Música

João volta a mostrar o talento na televisão: “Nasci com a música e ela nasceu comigo”

A performance do concorrente do "The Voice Portugal" foi destacada pela organização internacional do concurso de talentos.
João Duarte foi destacado internacionalmente

Os concursos de música podem ser uma rampa de lançamento dos sonhos de muitos músicos. One Direction, Carly Rae Jepsen, Kelly Clarkson, Fernando Daniel ou Bárbara Tinoco são apenas alguns exemplos disso mesmo. João Duarte poderá ser o próximo a trilhar o caminho do sucesso.

Na estreia da nova temporada do “The Voice Portugal”, a 17 de setembro, o jovem de 21 anos, impressionou todos os jurados ao interpretar uma versão de “Eu Sei que Vou-te Amar” do músico brasileiro Vinicius de Moraes.

A organização internacional do concurso de talentos ficou igualmente encantada com o desempenho de João Duarte, inserindo a sua performance na compilação das melhores atuações da semana de 22 de setembro, selecionadas entre todas as versões do programa.

“Sinto uma gratificação imensa. É uma sensação de dever parcialmente cumprido, um reconhecimento do meu trabalho e da minha essência enquanto artista. Fiquei em êxtase absoluto e mal consigo sair dele”, confessa o cantor à NiT.

João Duarte espera que este destaque possa ajudar a lançar a sua carreira e, inclusive, a cativar outras atenções internacionais para os seus talentos. “Gostaria de acreditar que sim. Exposição é justamente o que procuro. Quero para poder fazer da música a minha vida, não apenas como trabalho, mas como propósito”, explica.

Relativamente aos temas a que pretende dar voz, este revela-nos que selecionou “um leque de canções brasileiras que podem ser um campo por desbravar”. Contudo, não fecha a porta a outras sonoridades, sublinha, acrescentando que tem muitas outras referências. “Quem sabe o que virá, daqui para a frente.”

“Tenho bastantes influências, contudo, venho de um registo mais R&B e soul a roçar o alternativo (algo que Portugal está ainda por desvendar), de forma que cresci a ouvir Aretha Franklin, Etta James e mais tarde Yebba, Jazmine Sullivan e muitos outros”, enumera.

Apesar de atualmente estar a tirar uma licenciatura em psicologia, “o seu maior sonho é poder contar as suas histórias através da música”, tal como se pode ler no seu perfil na página de participantes do “The Voice Portugal”. “Sonha em dar a compreensão, o ombro amigo e o conforto às pessoas que o ouvem, como os artistas que ouve lhe dão”, acrescenta a biografia publicada no site da RTP.

O interesse para a música surgiu desde muito cedo. João Duarte tinha apenas cinco anos quando se estreou a pisar um palco, ainda que tivesse sido um episódio que poderia ter sido constrangedor. Enquanto cantava, o instrumental da música parou, o que o deixou aflito, contudo, não se deixou abalar e continuou a cantar. No final, todos aplaudiram a sua coragem e os seus talentos.

“Nasci com a música e ela nasceu comigo. Não me lembro de existir, sem cantar, foi algo inato”, conta à NiT. O cantor, para os mais atentos a este tipo de concursos de talentos, não é um estranho a estas paragens. Em 2014, já tinha participado no “Factor X”, tendo sido altamente acarinhado por Sónia Tavares (que agora é júri no “The Voice Portugal”), e, na altura, acabou por ser o responsável pela expulsão de Fernando Daniel, que mais tarde seria o vencedor da quarta edição do concurso e, agora, é júri no programa.

“Estava a falar com a Sónia, sem qualquer rancor. Participei no ‘Factor X’ em 2014 ou 2015 e fui o quarto a atuar. Estavam cinco cadeiras disponíveis e sentei-me numa. O João foi o último a cantar e a Sónia levantou-me, mandou-me para casa e sentou o João. É muito curioso”, recordou o músico.

“Foi uma experiência muito engraçada”, descreve o jovem concorrente. “É espantoso ver como alguém que veio do anonimato, como eu, conseguiu pôr o pé no estrelato e tornar-se uma influência neste país. Fico contente de o ver neste lugar”, afirma.

Apesar de não ter ganho o concurso, João Duarte nunca desistiu do seu sonho e continuou a trabalhar, a estudar e a candidatar-se para participar neste tipo de concursos.

Não foi nem perto da primeira vez que me tentei inscrever, mas, desta vez, estava para desistir e não tentar a minha sorte. Tudo mudou quando o meu pai me enviou um post do Instagram a dizer que as candidaturas estavam abertas e eu pensei ‘não tenho muito a perder’. Inscrevi-me e ainda bem que o fiz”, relata.

Após apresentar a música do icónico músico brasileiro, chegou a difícil hora de escolher o mentor que o irá acompanhar desta aventura, uma escolha que acabou por cair no seu antigo adversário.

“Acredito que o Fernando me pode ensinar tanto profissionalmente, enquanto músico, como pessoalmente. Como estudante de psicologia, sei dizer que aprendemos para a vida toda e sei que esta interação vai resultar em muitas aprendizagens”, argumento.

Em relação ao seu futuro, João Duarte pretende continuar a fazer música, aspirando um dia conseguir publicar as suas próprias composições e inspirar os fãs. “Respiro música e, no futuro, espero fazer as pessoas respirarem comigo. O meu sonho é crescer e poder crescer nas pessoas, fazendo-as sentir-se em casa, ouvidas, amadas e compreendidas com a minha arte, a minha música”, disse, acrescentando que, nos últimos anos, tem criado material que poderia servir para fazer quatro álbuns diferentes.

No entanto, atualmente, o seu foco está no presente e no “The Voice Portugal”. Quando questionado sobre, caso fosse novamente destacado internacionalmente, que música é que gostaria de cantar, este não teve dúvidas.

Qualquer canção destacada, já seria um sonho, mas carrego o “Purple Rain” do Prince com um carinho e consideração especial. Esta canção e a versão que fiz dela foi o que me fizeram, pela primeira vez, perceber quem eu sou e quem eu quero ser enquanto artista”, contou-nos.

Recorde aqui a atuação que mereceu o destaque internacional de João Duarte.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT