Música

Music and Riots: o novo e maravilhoso spot de discos no Porto

Abriu na zona nobre mais alternativa da cidade, pela mão de gente obcecada em ter discos que não se costumam encontrar por cá.
Um pequeno reino da música.

Quando Fausto Casais, de 39 anos, ouve falar em crise no mundo da música e dos discos em particular, costuma responder com um simples “fucking bullshit”. Não só há cada vez mais música como há um público atento e interessado. O que nem sempre encontramos é uma oferta física que abrace a diversidade.

À NiT, Fausto explica que ainda fica incomodado quando há bandas e artistas capazes de encherem espaços a atuar no Porto ou em Lisboa e depois é um drama para encontrar um disco deles em loja em Portugal. “É uma coisa que não se compreende”.

A Music and Riots abriu no Porto, no Centro Comercial Bombarda, a 14 de setembro, o “local perfeito” para uma loja de discos. Ali por perto está a Matéria Prima, loja de discos já com tradição do Porto, mas Fausto não se preocupa a concorrência. Pelo contrário, sente que é um privilégio estar perto de uma loja que respeita e deixa até o convite a que mais melómanos abram espaços de discos ali por perto. “Se abrissem mais três ou quatro, melhor ainda, fortalecia a cena toda”.

Fausto tem o know-how de abrir uma loja e montar um espaço de discos. Foi o que fez durante anos num grande grupo mas à medida que as coisas por lá ficavam cada vez mais “centralizadas”, crescia esta ideia de apostar em algo mais independente.

Foi em 2014 que a Music and Riots começou a ganhar forma, e como revista de música (onde temas políticos e sociais cabem, muitas vezes pela voz de músicos). “Não dava pica ser em português”, por isso a aposta foi no inglês. Ao longo dos anos têm contado com diferentes colaborações de quem já escreveu em publicações como a “Vice” e até a “Rolling Stone”.

Nos últimos dois anos a coisa anda já em velocidade cruzeiro: sabem o que querem fazer, cada nova edição é um trabalho de criatividade e inovação, tudo no melhor espírito do it yourself. Pelo meio, está atualizado como poucos sobre o que se anda a fazer no mundo da música, em especial longe das grandes editoras. Uma loja de discos era um passo natural a dar.

A loja 23 do Bombarda.

Lançou o desafio ao sócio Rui Correia e quando surgiu a oportunidade de abrir no Bombarda avançaram. “Um gajo sente-se inspirado pelo ambiente, pelas cenas nas paredes”, por todo o local dinâmico e alternativo que aquela zona do Porto se tornou.

Fausto explica com um certo orgulho que entre os clientes que têm visitado o espaço há um sentimento que se tem repetido: “nunca tinha visto esta oferta por cá”. Para Fausto, isto é uma aposta pessoal — e recompensadora. Falta alguma “exigência” neste setor e esta vontade em apostar mais na diferença.

“Sempre foi apregoado que a indústria musical estava em crise mas isso é uma falsa questão. Os discos continuaram a vender, as lojas é que reduziram a oferta. E se não há oferta as pessoas viram-se para o online”, afirma. “Não vamos ser salvadores da pátria”, diz-nos. “Mas quanto mais mercado houver melhor, quanto mais diferenciação houver, melhor”. A Music & Riots tenta fazer a sua parte.

“Hoje em dia não se procura um género [musical] por similares. O principal é ir buscar às editoras”. Uma Sargent House (que nos deu, entre outros, Chelsea Wolfe), uma Southern Lord (com nome no metal), mesmo a Subpop ou a Matador Records estão entre as ofertas, tal como de muitas editoras mais pequenas. “É aí que vais buscar algumas das riquezas”, diz-nos.

Nós temos pouca coisa das grandes editoras. Isso encontras em muitos sítios. Não vamos ter uns Beatles ou uns Pink Floyd, mas se calhar temos ao mesmo tempo um Kendrick Lamar e Converge, uns Deftones e Idles”. Basta conhecer alguns destes nomes para perceber que não estamos a falar de um ou dois géneros apenas, há sub-géneros em abundância a explorar fronteiras musicais, da pop à eletrónica, do rock ao hip-hop. A diferença é a chave.

Fausto explica-nos que uma loja de discos é um espaço diferente. “Não é um tipo atrás do balcão a olhar para baixo, nunca te olha nos olhos”. Há um espírito de partilha, quer-se dar algo novo aos clientes e ao mesmo tempo aprender algo mais.

E acrescenta: “A loja de discos tem uma força que tem sido menosprezada. A pessoa passa lá horas, compra um disco e que leva para casa e vai ouvir e que tem impacto na sua vida”.

Carregue na galeria e descubra um pouco do que pode esperar quando visitar a Music and Riots.

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Rua Miguel Bombarda, 285 – Centro Comercial Bombarda, Loja 23
    4050-381 Porto
  • HORÁRIO
  • Segunda a sexta, das 11h às 19h. Sábados das 11h às 20h

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

NiTfm
Novos talentos

AGENDA NiT