Livros

Há um pedaço de Lisboa que cabia num filme de Wes Anderson

Começou como brincadeira, tornou-se um fenómeno e agora chega em livro, numa seleção que dá gosto espreitar.
A Bica é a rua escolhida.

É um daqueles nomes raros no cinema em que logo nos primeiros instantes de um filme sabemos que se trata de uma obra de Wes Anderson. As personagens desajeitadas, as cores garridas e os planos cuidadosamente desenhados são marca do realizador e uma que deu origem a um livro especial.

“Accidentally Wes Anderson” é um livro de fotografia de viagens que começou como um simples hobby online. Fascinados pela imagética de Wes Anderson, Wally Koval e a mulher foram juntando fotografias de lugares no mundo que, mesmo não tendo surgido em filmes  do realizador, lembravam o seu universo.

Daquelas primeiras publicações online nasceu uma comunidade de 1,2 milhões de seguidores no Instagram. O livro foi o passo natural que permitiu reunir num só lugar os sítios mais especiais, acompanhados por fotografias e histórias. O livro mereceu um selo de aprovação extra ao contar com um prefácio escrito pelo próprio Wes Anderson.

O Elevador da Bica, em Lisboa, é um desses lugares especiais a surgir. Ao todo, foram 200 os sítios de todo o mundo escolhidos, de uma seleção original de cerca de 17 mil fotografias. O icónico Elevador da Bica surge fotografado de longe, na lateral, a fazer o seu percurso numa rua bem característica da cidade.

View this post on Instagram

Hey Adventurers 👋 Here‘s a sneak peek from our new book 🥰📚 (link in Bio 🎉) Today we land in lovely Lisbon 🇵🇹 for (a snippet of) the story behind one of the most picturesque and unique modes of codependent public conveyance 🚋 • This stunning shot was snapped by the always impressive @JackSpicerAdams 👏 In addition to his feature in our beautiful Book 📖 he also happens to be a phenomenal food photographer with a fantastic feed to match ❤️ – – – Ascensor da Bica 🚋 Lisbon Portugal 🇵🇹 c. 1892 • “The charming Ascensor da Bica is one of Lisbon’s three funicular railway cars. A funicular railway car differs from a standard tram through its reliance on its twin. Two passenger vehicles are pulled on a slope by a single cable looped around a pulley wheel at the top. The pair move in perfect synchronicity: one vehicle ascends as its descending partner counterbalances it • This unique mode of codependent public conveyance, which bears similarities to a kind of outdoor elevator, was initially powered by a water system — a car at the top of the hill was loaded up with water until it was heavy enough for gravity to assist in its descent, thus pulling its counterbalanced twin up to the top of the hill. In 1896 the system became steam-powered, and in 1924 it was electrified • Ascensor (or Elevador) da Bica climbs 800 feet up one of the city’s steepest hills. A delightful, leisurely ride and a hop off at the top leads you to Miradouro de Santa Luzia, a terrace from which to marvel at the distinct rooftops of Europe’s western- most capital city” • PS: Enter our Giveaway (link in bio 🎉) to read the Full Story & get some other beautiful goodies 🥰 • #AccidentallyWesAnderson #Symmetrical #AccidentalWesAnderson #WesAnderson #Pursuewhatislovely #igerslisboa #Lisboa #Portugal🇵🇹

A post shared by AWA (@accidentallywesanderson) on

Além de figurar em destaque, também a história do elevador amarelo é contada, lembrando os tempos, ainda no século XIX, em que ainda era movido a água, e a passagem para carvão. Em 1924 tornou-se o transporte público de corrente elétrica que hoje conhecemos e que fascina os lisboetas e visitantes por igual.

O Hotel Opera, em Praga, com os seus tons rosados; um posto dos correios perdido no Alasca ou um forte do século XVI na Índia estão entre os lugares que chegaram à seleção final. No prefácio, de que o “The Guardian” dá conta, o realizador de filmes como “Grand Budpest Hotel” e “Darjeeling Limited” deixa um elogio bem ao seu jeito.

“As fotografias neste livro foram tiradas por gente que nunca conheci, a lugares e a coisas que, quase sem exceção, nunca vi mas devo dizer que tenciono. Compreendo agora o que quer dizer ser acidentalmente eu próprio [uma referência ao título do livro]. Ainda estou confuso sobre o que significa ser deliberadamente eu próprio”.

O livro foi lançado oficialmente na quinta-feira, 29 de outubro. “Accidentally Wes Anderson” pode ser comprado online, por 27,65€.

À venda online.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

Novos talentos

AGENDA NiT