Costner, num filme onde o ator e realizador colocou tudo o que tinha — incluindo o risco de perder a sua casa de mais de 40 mil metros quadrados em Santa Barbara para financiar a série de filmes que ele sabia que “tinha mesmo de fazer”.

“Eu conto com as pessoas. Conto com o facto de o filme falar mais alto do que qualquer coisa que eu possa dizer. E assim, com isso em mente, empurrei-me para o Oeste e fui fazer este filme no Utah”, explicou.

Com um tema que é muito mais do que cowboys aos tiros, “Horizon — Uma Saga Americana” explora o lado de conquista e das injustiças praticadas de uma forma que o realizador acredita que nunca foi mostrada.  

“Em 25 anos, algo que existia há milhares de anos, estava acabado. O nosso apetite nacional estava a ser satisfeito em detrimento daqueles que tinham estado lá e florescido e estavam a viver à sua maneira”, disse Costner, na mesma entrevista referindo-se às populações indígenas que foram esmagadas pelo movimento.

E continuou: “Não sei se alguma vez me conformei com isso. Houve uma grande injustiça no Ocidente. Mas isso não minimiza a coragem que foi necessária para os meus antepassados se libertarem e irem para lá. E eu reconheço a desenvoltura, a coragem que foi necessária para partir e fazer esta marcha através deste país. É apenas um filme que mostra o choque de culturas. É a nossa história”.

O trailer já conhecido não desvenda a fundo as relações que esta história contempla, misturando perspetivas dos indígenas, de famílias de colonos e dos que chefiaram a guerra de diferentes lados. Veem-se exércitos a atacar, nativos a defenderem-se, famílias a fugir para sobreviver.

Quando o filme acabar, não terá de esperar muito pela continuação. A segunda parte tem data de estreia marcada para 22 de agosto. E o melhor é que os fãs do género e do realizador podem já garantir o bilhete dos dois primeiros capítulos por um preço especial de 11,95€ nos cinemas aderentes.

O realizador confirmou em fevereiro que iria começar a gravar o terceiro capítulo. “Sei que sou uma espécie de piada, ou talvez até seja engraçado ver-me porque é do género: ‘Uau, pergunto-me quando é que ele vai parar’. Não sei”. 

Áudio deste artigo

Este artigo foi escrito em parceria com a NOS Audiovisuais.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT