Música

Festival Meda+ já tem cartaz fechado — vão atuar 24 artistas ao longo dos três dias

Ganso, Bateu Matou e Filipe Karlsson são apenas alguns dos nomes a que vai poder assistir. A entrada é gratuita.
Bateu Matou são uma das confirmações.

Depois de uma paragem em 2018, o Meda+ regressa este ano à pequena localidade com muitas novidades. O cartaz que tem lugar nos dias 25, 26 e 27 de julho está oficialmente fechado e conta com um total de 24 artistas, naquela que será “a maior e mais eclética edição do festival.” Como sempre, a entrada vai ser gratuita.

Ganso, Bateu Matou, Filipe Karlsson, Wakadelics, Baleia Baleia Baleia, Toni!, Mazela, Summer Of Hate, Hause Plants, Alex D’alva Teixeira, Burning Casablanca’Z, Vaiapraia, Vasco Completo e Dan’s Revival são alguns dos nomes que vão subir ao palco do evento. José Pinhal, Post Mortem Experience, Carlos Pedro, Orquestra Sinfónica de Meda, Samba Sem Fronteiras, Fábio Mesquita, Galeria Incerteza, Rancho Folclórico O Meda, O Marta, Rui Ferreira e No Nazis In Punk completam o leque de atuações previstas.

A primeira edição do evento aconteceu em 2010, organizada por um grupo de jovens que fundou uma associação juvenil sem fins lucrativos. Os objetivos eram simples: dinamizar a cultura na cidade e projetar o seu nome, ao mesmo tempo que apoiavam novas bandas, dos mais variados estilos musicais, numa experiência única para muitos dos habitantes da região.

O que caracterizava e facilitava a participação no Meda+ passava pelo acesso ao parque de campismo gratuito — que nesta décima edição se vai manter. Como não poderia deixar de ser, o complexo de piscinas municipais é também uma opção que deverá ter preços acessíveis. Embora não se conheçam os valores de 2024, sabemos que em 2018 o acesso durante os três dias custava apenas 10€.

Mêda tem cerca de dois mil habitantes. Habitualmente, o público deste evento corresponde a mais do dobro da população da cidade. Os concertos são organizados por cerca de 30 jovens do concelho que ambicionam a emancipação cultural da localidade, sabendo que o interior do País se encontra cada vez mais despovoado. Depois de uma paragem de seis anos, regressam “prontos a receber o melhor público de sempre durante três dias que prometem ser memoráveis”.

Áudio deste artigo

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT