Cinema

Roubar para comer e o suicídio da irmã: a vida desconhecida de Jessica Chastain

A atriz cresceu numa família pobre, sem dinheiro para comer. Chastain só conseguiu tornar-se atriz graças a uma bolsa que ganhou.
A atriz tem 44 anos.

Chama-se simplesmente “355” e é o novo filme de ação com um elenco feminino de luxo. Jessica Chastain, Penélope Cruz, Diane Kruger, Lupita Nyong’o e Bingbing Fan interpretam as protagonistas nesta produção que estreou nos cinemas portugueses a 27 de janeiro.

Realizado por Simon Kinberg, o filme está a ser descrito pela crítica como um desperdício de talento — está a ser caracterizado como uma história vulgar, com personagens pouco exploradas, que não consegue convencer.

Além de protagonizar o filme, Jessica Chastain é uma das produtoras, uma função que tem vindo a exercer nos últimos anos na indústria. Hoje é uma das atrizes mais requisitadas da sua geração, tendo sido já nomeada para dois Óscares — pelos papéis em “As Serviçais” e “00:30 A Hora Negra” — mas a vida nem sempre foi fácil para Chastain. Pelo contrário.

Apesar de muitas pessoas acreditarem que veio de um contexto familiar mais afortunado, a verdade é que a atriz — que hoje tem 44 anos — passou por muitas dificuldades durante a infância e adolescência. Numa entrevista recente que deu ao “The Sunday Times”, Jessica Chastain admitiu que cresceu com “muito rancor”. “Não falo muito sobre isso, mas não foi o que esperarias. Quando as pessoas me veem, acho que acreditam que venho de um contexto diferente.”

Jessica Chastain foi criada, com os irmãos, por uma mãe solteira em Sacramento. “Nós não tínhamos coisas simples como comida.” A atriz já o tinha mencionado numa entrevista mais antiga, ao “Evening Standard”. “Nós roubávamos comida na loja porque não tínhamos dinheiro. E algumas pessoas sabiam que ela o fazia [a mãe] e não a paravam. Por isso também havia bondade. Agora estamos OK, porque na altura havia pessoas que a protegiam.”

A mãe, Jessi Chastain, tinha apenas 16 anos quando Jessica nasceu. O pai, com 20 anos, era o músico Michael Monasterio — que sempre esteve ausente da sua vida. Jessica Chastain cresceu sobretudo com a mãe e o padrasto, que era bombeiro.

Segundo o “The Daily Mail”, Michael Monasterio nem sequer aparece na certidão de nascimento de Jessica Chastain — não há, além disso, nenhuma fotografia dos dois. Pai e filha nunca tiveram uma boa relação, e há até relatos de que a atriz não foi ao funeral de Monasterio em 2013.

Depois de estar na escola de artes local e fazer teatro, conseguiu ganhar uma bolsa — atribuída pelo ator Robin Williams — para ingressar na prestigiada Juilliard School, em Nova Iorque, onde aprendeu realmente a representar. Foi a primeira pessoa da sua família a licenciar-se. A bolsa garantiu que conseguisse comprar livros, que pudesse viajar para casa nas épocas de festa, e que pudesse estudar — tudo coisas impensáveis sem esse apoio.

Em 2003, quando estava na faculdade, a irmã mais nova — que sofria de depressões e de toxicodependência — cometeu suicídio. O incidente influenciou-a profundamente. “Ela fez muitas tentativas, mas tu nunca pensas que isto vai realmente acontecer”, disse a atriz à “Modern Luxury”, citada pela “People”. “E quando recebes a chamada… é chocante.”

Jessica Chastain estava a três dias de completar o curso quando aconteceu. Depois, começou a ganhar bastante dinheiro com os seus trabalhos e fez várias doações para organizações que apoiam pessoas em situações parecidas.

O seu primeiro papel no ecrã aconteceu em 2004, quando entrou num episódio do drama médico “Serviço de Urgência”. Ainda assim, demorou alguns anos até se tornar um nome grande e relevante em Hollywood. Até lá, para controlar o orçamento, juntava dinheiro em envelopes que diziam “comida” ou “renda”, para garantir que nunca faltava nada.

“Havia pessoas que viram que eu estava com dificuldades quando era miúda e que me ajudaram. E foi por isso que acabei onde estou agora.” Jessica Chastain ficou para sempre grata ao ator Robin Williams.

Quando o ator morreu, no verão de 2014, a atriz reconheceu isso publicamente. “O Robin Williams mudou a minha vida. Ele era um grande ator e uma pessoa generosa. Através de uma bolsa, ele fez com que fosse possível que eu tirasse um curso. O seu espírito generoso vai para sempre inspirar-me a apoiar outros, como ele me apoiou a mim.”

Contudo, Jessica Chastain nunca conheceu Robin Williams. “Sempre pensei que, de certa forma, iria ter uma oportunidade para o compensar. E foi muito estranho nunca o ter conhecido. Eu não queria ser uma stalker, mas depois perguntas-te sempre: será que fiz o suficiente? Espero que consiga continuar o seu legado.”

Apesar de nunca ter conhecido o ator, certo dia esteve próxima dele num restaurante. Ela considerou abordá-lo, mas Robin Williams acabou por sair pouco tempo depois do espaço. “Tive o impulso de correr atrás dele mas pensei que ele ia achar que era maluca! Perdi a oportunidade de lhe agradecer.”

Por causa da sua experiência de vida, fica “zangada” quando vê outras pessoas em situações idênticas, disse ainda ao “The Sunday Times”. “Como venho daí, sei como é. E deixa-me zangada. E não quero que seja negado nada a mais ninguém. Em termos de teres uma voz, de seres visto, de seres reconhecido e valorizado.”

Na mesma entrevista disse que foi a primeira da sua família a não estar grávida aos 17 anos. E agradeceu à organização Planned Parenthood. “Teve um grande impacto na minha vida porque me deu uma escolha.”

Jessica Chastain é casada desde 2017 com Gian Luca Passi de Preposulo, italiano de origens nobres que trabalha na área da moda. Juntos têm dois filhos e mantêm uma vida privada e discreta.

Carregue na galeria para conhecer outros dos principais filmes que estreiam em Portugal em 2022.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT