Cinema

“Mother/Android”: o filme pós-apocalítico da Netflix que invadiu Portugal

Um jovem casal tenta sobreviver no meio de uma rebelião de robôs. O final é emocionalmente devastador.
"Mother/Android" tem 1h50 de duração.

Chama-se “Mother/Android”, estreou na Netflix a 7 de janeiro e é o mais recente filme pós-apocalítico a tornar-se um sucesso na plataforma de streaming. Durante vários dias esteve entre as produções mais vistas no catálogo português. Neste momento, é o sexto filme nas tendências do serviço, apesar de ser uma produção original da plataforma Hulu.

Realizado e escrito por Mattson Tomlin, este thriller e drama de ficção científica passa-se num futuro próximo — numa altura em que a maioria dos humanos tem robôs humanóides em casa, que fazem tarefas domésticas ou outras funções necessárias.

Certo dia, a rebelião das máquinas acontece. Em todo o mundo, estes robôs começam a revoltar-se contra os seus donos humanos, provocando o fim da civilização como a conhecemos.

O enredo acompanha um jovem casal, formado por Georgia (Chloë Grace Moretz) e Sam (Algee Smith). Apesar de não ter sido planeado, Georgia está grávida. E ambos tentam sobreviver neste cenário dantesco em que se tornou as suas vidas, com mortes por todo o lado.

Acabam por conseguir fazer um plano: a ideia é dirigirem-se a Boston, um dos últimos redutos da resistência humana. Lá, sabem eles, estão enviados da Coreia do Sul, onde existe um programa especial para mães e bebés. O objetivo é assegurar a continuidade da espécie humana. E Georgia e Sam estão confiantes que esta pode ser a sua última esperança para sobreviver.

O problema — um dos muitos — é que, para chegarem a Boston, vão ter de atravessar uma enorme floresta que se formou entre esta cidade e Nova Iorque. A grande maioria da ação, sendo que o filme tem uma hora e 50 minutos de duração, desenrola-se neste cenário.

Georgia e Sam vão ter de fugir, tentar passar despercebidos, e até lutar pela vida nesta floresta onde a qualquer momento pode aparecer um robô assassino sedento de vingança. 

As coisas não vão correr exatamente como esperado — por isso o melhor é não esperar um final feliz. Aliás, há centenas de espectadores nas redes sociais a alertarem para isso mesmo: mais do que o suspense ou o medo, o filme tem um final que pode ser emocionalmente chocante e devastador. 

Não espere um grande filme, sobretudo se se considerar um espectador exigente. No Rotten Tomatoes, site que aglomera as classificações da imprensa especializada, “Mother/Android” só soma 30 por cento de textos favoráveis.

A grande maioria da crítica aponta as falhas do argumento, a falta de tensão, e o facto de ser uma compilação pobre de ideias muito mais originais já exploradas por outros cineastas dentro deste tema — que tem sido amplamente abordado ao longo das décadas no cinema, na televisão e na literatura.

Há ainda personagens interpretadas por Raúl Castillo, Linnea Gardner, Kiara Pichardo, Oscar Wahlberg, Christian Mallen e Jared Reinfeldt, entre outros.

Carregue na galeria para conhecer outras novidades da Netflix (e de outras plataformas de streaming e canais de televisão).

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT