Teatro e exposições

Instalação artística com 318 balões vai animar a Rua de Santa Catarina até 2022

A obra foi a vencedora do concurso Viartes e vai decorar a fachada do ViaCatarina durante um ano.
É um espetáculo.

Foi inaugurada esta quinta-feira, 7 de outubro, a obra “Incha, desincha e passa!”, uma instalação artística que vai decorar a fachada do ViaCatarina até ao próximo ano. Entre as suas várias características, destaca-se o facto de ser composta por 318 balões que vão enchendo e esvaziando de forma a criar movimento e perspetiva diferentes.

Criada pelos arquitetos Filipe Santos Marinho e Vítor Carneiro de Mesquita, em conjunto com a sua equipa do 560 Architects, esta obra é a vencedora da sexta edição do Concurso de Arte Pública VIArtes. Organizado pelo ViaCatarina, este concurso desafia os artistas a criarem uma obra de arte para decorar a fachada do centro comercial, que fica virada para a concorrida Rua de Santa Catarina.

No caso destes arquitetos, foi mesmo um desafio. “Queríamos entrar num projeto que extravasasse a componente técnica da arquitetura, que fosse um desafio e invertesse a proporção da arquitetura pura e dura em favor de ter mais liberdade e de podermos expressar-nos”, explica à New in Porto, Vítor Carneiro de Mesquita.

Ao conceber a ideia, queriam algo que se destacasse nesta rua, que tivesse cor, luz e movimento. Por isso, criaram esta “Incha, desincha e passa!”, que é uma estrutura suspensa na fachada onde estão 318 balões iluminados por dentro e com um sistema de insuflação.

Os balões são vermelhos e estão em constante movimento. À noite ficam iluminados, com várias intensidades de luz, o que dá à obra a característica única de parecer sempre diferente enquanto passamos pela rua. “Tudo foi baseado no conceito do tempo, de podermos controlar e acelerar o tempo na fachada.”

É assim que se dá movimento a uma fachada tão clássica e de linhas retas como esta. O tempo é então percepcionado como algo que muda até as obras de arte ou a forma como olhamos para elas. Ao longo de alguns minutos é possível ver a fachada original do edifício e todas as suas alterações até ao retorno. Além da própria obra mudar, cada uma das pessoas também vai mudar, pelo menos se for caminhando pela rua, o que acaba por trazer vários movimentos diferentes e novas perspectivas à obra.

Tudo isto levou cerca de duas a três semanas a ser pensado, ainda em projeto inicial, mas vários meses na parte da execução, tanto a nível de esboços como da produção propriamente dita em fábrica. “Para nós, todos os projetos são importantes, mas este tem um maior grau de experimentação, é um desafio mais conceptual e, ao mesmo tempo, se puder acrescentar algo de novo à cidade, é muito satisfatório para nós.”

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT