Música

O regresso de PJ Harvey e a estreia de SZA: assim foi o primeiro dia do Primavera Sound

Mitski e Royel Otis foram a grande surpresa da noite e animaram o Parque da Cidade do Porto esta quinta-feira, 6 de junho.
O aguardado regresso de PJ Harvey. Foto: Primavera Sound Porto.

Um ano depois, os festivaleiros voltaram a encontrar-se no Parque da Cidade do Porto. A 11.ª edição do Primavera Sound começou esta quinta-feira, 6 de junho. O primeiro dia ficou marcado pelo regresso de PJ Harvey a Portugal, após oito anos, sem esquecer a estreia de SZA no nosso País. Mitski e Royel Otis também garantiram um arranque bastante enérgico.

O festival começou pelas 17h40 com os australianos Royel Otis, que se revelaram uma grande surpresa entre os festivaleiros, com o jangle pop vitaminado do seu êxito “Sofa King”, com um refrão de amoroso desdém que diz algo como “Não te metas comigo, não sou o homem de devia ser, mas tu és tão bonita”. Apesar da hora, a encosta do Palco Vodafone estava cheia de jovens adultos, maioritariamente mulheres, com braços e copos no ar.

“Vocês são incríveis, sabem?, afirmou Otis, vocalista e teclista da banda, acrescentando: “É a nossa primeira vez no Porto e que vibração tão boa, obrigado!”.

No início da noite, as atenções voltaram-se para o palco principal com o tão aguardado regresso de PJ Harvey. A cantora, compositora e poetisa britânica atuou pela última vez em Portugal, em 2016. A artista levou o Parque da Cidade até aos anos 90, com uma setlist marcada por clássicos do século passado. Apesar de, em alguns momentos, a guitarra não se ter feito ouvir, nada comprometeu a energia do concerto. 

O mote do concerto foi o seu mais recente álbum, “Inside the Old Year Dying”, editado em 2023. As músicas, adaptadas do seu livro de poesia “Orlam”, fizeram o público viajar pelo reino espiritual de PJ, num palco que foi transformado num teatro cénico. Com olhos negros, túnica branca riscada, sapatilhas e um sorriso, deu a melhor performance de ópera pós-crunge. 

Apesar da pouca — ou nula — interação com o público, os festivaleiros estavam 100 por cento entregues à cantautora britânica de 54 anos. Do repertório apresentado destacaram-se temas como “Let England Shake”, “50ft Queenie”, “A Woman a Man Walked By”, “Black Hearted Love”, “The Desperate Kingdom of Love”, “Man-Size”, “Dress”, “Down By The Water” e “To Bring My Love”.

Já a meio da noite, foi a vez de Mitski conquistar o público do Palco Vodafone, com a sua voz suave e letras viscerais. “A Pearl, Pink in the Night”, “Nobody” e “Washing Machine Heart” foram os grandes singles que acompanharam o concerto. “Quero que saibam que vos amo. É possível amar-vos sem vos conhecer”, disse a artista, que afirmou que “se morresse amanhã, morreria feliz”. 

No primeiro dia do festival no Palco Porto também atuaram Silly e Militarie Gun. No Palco Vodafone também se destacaram os Amyl and the Sniffers. No Palco Plenitude atuaram Amaura, Water From Your Eyes, Maria Hein e American Football. No Palco Super Bock foi a vez de Ana Lua Caiano, Blonde Redhead, Eartheater e Obongjayar. 

Contudo, o momento mais esperado da noite só aconteceu pelas 23h40, embora muitos fãs já estivessem perto do palco principal muito antes do pôr do sol para ver (bem) de perto a estreia de SZA, em Portugal. O concerto da norte-americana, considerada a rainha do R&B atual, era um dos momentos mais aguardados. As expectativas eram altas e ninguém saiu de lá desiludido.

É a primeira mulher a assinar com a Top Dawg Entertainment (Kendrick Lamar, ScHoolboy Q, Isaiah Rashad) e ficou conhecida com o álbum “Ctrl” nomeado para quatro Grammy’s. Há dois anos, conquistou o mundo com o álbum “SOS”, considerado um dos melhores discos de 2022. O concerto do Primavera Sound Porto está inserido na tour da artista e contou com motivos náuticos, com SZA e os seus bailarinos a dançarem no interior de um velho submarino. 

O primeiro dia encerrou com “Seek & Destroy”, seguido de “Love Galore”, em parceira com Travis Scott. SZA mostrou-se sempre confiante, sorridente e próxima do público português, seguindo o concerto com “Broken Clocks”, “Forgiveless”, “Ghost In the Machine”, “Blind” e “Shirt”.

Um dos primeiros momentos da noite viria a chegar com a multidão a cantar todos os versos e fazer-se ouvir em “All the Stars”, música produzida em parceria com Kendrick Lamar para o filme de “Black Panther”. A festa continuou com “Garden (Say It Like Dat), “F2F”, “Drew Barrymore”, “Low”, “Supermodel/Special” e “Open Mars”.

O segundo momento da noite chegou com os festivaleiros a ser o coro perfeito alinhado com “Nobody Gets Me”. Seguiu-se “Saturn”, “Norman Girl”, “Kiss Me More”, “Snooze”, “I Hate U”, “Kill Bill”. A noite acabou com “The Weekend”, “Rich Baby Daddy”, “Good Days” e “20 Something”. 

Foi uma estreia triunfal de SZA, que deu tudo aquilo que os fãs esperavam. Os bilhetes para o segundo dia do festival, marcado para esta sexta-feira, 7 de junho, com Lana del Rey como cabeça de cartaz encontram-se esgotados. Para sábado, 8 de junho, ainda há bilhetes à venda online por 75€ mais taxas. Se for VIP, o preço é de 135€ mais taxas.

Carregue na galeria para descobrir os melhores momentos do primeiro dia do Primavera Sound Porto. A estação de metro de Matosinhos Sul é a mais próxima do Parque da Cidade do Porto.

ver galeria

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT