Música

Dave Matthews Band vieram a Lisboa “provar caviar” — e estiveram maravilhosos em palco

A banda apresentou-se no passado domingo, 5 de maio, para mais um concerto em Portugal, agora a apresentar "Walk Around The Moon".
Foi espetacular. Fotografia: João Padinha/Everything is New.

Herdeiros das grandes bandas rock americanas que fizeram das suas atuações ao vivo emblemáticas e únicas, a Dave Matthews Band regressou à MEO Arena no domingo, 5 de maio. Na bagagem traziam o álbum de 2023 “Walk Around The Moon” e muitos hits da já longa carreira iniciada em 1991 em Charlottesville, no estado de Virginia.

Foi a data final da tour europeia e Dave Matthews lembrou que a primeira vez que tocou em Lisboa, a 25 de maio de 2007 — imortalizado no CD Live Trax 10  —, suplicou ao agente para nunca mais iniciar a jornada europeia na capital. “Depois de provar caviar, não se pode voltar a comer uns ovos quaisquer.”

A banda subiu ao placo pelas 20h15 e percorreu, durante cerca de duas horas e meia, 22 temas do seu vasto catálogo — nesta digressão foram tocados mais de 100 temas nos variados concertos, o que torna cada espetáculo da banda único. O arranque foi com “So Right” do álbum “Everyday”, seguido logo por um dos mais queridos temas do público: “When The World Ends”. Um começo sóbrio e em crescendo, que atingiu o seu primeiro auge à décima canção, numa fantástica e prodigiosa versão de “Crush”, um tema de “Before These Crowded Streets” que valeu um solo a cada membro da banda — o baixista Stefan Lessard, o baterista Carter Beauford, o guitarrista Tim Reynolds, o teclista Buddy Stong, o trompetista Rashawn Ross e o saxofonista Jeff Coffin. Resultado? A primeira standing ovation da noite.

Se tiver oportunidade de rever o concerto que foi transmitido pelo site volta.com, não perca esta versão. Raras são as bandas que atingem uma popularidade e aceitação tão grande por parte do público que aliam as canções de estrutura pop e facilidade de audição com tamanho virtuosismo, numa perfeita fusão entre jazz, rock, hard rock e folk.

A partir daí, a energia na sala esteve ao rubro, com ajuda de uma set list bem mais energética alavancada por temas como “So Much To Say” ou “Too Much”. Embora tenha faltado o tema que é provavelmente o seu maior êxito (“Crash Into Me”), o disco “Crash” esteve em destaque com quatro temas, incluindo uma fantástica versão de outro favorito dos fãs que soltaram os telemóveis para gravar “#41”, com direito a mais uma jam e solos da banda para delírio do publico que quase encheu a MEO Arena e cantou com especial entusiasmo “Everyday”.

Pelo meio muitos “Obrigado” de Dave Matthews, que fez questão de dizer que andou dois dias por Lisboa a encher-se da deliciosa comida portuguesa. A nós também matou o apetite, com uma performance à Dave Matthews Band, nunca desiludindo, numa noite como nos acostumaram de excelente música ao vivo que terminou adequadamente com “The Last Stop”. Que voltem o mais rápido possível.

Set List:
• So Right
• When the World Ends
• Do You Remember
• Madman’s Eyes
• Say Goodbye
• Funny the Way It Is
• Walk Around the Moon
• The Best of What’s Around
• Idea of You
• Crush
• So Much to Say
• Anyone Seen the Bridge
• Too Much
• Looking for a Vein
• #41
• Kill the Preacher
• Why I Am
• Everyday
• Ants Marching
Encore:
• Dreamgirl (Dave solo)
• Rye Whiskey (Cover de Tex Ritter) (Dave solo)
• The Last Stop

Carregue na galeria e veja algumas imagens do espetáculo.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT