Livros

Próxima edição da Feira do Livro de Lisboa será a maior de sempre

O evento literário regressa ao Parque Eduardo VII entre 29 de maio e 16 de junho, com um horário alargado e melhores acessos.
Está a chegar.

Já começou a contagem decrescente para a Feira do Livro de Lisboa, que irá decorrer entre 29 de maio e 16 de junho, no Parque Eduardo VII. A 94.ª edição do evento literário mais famoso do País será a maior de sempre.

Este ano o recinto irá atingir o limite da sua capacidade, com 350 pavilhões, adiantou esta quarta-feira, 22 de maio, o presidente da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL), Pedro Sobral. Contará com duas novas praças, horário alargado e uma aposta reforçada na acessibilidade de pessoas com necessidades especiais. A ampliação de 2024 já havia sido anunciada pela APEL e a Câmara Municipal de Lisboa.

A edição deste ano irá contar com mais 10 pavilhões relativamente a 2023, atingindo um total de 350, com 960 marcas editoriais representadas por 140 participantes e 85 mil títulos disponíveis. O escritor suíço, Joël Dicker, os espanhóis Fernando Aramburu e Javier Castillo, os brasileiros Djamila Ribeiro e Jeferson Tenório e o francês Jean-Baptiste Andrea serão alguns dos convidados internacionais.

Ao longo dos 19 dias, a Feira do Livro vai contar com mais de 2000 eventos, incluindo espetáculos de música e cinema ao ar livre, sem esquecer a zona de restauração. Os concertos acontecem todas as sextas-feiras, às 22 horas, no Auditório Norte da Feira, com atuações de Joana Alegre (31 de maio), JP Simões (7 de junho) e Ela Li (14 de junho).

Outra das novidades deste ano é também a antecipação do horário de abertura: o recinto irá abrir ao meio-dia durante a semana e às 10 horas ao fim de semana e feriados. O horário de encerramento mantém-se às 22 horas, exceto às sextas-feiras, sábados e vésperas de feriado, que se prolonga até às 23 horas. 

A Hora H, que permite aos visitantes comprarem livros editados há mais de 24 meses com desconto de 50 por cento, irá manter-se. A iniciativa contará com 277 pavilhões aderentes, ou seja, cerca de 80 por cento dos participantes na feira. Acontece de segunda a quinta-feira, na última hora do evento, exceto feriados e vésperas de feriados.

A principal aposta deste ano é a melhoria das acessibilidades para pessoas com mobilidade condicionada, graças a um protocolo assinado com a Access Lab, empresa que trabalha a questão da acessibilidade em Portugal. Este ano a feira será mais inclusiva e irá contar, por exemplo, com mais casas de banho preparadas para receber pessoas com necessidades especiais, bem como uma agenda específica de eventos com língua gestual portuguesa e um alfabeto de cores para daltónicos.

Em 2023, a Feira do Livro de Lisboa recebeu 895 mil visitantes. Este ano, o presidente da APEL acredita que o recinto poderá chegar acolher um milhão. Embora o recinto já tenha atingido o limite da sua capacidade, os pedidos de novos participantes continuam a aumentar. Infelizmente, “não há espaço para todos — e sair do Parque Eduardo VII está fora de questão”, sublinha a responsável.

“É a pedra basilar desta feira, é um dos fatores mais críticos deste sucesso, porque é central e ao ar livre. E independentemente das rampas e do terreno acidentado, é um sítio onde as pessoas gostam de passear”, frisa o presidente da APEl, Pedro Sobral, citado pela SIC Notícias.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT