Cinema

Novo filme de Jessica Alba na Netflix é uma mistura de “Rambo” com “John Wick”

"Alerta de Risco" estreou esta sexta-feira, 21 de junho. As gravações começaram logo com um acidente grave.
É um filme de ação que todos têm de ver.

As gravações de “Alerta de Risco” começaram da pior maneira. A 1 de outubro, um mês após o início das filmagens, James Saul, um membro da equipa técnica, teve de ser hospitalizado. Um cabo de ferro cortou-lhe a perna. Cerca de um mês depois, tudo voltou à normalidade.

O filme estreou esta sexta-feira, 21 de junho, na Netflix. É descrito pelos produtores como uma mistura de “Rambo” com “John Wick”, mas com uma mulher no papel principal — que neste caso é Jessica Alba.

“Uma militar das forças especiais descobre uma conspiração perigosa quando regressa à sua vila para procurar respostas sobre a morte do pai”, lê-se na sinopse divulgada pela plataforma de streaming.

Qualquer objeto é bom para que a protagonista possa dar uma tareia aos inimigos, algo que se verifica logo numa das cenas iniciais, quando pega numa vassoura e em muitas outras ferramentas. Estas cenas “mais excêntricas” foram as favoritas da atriz de 43 anos, embora também gostasse de usar os machetes e as caçadeiras.

“Foi muito divertido”, começa por contar ao “Coming Soon”. “Gosto mais destas lutas ao estilo Krav Maga, digamos assim, em que pego em qualquer coisa que esteja ao meu alcance para derrotar os meus oponentes. É um estilo mais corajoso e algo que sempre gostei de ver. Era algo que queria trazer para estes momentos”, referea a protagonista que é, simultaneamente, uma das produtoras.

Nas cenas mais intensas está em confronto com Anthony Michael Hall, de 56 anos. Representar ao seu lado “foi fácil” porque fizeram uma longa preparação antes das câmaras começarem a gravar.

No entanto, aquilo que Alba leu no guião ganhou dimensões diferentes quando começaram realmente a interpretar. “Ele trouxe imensa vida ao personagem e deu-lhe um grande peso e nuances. Isso facilitou o meu trabalho”, revela.

Jessica Alba sempre quis fazer um trabalho deste género, especialmente para poder quebrar barreiras em Hollywood e na indústria do entretenimento. Afinal, os filmes de ação sempre foram “dominados pelos homens”. “Os guiões, o storytelling, a produção e as personagens sempre foram criadas através do ponto de vista masculino. Enquanto mulher, sempre me senti roubada de oportunidades por causa disto. Depois, quando via os filmes, pensava que não faziam sentido e que eu não os faria dessa forma.”

O filme é realizado por Mouly Surya, uma mulher asiática que se estreou nos Estados Unidos da América com “Alerta de Risco”. No passado, contudo, já tinha ajudado a criar inúmeros thrillers na Indonésia, nomeadamente “Fiksi”.

Trabalhar num país completamente diferente “foi um grande desafio”. Teve de perceber como era a vida nos EUA e o que fazia com que as pessoas fossem ostracizadas, algo que aplicou no passado da protagonista. 

A primeira viagem esteve repleta de novas experiências. Quando procurava lugares onde pudesse gravar, deparou-se com uma loja de material de construção. “Pensei que era um espaço muito interessante e no qual seria fácil trabalhar e dar vida àquilo que estava no guião. As gravações ficaram marcadas pelas colaborações com os outros profissionais e nunca estive sozinha. Trabalhar com pessoas fantásticas e com uma equipa de duplos e de acrobacias incrível”, explica a cineasta.

Carregue na galeria e conheça algumas das séries e temporadas que estreiam em junho nas plataformas de streaming e canais de televisão.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT