Música

O que aconteceu à voz de Bon Jovi? Fãs arrasam cantor durante a digressão

Aos 60 anos, o músico continua a dar concertos, mas os temas tocados em palco estão irreconhecíveis.

“Livin’ On a Prayer” foi um dos primeiros grandes temas dos Bon Jovi. Lançado em 1986, tornou-se num hino da banda que ainda hoje é usado para arrancar os fãs dos assentos. Terá sido esse o plano desenhado pelo grupo no mais recente concerto em Nashville, com Bon Jovi a surgir no meio da plateia, no arranque do espetáculo.

O que aconteceu a seguir, no concerto de 30 de abril, irritou centenas de fãs que não reconheceram a voz do vocalista, visivelmente fragilizada e incapaz de atingir as notas que fizeram de “Livin’ On a Prayer” um dos temas mais reconhecidos da banda.

O concerto encerrou uma digressão de primavera que arrancou a 1 de abril e levou a banda a fazer 15 espetáculos nos Estados Unidos. A experiência foi quase sempre a mesma em cada um deles — e o cansaço não justifica a debilidade na voz, como comprova a performance do mesmo tema, precisamente no primeiro concerto da digressão.

À terceira data da digressão, já a impressa questionava o que se passava e reunia dezenas de críticas de fãs e de críticos. “Não se limitou a falhar uma ou outra nota aqui e ali, ele teve dificuldades durante as duas horas e meia do espetáculo”, revelou o jornal local “Twin Cities”.

Apesar das críticas, nem o cantor, nem os outros membros da banda quiseram comentar o tema. “Bon Jovi devia consultar um especialista vocal e analisar as suas cordas vocais. Há toda uma série de causas que podem surgir e provocar este tipo de problemas, alguns sobre os quais não temos quaisquer controlo”, explica Matt Edwards, professor vocal.

Sem mais esclarecimentos, a especulação proliferou. Há quem atribua os problemas vocais a efeitos secundários da Covid-19. O cantor norte-americano ficou infetado em outubro de 2021 e ficou impedido de cantar por duas semanas, revelou o próprio.

“Os efeitos sobre o sistema respiratório podem afetar a forma como se canta, sobretudo se há uma redução da capacidade pulmonar”, revelou Edwards.

Outra possibilidade avançada será a de uma questão técnica: a troca das colunas de chão, viradas para o vocalista, para ouvirem como estão a soar em palco, por uns auscultadores. “Ajudam a dar-te a vibração certa que indica que estás no tom certo”, explica Peter Mantas, um dos primeiros agentes da banda.

O agente sugere outro potencial causa. “Ele costumava ter o Richie [Sambora, guitarrista] a tocar atrás dele, a cantar no fundo, e agora isso não acontece”, diz. “O Bon Jovi está muito sozinho, sobretudo nos refrões.”

Porventura a explicação mais simples é apenas a questão da idade, numa altura em que Bon Jovi já entrou na casa dos 60. “Há mudanças nas cordas vocais, mudanças nos pulmões, as pessoas não são capazes de dar uma performance ao mesmo nível do que quando eram novas”, explica Edwards.

As performances de Bon Jovi também não escaparam aos colegas. Justin Hawkins, músico britânico e membro dos Darkness, analisou a aparente debilidade na voz do norte-americano. “É triste e pouco divertido ver isto”, explicou num vídeo publicado no YouTube. 

“Verdade seja dita, ele está a tentar encontrar uma forma musical de contornar isto, porque ele sabe que não tem a capacidade de atingir aquelas notas”, refere. “Mas ele só percebe isso demasiado tarde, dá ideia de que se trata de falta de preparação ou de algo que correu realmente mal.”

Para Hawkins, esta deveria ser a altura ideal para Bon Jovi parar e reavaliar o que se passa. “Deve haver uma máquina enorme por detrás dele que o impede de simplesmente parar, que é o que tem que acontecer. Parece-me que ele precisa de terapia.”

O músico acredita não se tratar de um problema nas cordas vocais, que normalmente provocam “mudanças imprevistas no tom”. Bon Jovi é “consistente”, apesar das notas “estarem muito longe das usadas nos temas originais”.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT